Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

OLIVARES, ESSE DEMOCRATA

Conde-Duque_de_Olivares.jpg

Chamava-se Gaspar de Guzmán y Pimentel Ribera y Velasco de Tovar mas ficou na História como Conde Duque de Olivares. Nasceu por acaso em Roma a 6 de Janeiro de 1587 e morreu aos 58 anos de idade em Toro a 22 de Julho de 1645, diz-se que abalado por uma grave melancolia (ao que actualmente chamamos depressão).

 

Nobre e político espanhol, foi o terceiro Conde de Olivares, o primeiro Duque de Sanlúcar la Mayor, primeiro Marquês de Heliche, primeiro conde de Arzarcóllar, primeiro Príncipe de Aracena e Valido do Rei Felipe IV (Valido corresponde ao que actualmente chamamos Primeiro Ministro).

 

Como Primeiro Ministro, ficou famoso por ser o autor do chamado «Gran Memorial»​ (1624) e cujo conteúdo consistia na introdução da uniformidade legal em toda a Espanha, no reforço do poder real pela abolição de prerrogativas locais e regionais e na eficácia da maquinaria bélica a fim de atender a todos os potenciais (e reais) conflitos internos e externos.

 

A esta última faceta da sua política, chamou Olivares a «União das Armas», projecto destinado a incrementar o compromisso de todos os reinos de Espanha para compartilhar com Castela o esforço bélico tanto humano como financeiro. Eis como aos portugueses se lhes «chegou a mostarda ao nariz» por se verem obrigados a marchar ao serviço dos interesses de Castela e, ainda por cima, tendo que pagar.

 

Conspirando com eficácia, os restauradores da nossa soberania não deram tempo à Duquesa de Mântua nem a Miguel de Vasconcelos para se aperceberem com clareza do sarilho em que estavam metidos. Ela, convidada a viajar para lá de Badajoz; ele, defenestrado.

 

E quando Olivares soube dos acontecimentos, já por certo D. João IV tinha sido aclamado Rei de Portugal. Não teve tempo para mandar prender ninguém por uma ou duas simples razões: não teria encontrado quem lhe obedecesse a qualquer ordem de prisão que desse sobre os revoltosos; a Catalunha era muito mais importante que as «praias atlânticas» das quais voltaria a tratar logo que Barcelona sossegasse.

 

Um estratega, sem dúvida; um democrata, por falta de força para ser bruto.

 

Seguiu-se a nossa Guerra da Restauração mas quando ela estava no auge para gáudio português e tristeza castelhana, já Olivares tinha sido, também ele, politicamente defenestrado e enviado para Toro, lá bem perto do Sol posto, no que representaria uma caminhada de quase 50 horas a partir da Corte madrilena.

 

E foi nesse exílio que lhe surgiu a tal melancolia que pôs fim aos seus 58 anos de vida terrena.

 

Passados uns tempos, eis que a Catalunha volta a dizer que está farta do «Gran Memorial» e do Valido de Filipe VI.

RAJOY.jpg

 

Mas agora, não tendo já muitas veleidades sobre as «praias atlânticas», o Valido actual envia os seus fiéis castelhanos (ele, propriamente, é galego) travar os «moços de esquadra» e espatifar as urnas de voto numa demonstração de irracionalidade democrática, manda reabrir as prisões políticas tão usadas no tempo do Caudilho Franco e apresenta-se nas televisões a dizer que é necessário recuperar a Catalunha para a democracia. Bastou, afinal, uma relativamente modesta acção policial para uns quantos se porem «a monte».

 

O descaramento de um corresponde na perfeição à cobardia dos outros.

 

Reconheçamos que não foi com gente do calibre dos que fogem que se fez Portugal. Também, não dá para perceber como há por cá quem não reconheça a legitimidade política da afirmação catalã.

 

Novembro de 2017

Barranco, Lima, Peru, 12 de Outubro de 2017.jpg

Henrique Salles da Fonseca

 

 

BIBLIOGRAFIA:

Wikipédia - https://es.wikipedia.org/wiki/Conde-duque_de_Olivares

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D