Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

OFIUZA

  

Serpente, colar da sabedoria.jpg

 

 

Era uma vez uma praia branda que se estendia junto a um penhasco altivo. Era Ofiuza, a terra da serpente. Corriam os tempos megalíticos e ali acabava a terra e começava o mar.

 

Serpente, símbolo da sabedoria, refugia-se no extremo da terra para se isolar da pequenez dos que se instalaram ao longo do caminho do Sol. E porque o Sol é a luz, a serpente segue-lhe no rasto e chega ao penhasco do fim.

 

Aqui chegada, ebule por não mais poder seguir a luz que se põe no horizonte, ralha com todos a propósito de tudo e de nada, não quer suportar os que tem por medíocres ao contentarem-se com a sedentarização, sente-se grande perante a pequenez desses sossegados, sente-se pequena perante a imensidão do oceano, ferve-lhe o sangue. E pensa que mais valera ignorar e ser feliz como todos os que ficaram para trás do que saber e não conseguir valer-se nas ambições que a atormentam. Até que se zanga consigo própria porque já não tem mais ninguém com quem se zangar.

 

E é nessa zanga consigo própria que se dá conta de que só ela pode descobrir uma solução para as suas ânsias. Não serão os da capito deminutia que a poderão ajudar, ela é a sabedoria. Mas a sabedoria, sendo determinada, é serena e a ebulição é sinónimo de inferioridade.

 

Medita e determina-se durante séculos a fio contra os que a querem esmagar e roubar-lhe a praia e o penhasco do fim.

 

Até que certo dia, passadas muitas amarguras, conclui que o fim das suas frustrações está na continuação da viagem em direcção às novas paragens desconhecidas como fórmula única de ganhar a dimensão que lhe falta para aguentar as investidas dos encostados.

 

Deixa um velho no Restelo a guardar a praia límpida e o penhasco altivo, encomenda-se e determina-se na ida.

 

Mas a dúvida invade-a: terá o velho a garra suficiente para guardar a praia? E, no regresso, quem regerá o penhasco?

 

Mas foi...

 

E andou, viveu, suou, chorou, riu e cresceu mas disseram-lhe que voltasse porque a praia estava suja e o penhasco tinha sido ocupado por quem não lhe queria bem.

 

Voltou com a determinação de retomar Ofiuza mas andara por fora tempo de mais e os que tinham ficado não lhe reconheceram o mérito de ter dado novos mundos ao mundo, de ter sido sábia e compassiva. Pior, disseram-lhe que tinha sido imperialista e exploradora dos submissos, que perdera o lugar.

 

E a serpente enroscou-se à espera de que os medíocres se entregassem à autofagia para poder, então, ressurgir, colocar os madraços em sentido e fazer a glória de Ofiuza.

 

Mas, perdida a dimensão do mar e à mercê dos hedonistas, a serpente duvida que os usurpadores sejam capazes de viver num sistema que lhes garante a liberdade porque esta pode, infelizmente, ser a grilheta da sabedoria.

 

Chardin.jpg

 

A questão é agora a de saber quando será a hora da serpente. E também resta saber se então ainda haverá Ofiuza.

 

Fevereiro de 2016

 

Porto Santo-MAI15-B.jpg

 Henrique Salles da Fonseca

7 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D