Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

O WALHALLA E O OLIMPO

 

Deuses do Olimpo.jpg

 

O que é válido para as formigas muito dificilmente o é para as cigarras. E vice-versa. Os conceitos de vida são de tal modo diferentes que só por mero acaso pode haver interesses comuns. Eis por que a União Europeia começa por não o ser plenamente: europeia, sim; união, de todo.

 

Neste cenário, o sentido do dever perante o formigueiro nada tem a ver com o desenrascanço, a trapaça corriqueira, o «dolce fare niente», a «nonchalance», o «não te rales» das cigarras cantadeiras.

 

O sentido kantiano do dever perante o bem comum resulta no conceito de que o trabalho é uma obrigação social; o individualismo, pelo contrário, assenta no princípio de que a felicidade platónica é um direito natural em que o trabalho não passa de um instrumento descartável – tão precário quanto possível e tanto melhor quanto mais precário ele puder ser - para alcançar essa felicidade. Conceitos, portanto, opostos, o de viver para trabalhar e o de trabalhar para viver.

 

Outra diferença também importante: o conceito de que o trabalho é um dever; o conceito de que o trabalho é um direito.

 

Ao empenhamento individual na prossecução do bem comum subjazem razões morais (a questão dos princípios, que pode inclusive ter fundamentação religiosa ao estilo luterano) e éticas (a questão dos factos, que muito naturalmente se traduz num enquadramento jurídico construído adrede durante séculos); ao individualismo subjazem outras razões - que divergem largamente dos conceitos luteranos e kantianos – e conduzem a situações de todos nós, sulistas, bem conhecidas tais como essa de enjeitar responsabilidades («eles» é que são os culpados), de viver à custa do próximo (os ricos que paguem a crise), de recusa do risco (um emprego na Repartição Pública é que é bom).

 

Tudo, afinal, uma questão de educação.

 

E que cenários tão diferentes temos na instrução e formação profissional. Nem vale a pena aprofundar a análise: basta comparar os níveis médios de habilitações nos países nórdicos e nos países do Sul da Europa. A Internet tem informação estatística mais do que suficiente para que todos, sulistas, nos enchamos de vergonha. Eu não a vou compulsar mais enquanto tivermos em Portugal um único adulto analfabeto, desses que só sabem desenhar o nome.

 

Daquele empenho generalizado de contribuir individualmente de modo instruído para o bem comum das sociedades «formigueiras» resulta uma notável dinâmica económica produtiva; nas sociedades «cigarreiras» há quem insinue a falácia de que o consumo é motor do desenvolvimento.

 

De nada valem invectivas contra os que são competitivos, poupam e emprestam dinheiro aos que se habituaram à função esmoler. É politicamente incorrecto fomentar a inveja e a burocracia; é crime navegar na corrupção; é lastimável que se construam pesados cenários legais e regulamentações constrangedoras só porque o legislador sempre desconfia de quem é empreendedor.

 

Não acredito que o Walhalla tenha monopolizado todas as virtudes para os seus povos apenas deixando problemas para os seus «colegas» do Olimpo mas acredito que todos esses Deuses tenham grandes dificuldades de relacionamento.

 

União Europeia? Je m’en doute!

 

No dia em que os Deuses do Olimpo mandam os seus devotos a referendo.

 

De Denang para Hué.JPG

 Henrique Salles da Fonseca

5 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D