Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

O “STATUS’’ DA COZINHA À MESA

                                                            

 

                       

 

A alimentação sempre foi para nós, simples mortais, questão de sobrevivência, mas a degustação, avaliação sensorial dos alimentos através do paladar, era a arte dos “connaisseurs”, privilégio de abonados e reis.

 

No passado remoto, o que se comia vinha do meio em que se habitava. Hoje, com as facilidades de transporte e comunicabilidade, pode-se ter produtos de qualquer parte do mundo para o jantar. Os costumes, a cultura, os níveis social e económico, até a religião, regiam e ainda regem os hábitos alimentares. Porém, se ontem só a nobreza e os grandes Senhores se podiam brindar com iguarias feitas pelas mãos dos mestres da arte culinária, na actualidade, quem tem gosto e algum dinheiro para gastar, pode-se dar ao luxo de desfrutar a gastronomia oferecida pelos “chefs” que actuam em restaurantes de alto padrão, onde a cozinha é laboratório de pesquisa de novos e exóticos sabores e a mesa é o palco de apresentação de pratos que agradam a vista e deleitam o paladar.  

 

A gastronomia nos países mais ricos e desenvolvidos voltou a ganhar destaque, não só pela preocupação em se valorizar a saúde, como também na confirmação da sua importância na vida social e política das pessoas.   Desde a antiguidade, a mesa é o local de reunião, de confraternização, de comunhão, de decisões que afectaram famílias e destinos de nações.

 

Em tempos mais evoluídos, à mesa, reis demonstravam o seu poder e refinamento na ostentação das suas ricas baixelas e requinte na apresentação de seus pratos. Ritual alimentar executado pelos nobres da corte, que os assistiam com reverência e guardavam sua cozinha com o rigor de Ministros de Estado. 

 

Diz-me o que comes, e como comes, e eu te direi quem és. É um ditado popular adaptado que muito pode esclarecer sobre quem está à mesa. Come-se à francesa, à inglesa, à americana,..., pratos portugueses, comida brasileira, indiana,... . Comer é um acto social. Conta-se que durante a segunda grande guerra mundial um espião americano infiltrado nas hostes alemãs foi descoberto quando, ao comer, pegou os talheres à moda americana, isto é, faca na mão esquerda e garfo na direita. A mesa é reveladora, é litúrgica, ritual, nos aproxima ou afasta dos deuses.

 

Na idade média, a alta nobreza europeia gastava na cozinha mais da metade do seu orçamento doméstico com alimentos para a família, parentela, sustento e pagamento de empregados e agregados.  As pratarias, vidros, porcelanas, taças, saleiros, talheres, baixelas eram verdadeiras obras de arte. Personalizadas, encomendadas a renomados artífices e ourives, eram extremamente valorizadas. Trancadas a sete chaves, por gentes da Corte, especificamente responsáveis pelos valores a eles confiados (manteeiros-mores), eram a demonstração da riqueza e refinamento do seu Senhor ou rei.

 

A civilização ocidental conheceu novos mundos e trouxe de lá desconhecidos produtos e costumes. Empregou condimentos do Oriente, desenvolveu exóticos paladares, deu mais durabilidade aos alimentos. Frutos e tubérculos como a batata, o tomate, o ananás, o milho e aves, como o peru da América, na Europa, ganharam sofisticadas maneiras de confecção e refinamento.  As ervas nas mãos de frades passaram a ter propriedades medicinais, remédios para o corpo e a alma das pessoas.

 

O comer, acto essencial à vida, exercício social onde se aprende a arte de conviver, que dá prazer e até “status”,  devia ser um direito de todos os seres deste nosso planeta.   

 

Maria Eduarda Fagundes

 

Uberaba, 23/08/2014

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D