Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

O “STATUS’’ DA COZINHA À MESA

                                                            

 

                       

 

A alimentação sempre foi para nós, simples mortais, questão de sobrevivência, mas a degustação, avaliação sensorial dos alimentos através do paladar, era a arte dos “connaisseurs”, privilégio de abonados e reis.

 

No passado remoto, o que se comia vinha do meio em que se habitava. Hoje, com as facilidades de transporte e comunicabilidade, pode-se ter produtos de qualquer parte do mundo para o jantar. Os costumes, a cultura, os níveis social e económico, até a religião, regiam e ainda regem os hábitos alimentares. Porém, se ontem só a nobreza e os grandes Senhores se podiam brindar com iguarias feitas pelas mãos dos mestres da arte culinária, na actualidade, quem tem gosto e algum dinheiro para gastar, pode-se dar ao luxo de desfrutar a gastronomia oferecida pelos “chefs” que actuam em restaurantes de alto padrão, onde a cozinha é laboratório de pesquisa de novos e exóticos sabores e a mesa é o palco de apresentação de pratos que agradam a vista e deleitam o paladar.  

 

A gastronomia nos países mais ricos e desenvolvidos voltou a ganhar destaque, não só pela preocupação em se valorizar a saúde, como também na confirmação da sua importância na vida social e política das pessoas.   Desde a antiguidade, a mesa é o local de reunião, de confraternização, de comunhão, de decisões que afectaram famílias e destinos de nações.

 

Em tempos mais evoluídos, à mesa, reis demonstravam o seu poder e refinamento na ostentação das suas ricas baixelas e requinte na apresentação de seus pratos. Ritual alimentar executado pelos nobres da corte, que os assistiam com reverência e guardavam sua cozinha com o rigor de Ministros de Estado. 

 

Diz-me o que comes, e como comes, e eu te direi quem és. É um ditado popular adaptado que muito pode esclarecer sobre quem está à mesa. Come-se à francesa, à inglesa, à americana,..., pratos portugueses, comida brasileira, indiana,... . Comer é um acto social. Conta-se que durante a segunda grande guerra mundial um espião americano infiltrado nas hostes alemãs foi descoberto quando, ao comer, pegou os talheres à moda americana, isto é, faca na mão esquerda e garfo na direita. A mesa é reveladora, é litúrgica, ritual, nos aproxima ou afasta dos deuses.

 

Na idade média, a alta nobreza europeia gastava na cozinha mais da metade do seu orçamento doméstico com alimentos para a família, parentela, sustento e pagamento de empregados e agregados.  As pratarias, vidros, porcelanas, taças, saleiros, talheres, baixelas eram verdadeiras obras de arte. Personalizadas, encomendadas a renomados artífices e ourives, eram extremamente valorizadas. Trancadas a sete chaves, por gentes da Corte, especificamente responsáveis pelos valores a eles confiados (manteeiros-mores), eram a demonstração da riqueza e refinamento do seu Senhor ou rei.

 

A civilização ocidental conheceu novos mundos e trouxe de lá desconhecidos produtos e costumes. Empregou condimentos do Oriente, desenvolveu exóticos paladares, deu mais durabilidade aos alimentos. Frutos e tubérculos como a batata, o tomate, o ananás, o milho e aves, como o peru da América, na Europa, ganharam sofisticadas maneiras de confecção e refinamento.  As ervas nas mãos de frades passaram a ter propriedades medicinais, remédios para o corpo e a alma das pessoas.

 

O comer, acto essencial à vida, exercício social onde se aprende a arte de conviver, que dá prazer e até “status”,  devia ser um direito de todos os seres deste nosso planeta.   

 

Maria Eduarda Fagundes

 

Uberaba, 23/08/2014

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D