Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

O SEU TOM

 Prégar no deserto

 

 

O tom de Vasco Pulido Valente.

 

É historiador, sabe do lamiré que sufraga as suas notas pessimistas, envolvendo-as num diapasão de longo alcance sonoro. Ele é a Europa, ele é a América, ele é Paul Krugman paralisando Obama, ele é Cameron entalado entre o UKIP e a coligação, ele é Hollande desprestigiado, mais os referendos da Escócia e da Catalunha. «O mundo em que vivemos desde 1948 começa a cair aos bocados; e não se vê um remédio razoável no horizonte.»

 

Um mundo exterior a desfazer-se (sem contar com os apoios de envergadura dos desastres aéreos ou terrestres provocados pelos mísseis do terrorismo e das retaliações) e nós, portugueses, acompanhando-o com a artilharia do derrotismo habitual.

 

Terão mesmo razão os historiadores e analistas em serem tão eficientemente destrutivos, que nem sequer param para ouvir as razões dos governantes, após o seu trabalho que impôs sacrifícios, mas que admite resultados positivos que já se estão a sentir, segundo os governantes e os analistas ponderados e dos caminhos do bom senso e da rectidão?

 

Será que Vasco Pulido Valente não mostra o seu lado sectário, instigando o povo à gritaria e ao desrespeito, sabendo bem que se este o faz é porque tem quem o instigue e não porque «o tal “povo que aguenta tudo” não aguentará uma nova dose de “austeridade”.? » Um Governo em bolandas, os governantes desunhando-se para cumprir, pagando, é claro, a dívida da irresponsabilidade e da ganância, mas o negativismo destes que sabem contribuindo para os desprestigiar. É o que este artigo de Vasco Pulido Valente nos diz, com a sua argúcia e o seu desprezo:

 

«No deserto»

 

Parece que Paul Krugman, o economista querido da esquerda, percebeu agora que o seu plano para resolver a crise não era politicamente possível. Entre a direita do Partido Republicano e uma boa parte do seu próprio partido, Obama está paralisado. Em Inglaterra, Cameron, com o UKIP de um lado e a coligação do outro, também não se pode mexer. Em França, Hollande é uma personagem gratuitamente acrescentada à paisagem, a direita democrática dividida e desprestigiada não se consegue recompor e já se começa a falar no regresso fatal ao parlamentarismo da IV República. Há ainda o referendo da Escócia e o referendo da Catalunha, que inevitavelmente vão complicar as coisas na “Europa”. O mundo em que vivemos desde 1948 começa a cair aos bocados; e não se vê um remédio razoável no horizonte.

 

A desculpa tradicional dos portugueses para as suas desgraças costuma ser a de que “também sucede lá fora”. Desta vez, não é mentira. A extrema-esquerda, para efeitos práticos, não existe. O PS, em guerra civil, não inspira confiança a ninguém: Seguro e Costa, com ligeiras variantes de tom, propõem a mesma receita utópica de salvação. O PSD e o CDS falharam e o Tribunal Constitucional não se irá embora amanhã. O Presidente da República, reduzido a pregar o entendimento e o “consenso” a uma multidão política que se odeia, e a um eleitorado na miséria, não serve para nada. Pouco a pouco, o país foi ficando ingovernável, no meio da resignação pública e privada. E não se imagina nenhuma força, ou conjunto de forças, capaz de restabelecer uma ordem e um desígnio.

 

Isto não teria grande importância em tempos normais. Mas sucede que os problemas de Portugal não se resolveram com o programa de “ajustamento”, que se limitou a um exercício contabilístico e recuou perante as verdadeiras reformas. Nem o desgraçado défice se “consolidou” abaixo do que a Europa manda, nem a dívida diminuiu, nem o “crescimento” e o “pleno emprego” saíram miraculosamente da cabeça de Passos Coelho. Voltámos, depois de muita gritaria e autêntica pobreza, à situação de 2010-2011. Com algumas diferenças.

O tal “povo que aguenta tudo” não aguentará uma nova dose de “austeridade”. A direita e o dr. Cavaco, que em 2011 eram de certa maneira um recurso, perderam a confiança e o respeito dos portugueses. No deserto de hoje o mínimo solavanco sério é a porta para um desastre como nunca antes conhecemos.     

 

Público    4/7/2014   

 

Vasco Pulido Valente

 

Mas não posso deixar de referir o texto de Rui Ramos - «A IRRESPONSABILIDADE, DOENÇA INFANTIL DO SOCIALISMO» que põe também os pontos nos ii, segundo argumentos reveladores de uma maior solidez temperamental, e com dados certamente não de mentirinha, mostrando, entre outros, os problemas das dificuldades governativas que exigiram e vão continuar a exigir a austeridade:

 

Mas sábado passado, em Cinfães, o primeiro-ministro revelou que "nós hoje temos um nível de despesa social maior do que aquele que tínhamos quando a crise começou". É isto o neo-liberalismo? No Conselho de Estado de Sexta Feira, Passos Coelho terá explicado que haverá "mutualização" quando os outros governos europeus entenderem, mas que isso significará ainda mais restrições à governação em Portugal.

 

E voltamos à pergunta estranha que fez o detective assassinado, antes de fechar os olhos, no livro de Agatha Christie: “Porque não pediram a Evans?”, pergunta-mistério, que no final decifraram, os jovens que se lançaram sobre o mistério da sua morte. 

 

Tratava-se de uma criada, Evans, que deveria assinar um testamento de falcatrua feito ante um advogado, e não foi chamada a fazê-lo porque reconheceria que não se tratava do advogado que conhecia, mas do assassino da história. Um filme que acabei de ver, que me lembrou os nossos muitos artífices da palavra e do intelecto, que tentam decifrar e compreender, aparentemente um grande mistério a resolver, quando estava debaixo do olho.

 

Evans, a dívida a pagar. Porque torneamos, torneamos, acusando, procurando chafurdar e desviar-nos, e não nos debruçamos sobre essa verdade básica: regressar a Evans, regressar à dívida, pagar a dívida?

 

 Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D