Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

O PEIXE, PRATO DE CIVILIDADE

 

«Na Ilíada não se come peixe», um engraçado artigo de Pedro Bidarra, encimado com o trocadilho “Coisas bidarras”, indicador do espírito que a ele preside, de crítica e de tolerância, na aceitação do espírito ocidental, identificado com o da cidade, de bem-estar epicurista, onde o peixe é prato de requinte, contrastando com o da tenda, no seu significado de primitivismo raivoso, devorador de carne, como aquele a que regressam os islamitas hoje, assaltando a “cidade”, em retaliação extremista pela vida de liberdade prazerosa ocidental, contrária à sua doutrinação de rigor fundamentalista, que pretende impor-se no mundo, não como expressão de qualquer filosofia estóica, mas por mera bestialidade assustadora, que o mundo ocidental vai favorecendo, deixando-se invadir altruisticamente pelas hordas sucessivas, talvez provenientes do terror que se vive nos países de origem, talvez por ambição de mudança para um mundo mais afortunado e livre, mas indiscutivelmente perigosas para a paz, pois que nelas se infiltram esses espécimes aterrorizadores dos fanatismos embrutecedores.

 

O espírito da cidade, contrário ao da tenda, da tenda onde Aquiles amuou durante dez anos, por ultraje recebido do seu chefe Agamémnon que lhe usurpou a escrava Briseida, o das mais tendas estabelecidas em torno de Tróia por esse amuo eterno a que a morte de Pátroclo pôs fim, com o despertar de Aquiles para a vingança sobre o comedido e responsável Heitor, na carnificina que se seguiria, com a destruição da cidade troiana, do bem-estar e da paz.

 

A história repete-se, sempre se repetiu. Sem o espírito épico desses tempos de luta corpo a corpo. Agora a guerra é perfeitamente traiçoeira, de fabrico proveniente do progresso, quer se trate da bomba inesperada, quer dos rostos escondidos bem armados no seu ódio idiota e lorpa, quer o que provém da ambição dominadora já não só lorpa por que bem armadilhada de progresso e indústria.

 

Mas as cidades reconstroem-se, não há dúvida. A história repete-se. Tirando a de Tróia que poderá ficar no indefinido do mito. A natureza é que poderá não estar pelos ajustes, no seu contributo para o arrasamento da cidade e dos cidadãos.

 

Na Ilíada não se come peixe

Bidarra.jpgPedro Bidarra

 

O primeiro livro da nossa literatura é sobre o cerco da cidade. No fim a cidade perde. Tróia acaba queimada e saqueada, as suas mulheres violadas, levadas como escravas, as crianças e os seus pais mortos.

 

Os gregos que cercaram e saquearam Tróia não eram os gregos que aprendemos a admirar – os da filosofia, da democracia, da matemática e da geometria. Esses, os que inventaram o nosso pensamento, só apareceriam passados mais de mil anos. Os gregos que cercaram Tróia eram bandos de guerreiros e facínoras cujos antepassados tinham chegado a cavalo do Norte à procura do seu lugar; era gente que ainda não tinha palácios nem estátuas, só armas e rebanhos.

 

Os gregos clássicos, que consideravam o peixe uma iguaria, não entendiam por que razão os seus antepassados homéricos não o comiam, estando como estavam sempre perto do mar. Na Ilíada (e na Odisseia) ninguém come peixe. Só carne. Hecatombes de bois, como narrava Homero. Hábitos trazidos das estepes, onde a alimentação do brutamontes guerreiro era feita à base de carne vermelha. A sofisticação do peixe não era ainda para aqueles primeiros gregos.

 

Ao ler a Ilíada hoje é difícil não pensar que a história não seja outra coisa que repetição. Por muita fé milenarista que possamos ter, acaba por ser sempre a mesma história. Afinal a nossa biologia é igual à dos gregos saqueadores de cidades, dos troianos mortos e das troianas violadas e feitas escravas. Não mudámos muito.

 

Se estes gangues de terroristas islamitas que assolam a Europa triunfassem, como triunfaram os gangues gregos sobre Tróia, quantos mil anos demoraria a nascer de novo a cidade?

 

Quantos mil anos lhes levaria a entender que o pensamento gera riqueza e bem-estar, que a paz é próspera, que a diferença enriquece, que as estátuas inspiram, que lei é o mais igualitário dos instrumentos e que a mulher é metade do todo.

 

Quantos mil anos demorariam a evoluir como evoluíram os gregos de facínoras a filósofos?

 

Quantos mil anos para tolerarem, como nós toleramos no nosso seio, os que nos querem destruir?

 

Não há acontecimento mais triste nas histórias da História do que o fim da cidade. Todo o tempo e energia investidos por gerações de homens e mulheres na organização da interacção social, na invenção de tecnologias, no aprimorar do comércio, na troca de ideias e na produção de artefactos e de arte desperdiçados num ápice de força bruta e intolerância.

 

Ter as portas abertas é não só um dever da cidade como uma necessidade para a sua sobrevivência. A cidade fechada morre. Não há cidade sem comércio, sem o negócio da surpresa e da diferença. Pelas portas abertas da cidade entra a riqueza que a faz; mas entra também o cavalo. Não estarão estes novos "gregos" montados na tolerância que amamos como aquela gente amava os cavalos? Podemos até compreender e contextualizar os dois lados desta questão, mas esse é um exercício que só está ao alcance de quem está na cidade, sentado nos seus muros, olhando para fora e para dentro. Quem está fora não beneficia desta elevação. O ponto de vista dos gangues que nos acossam é outro. Eles apenas vêem os muros que os excluem, imaginando e invejando as riquezas que eles encerram, ao mesmo tempo que desprezam os modos da cidade: educados, organizados, femininos, tolerantes.

 

Eu sou da cidade. E embora o fascínio por Aquiles, por gangues, por feitos heróicos ou pela beleza guerreira seja apenas um prazer literário, uma sublimação da masculinidade que a cidade tolera pouco, é talvez chegado o tempo de suspender a tolerância. Como os gregos clássicos, também eu gosto muito de peixe. Como gosto de croissants ao pequeno-almoço: Morte aos "gregos".

 

Berta Brás.jpgBerta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D