Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

O NOSSO PÉ FROUXO

 

Hoje o Jorge Coelho não apareceu na Quadratura do Círculo, substituído por José Magalhães, lá terá os seus afazeres, não com certeza como o pobre do Onzeneiro vicentino a quem Saturno deu quebranto na safra do apanhar, pois nestes tempos irrequietos esses papéis de absorção pecuniária vão sendo encaminhados para as Bancas, de colheita desumanizada, embora muitos rostos depois saltem à vista, ainda sem barqueiros a conduzi-los ao porto de abrigo final, lá nos fundos, inferno se chama, em derivação substantiva imprópria, sendo ele o superlativo absoluto sintético do adjectivo “baixo”, juntamente com o seu parceiro “ínfimo”, coisas do arco da velha de somenos importância, é certo, como tudo o resto, de resto. Estava lá José Magalhães, esplêndido de loquacidade brilhante, a fazer pendant com Pacheco Pereira, qual deles o mais sabedor. E indignado, também. Porque, mais cedo do que julgavam, aquela aliança de esquerdas, usurpadora da governação, parece insegura, caso o Orçamento do Estado, que favorece a nossa auto-estima e a nossa sobrevivência, seja mesmo chumbado em Bruxelas, o que para todos os efeitos porá de rastos a muitos de nós, que vivemos do empréstimo e morremos do imposto, como sempre se fez para nos modernizarmos e não só. Que também gostamos de nos divertir, o que é natural, tanto tempo na penúria!

 

Eu repito o que mais ou menos se passou com o governo anterior, que se comprometeu a pagar um empréstimo necessário para a nossa auto-estima e foi assim equilibrando a orçamento, que bem sentimos na pele, mas que nos deu a satisfação do dever cumprido. Lobo Xavier, equilibrado que é, sempre defendeu esse governo da austeridade, mas os outros não, espumando condenações, achando, certamente, que o dinheiro dos outros não precisava de regressar à origem, os verdadeiros princípios democráticos da União Europeia deviam estender-se esmolermente sobre os países em risco, como crianças em risco, e ajudá-los a voar, ou sequer a esvoaçar, usufruindo livremente dos bens materiais, como tantos de nós, afinal, fizemos. Assim o entendeu também a tal esquerda usurpadora da governança da nação, e a Troika voltou a penetrar no nosso espaço rectangular, e Bruxelas a pedir explicações sobre a nossa proposta de Orçamento, parece que pouco explícita e com mazelas.

 

Foi a desordem. Mesas redondas se formaram na TV, o PS indignado, os outros questionando, no fundo todos muito preocupados.

 

E José Magalhães a falar de patriotismo, e Pacheco Pereira a secundá-lo, achando que PSD e CDS se rebolam de gozo, porque previram o desastre e foram troçados, sempre atacados nas medidas de empobrecimento tomadas então, prevendo que esse empobrecimento terá que continuar, mau grado as medidas que o novo governo está a tomar, para comprazimento da aliança, despreocupada em pagar, caras bonitas e donairosas do atrevimento ignaro e iterativo, ou velhas e rancorosas do discurso demagógico obsoleto.

 

Um espectáculo verdadeiramente chocante, dois homens espumando as barbaridades da humilhação, falando das nações que bateram o pé ao FMI (que Lobo Xavier justificou pelo poder económico, contrário à nossa fragilidade) e falseando os seus argumentos, não só condenando o espírito não democrático de Bruxelas, (que Lobo Xavier mostrou cordatamente não se tratar de um problema de usurpação de soberania a imposição do Tratado, mas de “regras desde sempre plasmadas na lei”), mas também em fúria contra a “alegria” dos actuais opositores, pela desgraça que nos vai cair em cima, como o céu sobre Abrabacourcix e a sua aldeia gaulesa. Mas este nunca chegou mesmo a cair.

 

BB-Abraracourcix.png

 

Como se não estivéssemos todos ansiosos por que António Costa consiga realizar o milagre que prometeu de reposição em fartura do que nos foi tirado! É preciso ser-se mauzinho! Ou então sentir-se mesmo humilhado, para assim apedrejar!

 

Mas então não foi Passos Coelho e o seu grupo que viabilizaram o Orçamento de Estado de António Costa?

 

Berta Brás.jpgBerta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D