Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

O NACIONAL-BENFIQUISMO

 

 

De como o benfiquismo se tornou uma religião

 

Quando Artur Semedo faleceu em 2001, o técnico encarnado Toni – desde Salazar que não se chama vermelhos aos lampiões – teve esta frase lapidar: Os benfiquistas e os portugueses perderam um vulto da cultura e um homem que fez do Benfica uma religião.

 

Aqui começa o nacional-benfiquismo: na redução do desporto à bola e na elevação da bola a liturgia. Uma religião do sucesso, antes de mais. Dizem os números que o Benfica ganhou mais campeonatos de futebol que os outros clubes durante o Estado Novo, mas também durante os anos 70 e 80, após o 25 de Abril. Um passado de glória, um futuro de vitória, diz o lema que talvez passe para o Euro 2016.

 

Nacional-Benfiquismo é o Benfica ser o clube europeu com maior percentagem de adeptos no próprio país, segundo a UEFA. Fala-se de 4 a 6 milhões. Para as teorias da conspiração tipo Bolinha, o Benfica é clube do poder desde que Salazar aproveitou a composição multiracial para propaganda e proibiu Eusébio de envergar pelo Milano e pelo Inter. Não adianta mostrar fotos da equipa a fazer a saudação fascista (o Sporting e o Porto também) e dizer que estava ligada ao regime (o Sporting muito mais). Até fazia eleições democráticas portas adentro, na antiga senhora.

 

O que conta é que o futebol em geral, e o Benfica em particular, tomaram conta dos portugueses na sociedade de informação, ainda com mais virulência do que no Estado Novo. Atente-se bem: agora há Champions, TV’s cabo, 11 estrangeiros por equipa, transferências milionárias, dezenas de programas de comentários, apitos dourados, sociedades desportivas, claques, hooligans, a Bola, Record, CM, CMTV e TVI em constantes referências ao glorioso. E só agora os sportinguistas acordaram para o domínio já enfrentado pelos portistas de Pinto da Costa.

 

MCH-benfiquismo.jpg

 

Acresce que o futebol é a única actividade social de massas em que os portugueses estão realmente organizados. Cá dentro do país, com milhares de equipas, dezenas de torneios, e recintos para todos os gostos a começar pela “Catedral” da Luz; há media desportivos que escrutinam tudo, dentro e fora dos estádios. Três jornais diários. Comentadores a dar com um pau. Noticiários a abrir com a bola. Lá fora, os jogadores milionários, os treinadores de escol, os clubes nos rankings na UEFA.

 

Com tudo isto, não estou a partilhar o lamento do intelectual Teixeira de Pascoaes que culpava o tiro aos pombos, o futebol e o ateísmo de serem forças dissolventes da alma portuguesa. Como muitos outros, aprecio o espírito de equipa, a competitividade, o exercício físico, o tirar das misérias os “quaresmas”, as academias de futebol. Muita estética existe no jogo e alguma nos estádios. Sobretudo, o futebol dá alegrias a um país que já não acredita em nada, sobretudo na sua classe política.

 

E, pormenor pessoal, tal como 99% dos portugueses, também eu joguei futebol. Talvez devesse dizer “até eu joguei futebol”. Defesa-esquerdo, caneleiro e fraquinho, numa das equipas do Externato Marista. Vi um só desafio, o Portugal-Rússia, no José Alvalade. Assisti a inúmeros jogos na televisão. Joguei o futebol de praia e de quinta com os meus filhos e familiares. Joguei em professores contra alunos e, na fase da barriga a crescer, até arbitrei entre equipas da universidade.

 

Agora, nacional-benfiquismo é querer curar os males da nação com os bens do Benfica. A promiscuidade entre futebol e política até foi mais forte noutros países e épocas. Mas que uns ocupam-se em enganar e os outros em iludir, servindo-se do país, ai isso ocupam-se! É o pão e circo. Falta o pão? Dêem-lhes circo, como se fez em Bizâncio no ano de 500 d.C, quando as bigas verdes, vermelhas, brancas e azuis disputavam a vitória com o apoio de clientelas. Até revoluções começaram em estádios no tempo do imperador Justiniano (que era dos azuis).

 

O nacional-benfiquismo consiste numa paranóia emocional de grau socialmente aceitável. É comum na prosa lírico-asfáltica da imprensa desportiva. Às vezes, tem recorte literário acima da média. Como escreveu o sr. Joel Neto no romance sobre o futebol: Os Sítios Sem Resposta, 2012: Nenhuma literatura alguma vez fez isto por mim. Nenhuma poesia, nenhuma arte, nenhuma filosofia. Fê-lo o futebol. A boa notícia é que ele conhece literatura, arte e filosofia. A má notícia é que dele se apoderou a religião do futebol de um modo tão avassalador que tudo deita abaixo.

 

Não. O problema não é a política, nem o dinheiro, nem os árbitros, nem a cultura, mesmo que com K, ou soletrada pelo Jorge Jesus. O problema do nacional-benfiquismo é deixar que a indústria do espectáculo da bola – com tudo o que uma indústria tem, desde os estádios aos off-shores – se tenha apoderado do espírito desportivo, do exercício sadio, da competição entre clubes, até ao ponto de monopolizar energias e servir de sentido da vida. Afinal, um reflexo da sociedade neo-liberal. Os jogadores milionários são bons com os pés. Mas tal como se diz ne sutor ultra crepidam poder-se ia afirmar, digo eu, ne lusor ultra caligam. O mercado das transferências é dos mais opacos que nós conhecemos.

 

A indústria do nacional-benfiquismo faz mal ao mundo com a sua paranóia emocional? Eu creio é que faz mal aos adeptos, desmobilizando-os de lutar por outras causas que não sejam a religião da “catedral da luz”. Amanhã há jogo? Vem aí o 35º? Então não há problemas!

 

Dito isto, espero não ser assaltado na rua.

 

Mendo Castro Henriques.jpg

Mendo Castro Henriques

Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Católica Portuguesa

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D