Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

O FUTURO PRÓXIMO DE PORTUGAL – 2

 

Exportações e Importações.jpg

 

Um primeiro passo

 

No primeiro artigo desta série sobre o futuro próximo de Portugal apresentámos uma visão geral da situação e expressámos o voto de que quem vier a partir de agora a ter responsabilidades de decisão, tanto a nível do Estado e portanto dos partidos políticos que estarão no poder como das corporações e das organizações de cidadãos a quem compete defender as respectivas actividades e os seus membros, consiga corrigir os defeitos estruturais quer do ponto de vista organizacional como cultural que nos permita sair desta situação.

Hoje vamos apresentar apenas duas sugestões, porque como dizia Peter Drucker quem está no topo da pirâmide da decisão não deve tomar muitas decisões para ter sucesso mas apenas as poucas mas boas e essenciais, e realizá-las em tempo útil. Que é o que não se tem verificado.

Recordo-me de há já bastantes anos ter afirmado que se Thomas Edison tivesse nascido em Portugal nunca teria fabricado lâmpadas porque tinha que pedir uma autorização ao Governo que naturalmente lha negaria porque nem sabia o que isso era.

Durante estes anos após a intervenção exterior para evitar a bancarrota verificou-se um facto muito positivo em relação ao empresariado privado pois tem dado provas de eficiência tais que mesmo com a fraca actuação dos actores políticos vários indicadores económicos têm subido e assim podemos acalentar a esperança da indispensável retoma.

No entanto não podemos esquecer a existência permanente dum enorme excesso de despesa do Estado que continua a não ser resolvido. E sem isso nunca poderá haver retoma.

Portanto se tivermos alguém no poder que entenda quer esta situação quer a forma de a resolver, aliás com se faz em qualquer empresa nesta situação, o que tem a fazer é ir ao OGE e rubrica a rubrica, começando nos Órgãos de Soberania que são grandes gastadores e a quem compete dar bons exemplos até às Autarquias, analisar a estrutura e o valor dos seus custos e determinar quais as correcções a efectuar nas estruturas e nas práticas que estejam incorrectas e substitui-las por outras correctas. O que se consegue fazer utilizando consultores especializados com provas dadas em trabalhos deste tipo e desta dimensão e tomando as decisões precisas a par e passo.

Isto significa acabar com a tolice dos cortes pois o que tem que haver é reconversões de postos de trabalho improdutivos em produtivos e ao mesmo tempo agilizar a produção para que aqueles que seja preciso movimentar poderem ter oportunidades de desenvolvimento.

Não pode aceitar-se que empreendimentos criadores de muitos, por vezes milhares de postos de trabalho estejam parados em gavetas de Governantes e Autarcas e isso aconteça perante a passividade dos políticos, dos agentes corporativos e da própria comunicação social.

Assim seja com o poder que vai ficar definido nas próximas eleições que diga-se de passagem, conviria muito em nome do progresso do País que fossem realizadas em tempo próprio e não com os prazos disparatadamente longos a reduzir, de forma a termos já nos finais de 2015 corrigido o actual rumo para a próxima bancarrota.

E bastam duas sugestões e vontade.

Lisboa, 12 de Outubro de 2014

 Eng. J.C. Gonçalves Viana

José Carlos Gonçalves Viana

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D