Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

O DUQUE DO TERCEIRO

O plebeu era veterinário mas só exercia em causa própria, herdado rico, solteiro e com alguns que se diziam filhos na mira das patacas. Mas não entra nesta história a não ser como amigo dos outros, o Duque e o Marquês.

O Duque, casado e medianamente remediado, vivia no terceiro andar de um prédio que herdara na praça com o nome de um seu famoso avoengo, também ele Duque. Só que o Duque do terceiro achava que um Duque se pode perfeitamente «et à laise» empoleirar numa peanha mas nunca viver num terceiro andar. Já lhe bastava a concorrência do da Terceira. Por isso se intitulava Marquês – que também o era – do mesmo patrónimo. Do fausto antigo, guardava o título, algum património que preservava quase religiosamente e um empregado doméstico que também herdara que conduzia a Duquesa nas suas digressões por aqui e por ali, servia à mesa e engraxava os sapatos de suas Excelências. A «esposa» era a porteira do prédio e viviam na cave com quintal nas traseiras. Tinham um filho que já era engenheiro e constava que republicano.

O outro nobre desta história tinha sido filho e irmão de Duques e agora era tio de Duque. Jurista, dizia a todo o som que nunca exercera e que, quando tinha sido estagiário no escritório de um Advogado ali à Boa Hora, fugia do escritório mal o patrono se ausentava com medo de que aparecesse algum cliente. Admitido à Ordem (ainda não havia nada destes exames de admissão que há hoje), dizia que tinha pago um ano de quotas e que mandara tudo às urtigas. Mas era o Senhor Dom… (nome a calar), dedicava-se a viver dos rendimentos e a praticar a arte campera da sua paixão. Culto e poliglota, enchia qualquer salão desta cidade capital ou de qualquer outra. Ria-se discretamente quando o «mordomo» do Duque do terceiro o anunciava pomposamente como «o Senhor Dom Doutor…» e não como manda a semântica «o Senhor Doutor Dom…».

Certa vez, o sobrinho Duque fez-se convidado para almoçar com o tio no restaurante que este habitualmente frequentava ali à Calçada do Marquês de Abrantes e pediu-lhe que aceitasse passar a usar o título de Marquês de (…) que também pertencia à Casa Ducal. Por sua morte, o título regressaria à origem até porque do tio nada constava quanto a descendência biológica quer legal quer legalizada. Nada como com o amigo veterinário a quem «saltam» filhos a cada esquina.

E se, até ali, o «Dom Doutor» e o Duque do terceiro se tratavam por «Parentes», a partir dali, ambos Marqueses, ironizavam tratando-se por «Colegas».

Chegada a entrega do Império à União Soviética, o Marquês Dom Doutor levou um grande chimbalau com as ocupações da Reforma Agrária e o Duque do terceiro perguntou-lhe como é que ele, entretanto, se governava. – Tudo bem, Colega, Nós, afinal, eramos muito mais ricos do que nos lembrávamos. E o Duque do terceiro soltou uma gargalhada de alegria expontânea como há muito o protocolo não ouvia.

– Oh Colega! E o nosso amigo veterinário?, pergunta o Duque do terceiro.

- Oh Colega! Esse é muito mais rico do que nós somados e é isso que dana os vinticinquistas.

E, já que neste dia assim «a modos que» tão especial, estamos numa de heráldica, como dizia D. João II, «Honny soit qui mal y pense» que o sapateiro remendão do meu avô traduzia por «Quem é que Vomecê julga que eu sou?», ou seja, qualquer coincidência é pura semelhança.

- Não, disse o Duque do terceiro, qualquer semelhança é pura coincidência.

- Oh Colega! Já estou confuso, disse o Marquês, deve ser deste seu “Cote du Rohne” travestido de “Costa do Castelo”. Como diz o meu maioral das vacas, «desculpem  qualquer coisinha».

- Pois eu acho que de   nada temos que pedir desculpa e até um dia destes vamos começar a discutir as «reaganomicas» à europeia que é como quem diz a moralidade e a racionalidade dos impostos directos. E então, sim, vamos ver os vinticinquistas a esmorecer a canção que já não fará qualquer sentido.

- AHAH!, riu o Marquês.

CAI O PANO DE CENA

Lisboa, 25 de Abril de 2021

Henrique Salles da Fonseca

8 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2004
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D