Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

O CORAÇÃO DA DEMOCRACIA

 

 

A democracia é frágil. A razão é ela ter no coração algo muito diáfano e delicado, o respeito. Poucas coisas são mais ténues e preciosas do que o respeito. Por isso a democracia é tão frágil.

 

A evolução da cultura reforça o respeito em certos aspectos, mas enfraquece-o noutros. Há cem anos o desprezo pela democracia era aberto, acusando-a de decadente e propondo alternativas autocráticas como jovens e dinâmicas. O falhanço foi tal que hoje essa estratégia descarada é rara. Mas surgem agressões ocultas e enganadoras. Os maiores inimigos actuais da democracia dizem sempre apoiá-la. Três casos recentes mostram-no bem.

 

Nas últimas eleições europeias muita retórica, preocupada com o futuro da democracia comunitária, foi em si mesma antidemocrática. É muito mau que tantos se tenham alheado do voto, gerando abstenções recordes, e que muitos dos eleitos tenham opiniões altamente censuráveis. Mas democracia é aprender a respeitar a preferência do povo como ela é. Faz parte das regras básicas do regime que cada um é livre de se abster ou apoiar partidos radicais. Não é admissível eleger forças antidemocráticas, que negariam o sistema. Só que, por muito que nos incomode, estes novos eleitos são nacionalistas, extremistas de direita ou esquerda, mas não se opõem às regras do jogo. Devemos respeitá-los e lutar lealmente para que a sua vitória não se repita.

 

A principal ameaça contra o coração da democracia vem, hoje como sempre, das ideologias totalitárias. Essas aparecem nos casos mais inesperados. Os seus defensores raramente são doidos ou malvados, mas pessoas convencidas da sua razão e incapazes de aceitar alternativas. É sempre em nome do bem que se implanta um despotismo. Outro caso mostra a facilidade da queda na tentação totalitária em nome do respeito.

 

Hoje a questão dos direitos dos homossexuais é formulada numa tese que se pretende única, absoluta e indiscutível, agredindo-se violentamente quem se atreva a não a aplaudir. O caso é curioso por constituir evidente negação dos valores essenciais da democracia e respeito em nome da democracia e respeito. Com o elemento cómico de constituir a tese oposta à que a mesma democracia defendia há pouco tempo.

 

 

A violência é patente, como no recente caso de Brendan Eich, um dos maiores génios informáticos da actualidade. O criador da linguagem JavaScript e co-fundador em 1998 do projecto Mozilla, assumiu em 24 de Março o lugar de administrador da Mozilla Corporation. Foi então alvo de um gigantesco ataque que o forçou à demissão a 3 de Abril. Qual o seu crime nefando? Ter em 2008 contribuído com mil dólares para a campanha da California Proposition 8, iniciativa a favor da excelência do casamento heterossexual. Não foi na Coreia do Norte ou Zimbabwe, mas nos EUA. A fúria advém do repúdio pela alegada falta de respeito, considerando violação dos direitos humanos a recusa da igualdade no casamento.

Mas tal inclui uma óbvia confusão lógica.

 

Discriminação é de gente, não de acções. Uma lei racista é infame porque rejeita pessoas pelo que são, não pelo que fazem. Nazis e apartheid oprimiam judeus e negros na sua identidade. Também a homofobia, grave crime de discriminação, deve ser condenada e combatida.

 

Mas criticar práticas não é discriminação. Ninguém é preso por ser ladrão mas por ser apanhado a roubar. A lei não condena inclinações, mas práticas pedófilas. Debates à volta da atribuição da nacionalidade portuguesa a imigrantes ou do título de engenheiro a agentes técnicos não implicam marginalização. A sociedade considerava criminosos actos homossexuais e pedófilos; hoje acha uns bons e outros maus. Em causa estão actos, não pessoas. A recusa do casamento de pessoas do mesmo sexo não implica desrespeito por ninguém, como não é discriminatório rejeitar incesto ou poligamia. Discussões sobre a definição do casamento devem ser livres numa democracia e nada têm que ver com direitos.

 

O terceiro caso é mais próximo. Escrever este texto hoje implica um risco evidente.

 

O que mostra como a democracia é frágil.

 

9 de Junho de 2014

 

 JOÃO CÉSAR DAS NEVES

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D