Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

O BRASIL E SUA RAÍZES LUSÍADAS

 

comunidade luso-brasileira.png

 

Frequentemente somos surpreendidos, através dos mais diversos órgãos da comunicação social brasileira com manifestações que criticam de forma agressiva a formação cultural do Brasil em razão de sua ascendência lusitana, querendo desmerecer tudo o que foi alcançado na construção desta grande nação e que tem sido razão dos mais rasgados elogios em todo o mundo, pela sua capacidade de integração, convivência social, uniformidade linguística e a manutenção deste imenso território com características continentais.

 

O Brasil que é a maior nação da língua portuguesa, constitui o maior e o melhor exemplo de democracia pluri-racial de que temos notícia. Essa condição somente pôde ser alcançada pelas suas raízes histórico-culturais que a definiram e a moldaram a partir da chegada da esquadra de Cabral a estas terras.

 

Nessa época, o Brasil não existia como nação pela simples razão de que a esquadra capitaneada por Pedro Álvares Cabral, em nome da Coroa, apenas tomou posse de terras que já sabiam existir, mas que, para eles, era totalmente desconhecida a sua dimensão territorial. Verdade, faltava-lhes o conhecimento de sua extensão e a sua importância, pelo que, inicialmente, a chamaram simplesmente de Ilha de Vera Cruz. A partir de então, o Brasil passou a ser forjado e ampliado graças ao empenho, determinação e religiosidade dos portugueses, que passaram da conquista à demarcação das terras encontradas.

 

Só muito tempo depois é que o Brasil passou a existir da forma que nós o conhecemos, ou seja, depois da perda de muitas vidas e dispêndio de muitos sacrifícios. Convém não esquecer que o Brasil é fruto da tenacidade, da determinação e da coragem dos portugueses, que o definiram e moldaram geograficamente, dando-lhe ao mesmo tempo uma língua, uma cultura e uma religião.

 

Hoje, o Brasil é o principal responsável pela importância da língua portuguesa no mundo: são 190 milhões de pessoas a comunicarem na língua de Camões. Nos dias actuais, não se concebe que o tema “língua portuguesa” seja abordado sem que se mencione os falantes do Brasil, traduzido nos seus intelectuais, escritores, a música e a cultura geral do seu Povo.

 

Constituímos uma sociedade que promoveu, de forma admirável, a integração das três raças que, inicialmente, formaram o Brasil: o índio, o branco e o negro, moldando uma sociedade multifacetada, traduzida num povo admirado e estimado em todo o mundo.

 

Mas também nos defrontamos com opiniões contrárias, umas com fundamentação político-partidária, outras fruto da ignorância e da desinformação e ainda mal intencionadas por parte de terceiros, os quais, ao tentarem atingir as autoridades governamentais com quem se confrontam, acabam por prejudicar a imagem da presença portuguesa no Brasil causando um mal-estar a todos os que labutam quotidianamente por uma maior aproximação luso-brasileira.

 

Certas figuras chegam a afirmar “fomos invadidos!”. Mas que invasão? Como sabemos, na época da chegada da esquadra de Cabral não existia qualquer civilização evoluída ou Estado soberano que estivesse sendo ocupado. Existiam, sim, centenas de tribos indígenas, a maioria desconhecendo a existência das outras, falando línguas diferentes, muitas digladiando-se entre si e vivendo em estado neolítico, sem a noção da grandiosidade do território que habitavam.

 

Os portugueses chegaram pacificamente e levaram a esses povos a sua cultura, a sua religiosidade e o seu desenvolvimento. Os índios não foram dizimados, como alguns afirmam de forma maléfica. Alguns permanecem na sua condição tribal até os dias de hoje, face ao distanciamento com a civilização e, mais recentemente, graças a projectos de preservação das suas línguas e de seus costumes. Esses detractores citam o trabalho escravo do negro e do índio no desenvolvimento do Brasil. Sem dúvida que tal contribuição foi de grande importância naquela época, mas esquecem-se de mencionar os milhões de portugueses que para ali foram de forma espontânea e que deram o seu suor e morreram a trabalhar na construção desta grande nação. Porque, ao citarem os portugueses, se lembram apenas dos dirigentes, os comandantes militares e os donatários, deixando de reconhecer o esforço dos trabalhadores, dos operários, dos artesãos, dos soldados e dos missionários que deram o seu contributo e o seu sangue para que o Brasil alcançasse o gigantismo de hoje. Orgulhemo-nos de nossas origens, pois só temos razões de o fazer.

 

Eduardo Neves Moreira.jpg

Eduardo Neves Moreira

Ex-Presidente do Conselho Mundial das Comunidades Portuguesas

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D