Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

NÓS, OS FILHOS DOS VENTOS CÁLIDOS – 3

Assim como, no naufrágio, Camões asiu o manuscrito d’ Os Lusíadas”, também nós segurámos o conceito do Bem.

Nem tudo se perdeu na frustração do sonho dos nossos pais. Assim foi que redigimos a “Declaração Universal dos Direitos Humanos” e a dignidade regressou como valor fundamental da Humanidade.

De toda a Humanidade? Claramente, não!

Apenas no primeiro mundo, o do Ocidente (o da OCDE), porque no leste europeu (o 2º mundo) da esfera soviética (o do Pacto de Varsóvia) e na maior parte do resto do planeta (o 3º mundo), os direitos humanos continuaram a ser espezinhados. Mas nós, os ocidentais, “salvámos a honra do convento”. E alcandorámos o bem-comum à categoria de tema fundamental na discussão política no âmbito de um processo a que nos habituámos a chamar Democracia.

Nem tudo se perdeu, muito se ganhou. Um terço do mundo cumpriu o sonho; dois terços perderam-se nas vilanias.

E nós, por cá, em Ofiuza?

Cá, pela “terra da serpente”, tudo calmo, “quentinho”, em “banho maria”, de cueiros, em redoma de vidro, incubadora de Caminha a Timor…

Herdeiros de subdesenvolvimento crónico, tinham os nossos avós passado da Monarquia à República com inconcebíveis 90% de analfabetos adultos, passado pelo vexame da Grande Guerra em África e de carne para canhão inglês na Flandres; os nossos pais a serem protegidos dos flagelos directos da II Guerra Mundial mas a terem que se confinar a um modelo político monolítico que muito provavelmente não escolheriam. E por isso mesmo, podendo, nos puseram no ensino estrangeiro, esse que tinham por mais arejado.

A mim, coube-me o Liceu Francês em Lisboa.

Já conto…

(continua)

 

Maio de 2019

                         Henrique Salles da Fonseca

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D