Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

NÓS, OS FILHOS DOS VENTOS CÁLIDOS - 1

 

Se Graham Greene intitulou de «O Poder e a Glória» a sua história de um Padre em fuga pelas serras mexicanas até ao martírio às mãos dos jacobinos, como haveremos nós, os filhos dos ventos cálidos, de ser chamados se nascemos na paz e fomos criados no sonho?

Nós, quem? A geração de 1945 e suas redondezas. Onde? Um pouco por toda a parte, tanto em cenários poupados como nos martirizados até então. Porque mesmo nos poupados, as sequelas se fizeram sentir, os nossos pais também sentiram incómodos. E quando estes deram sinais de acalmia, puderam respirar de alívio e nós nascemos. Sim, nós nascemos porque eles acharam que o mundo ia passar a ser um local aprazível em que o sonho voltaria a ser possível. Foi nessa certeza de um mundo benigno que fomos educados. Ou enganados? Ruiu o sonho ou foi este que assumiu outros figurinos?

Os nossos pais tinham assistido ao conflito duma “raça superior” contra os “energúmenos” numa luta “de cima para baixo” que não hesitou em esmagar, sufocar e cremar os outros em defesa da “pureza” da sua própria identidade – política hedionda que teve o apropriado castigo militar. Castigo este que em Nuremberg abriu as portas à esperança.

Mas… (e lá vem o tal «mas» que nunca se fica a rir sozinho)… mas logo foi substituída por outra mentira tão hedionda quanto a anterior, a luta “de baixo para cima” em nome dos mais fracos mas que rapidamente se perdeu em chacinas por esses goulags Sibérias além… foi em seu nome que o Inferno regressou mascarado da propagada necessária à mistificação das maiores falsidades e vilanias.

E assim foi que em nome do “quero tudo e já” que todos foram imediatamente esbulhados de tudo e passaram a um regime de trabalho forçado, frustrante e tantas vezes inútil se não mesmo perverso que só se poderia equiparar a escravatura. E foi quase metade da Humanidade a ficar-lhe sujeita.

O problema da minha geração foi ode ter sido parcialmente vítima dessa vilania.

(continua)

Maio de 2019

Henrique Salles da Fonseca

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D