Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

NOS MEUS 70 ANOS

 

 

Sempre gostei de fazer anos e para dizer a pura verdade, sinto sempre um certo frisson, qualquer coisa que não sei nem quero explicar; e não quero porque se descobrisse do que se trata, arriscava-me a perder a magia que desde sempre sinto no meu dia de anos.

 

E digo «dia de anos» porque não gosto da palavra «aniversário». Faz-me lembrar outras palavras de que também não gosto como «sanita», «psiché» ou «bafordo». Sim, prefiro-lhes os sinónimos. Mas, em compensação, gosto imenso de «alguidar» e de «manteiga» (só que desta gosto sobretudo no Verão porque fica com uma consistência mais condizente com a «canícula» que, parecendo uma pequena cadela, nada tem a ver com a «melhor amiga do homem»).

 

Mas os 70 anos têm uma magia especial. Já repararam? Correspondem exactamente a 3,3333(3) vezes os 21 anos da antiga maioridade e a 3,8888(8) vezes os 18 anos da actual maioridade. Em ambos os casos de acumulação de sabedoria, a parcela nos encaminha para o infinito, para um número que nunca alcança a exactidão, a sugerir que começamos a idade em que muito provavelmente ficamos inexactos; em português mais corriqueiro, a idade em que ficaremos chonés. Já pensaram no respeitinho devido a um septuagenário? Imaginem as parangonas nos jornais sobre o velhinho septuagenário atropelado por um autocarro numa passagem de peões... Pois é! A partir de agora só me safo dessa se não atravessar nas passagens de peões. Mas também é esta a idade em que confirmamos que mais vale ser do que ter.

 

E perguntam-me ao que me vou dedicar de agora em diante até que a memória se desvaneça, para além de não atravessar nas passagens de peões. Bem, tentarei continuar a montar a cavalo diariamente, de preferência de manhã; a estudar e a escrevinhar umas «coisas» e a defender as causas em que acredito. Ou seja, um divertido de manhã e um chato à tarde.

 

E como o tal infinito para que os submúltiplos de 70 nos mandam, também penso que infinita é a ignorância em que me sinto mergulhado. E tentarei continuar a combatê-la. A ver se consigo.

 

Eis por que há alguns anos decidi atacar a vastidão da ignorância e passei a dedicar-me à Filosofia. Sim, desenhei eu próprio o curso que fiz, escolhi os professores, passei em todos os exames que não se realizaram, esclareci dúvidas com ninguém e fui aprovado sem qualquer favor mas também sem a mínima distinção. Então, cumprido esse curso, concluo que a vasta ignorância de que antigamente desconfiava mas era indefinida, agora é consciente e bem concreta. Mas ignorância na mesma. E vasta!

 

Essa nova consciência levou-me a desenhar novo curso, a escolher os professores e... ainda estou no início e os exames longe. Sim, estou agora a fazer o meu próprio curso de Teologia. Já fiz as cadeiras do Animismo, do Chamanismo, do Induismo e do Budismo. Mas quando estava no Judaísmo estalou a bronca do «Charlie» e interrompi para acorrer às aulas do Islamismo. Tive um professor fantástico que morreu em Novembro passado e ensinava na Sorbonne. Chamava-se Abdelwahab Meddeb, era tunisino e diz dos integristas o que o Profeta não diria dos suínos. Decididamente, deixou-me muito interessado em Averróis. A ver se o leio lá mais para a frente... Como os gulosos, guardo para o final do curso a parte mais saborosa, o Cristianismo. Mas não posso deixar de contar agora uma pequena história que me foi contada por um monge seguidor do Dalai Lama.

 

Perguntado sobre o que é a compaixão budista, o monge pediu a quem o escutava que imaginasse entrar numa sala e ver uma flor num vaso. Todos pensaremos em primeiro lugar se gostamos ou não daquela flor, se ela é bonita, enfim, se de algum modo nos satisfaz. Ou seja, todos teremos raciocínios ego centristas, egoístas, no limite: todo o raciocínio se desenvolve em torno de nós próprios, dos nossos parâmetros e interesses. Mas se ao vermos a flor naquele vaso pensarmos que ela estaria muito melhor se pudesse apanhar directamente a luz do Sol e o ar fresco, se pudesse estar entre as outras da sua espécie... Então nós abdicávamos do nosso egoísmo, do egocentrismo e focávamos o nosso raciocínio no interesse da flor. Ou seja, interessávamo-nos pelo outro e não mais apenas por nós. Esse cuidado com o próximo é a compaixão budista. Os cristãos chamam-lhe amor.

 

Mas com o tempo todo do mundo à minha disposição, tenciono também continuar a deambular por aí seguindo a sugestão de James Joyce em busca da epifania das coisas, dos locais, dos animais e das pessoas por que passarei procurando o que têm de invisível mas lhes define a essência. E como eu quero que essa essência seja boa, dou por mim a procurar o bem e a esquecer (perdoar) os defeitos. Garanto-vos que é giro viver assim.

 

E pronto, eis ao que tenciono agora dedicar-me até que a memória se desvaneça: à compaixão (no sentido budista) e à epifania joyciana.

 

Chegado à definição do futuro, resta-me gozar o presente que se fará numa sucessão sucessiva de momentos que a todo o instante passarão a ser passado, esse de que guardamos as memórias que nos definem neste mundo, agora e para sempre...

 

E assim, acabo a brindar ao futuro dos presentes, daqueles que vemos e dos outros!!!

 

Tchim, tchim!!!

 

27 de Junho de 2015

 

HSF-70 ANOS-2.jpg

Henrique Salles da Fonseca

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D