Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

NIVELEIDA MUNDIAL

 


De Maria Eduarda Fagundes, médica ginecologista em Minas Gerais, naturalizada brasileira mas portuguesa nascida no Faial, publica várias vezes o Dr. Salles, no seu blog “A Bem da Nação”, pequenos textos caracterizados por fluência e elegância de escrita, sentido de humor, sentido crítico, na suavidade de um discurso ora de evocação da sua terra, ora dos costumes brasileiros, ora de crítica serena aos condicionalismos da política brasileira, como o deste texto – «EDUCAÇÃO EM BAIXA» – que transcrevo, pela pertinência de uma argumentação aplicável ao caso brasileiro mas não exclusiva dele. Com efeito, a lógica dos seus dizeres está de tal forma implícita numa norma de sensatez conceptual, que parece que não há outra via de encarar a questão do ensino senão a que implica esforço e prática e que inclui a consulta do dicionário. E isso faz-se, os manuais escolares impõem um trabalho orientado, com questionários acompanhantes das matérias que vão transmitindo, que, a serem criteriosamente seguidos, deveriam obter melhores resultados no ensino. Creio que depende em grande parte das famílias, que deverão acompanhar os filhos, nos primeiros anos da sua formação, até estes criarem a sua própria autonomia.


Mas julgo que o que habitualmente se aponta sobre a ignorância juvenil, resulta do excesso de matérias que cada disciplina impõe e que não permite a memorização que outrora se fazia, em sabatinas para fixação, quer de tabuadas quer de verbos ou de advérbios, ou de dados históricos, como ponto de partida para o desenvolvimento da percepção. Desde que a memorização foi condenada pelas pedagogias com altivo desprezo, e o ensino se encaminhou por inteligentes charadas de cruzinhas em exercícios de resposta múltipla, o aluno não precisou mais de escrever, chegando aos anos finais mal sabendo ler e escrever, como provam os falhanços nos exames e os erros na vida pública.


Desviei-me da questão que é focada no artigo de Maria Eduarda Fagundes, sobre o projecto brasileiro de expansão livresca pela recriação dos textos de autores consagrados através da adulteração dos mesmos, no facilitismo da sua compreensão. É justo o apelo da escritora, justos os dizeres da sua condenação. Numa sociedade a crescer desenfreadamente, ao pretender nivelar-se todos pelo mesmo ensino, a massificação não permite que seja o mais elevado a impor o estatuto. Daí que a tendência seja para o nivelamento por baixo…


O texto de Marias Eduarda Fagundes que aqui não se repete.


 Berta Brás


In “Por a mais B”  http://poramaisb.blogspot.pt/

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D