Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

NEPAL E O MEDITERRÂNEO

 

Katmandu destruida.jpg

 

1.- Nepal e o Boxe

 

Um horror este terramoto no Nepal. Milhares de mortos, muito mais milhares de feridos, milhares de casas e monumentos destruídos, a população com dificuldades incríveis para ser socorrida, uma catástrofe imensa.

 

Famílias que perderam tudo, casa, recheio, roupas, etc., e nada têm para comer!

 

Muitos países correm para lá com equipas de socorro, alimentos, hospitais de campanha. Pelas contas da UNESCO são necessários uns US$ 500 milhões para socorrer e dar de comer àquela população e reorganizar um pouco a vida.

 

Para mim essa verba é quase inimaginável, mas quando sabemos que o número de bilionários, pelo mundo, dobrou em cinco anos, e bilionários contam os seus dinheiros aos biliões, parecia fácil com um ou dois cheques desses açambarcadores resolver-se o problema. Mas é o povo que contribui, um pouco de cada um, que por vezes esse pouco de “um” pode até ser muito.

 

Paralelamente vimos uma desmesurada propaganda na TV sobre o combate de boxe do século! Em Las Vegas, é claro.

 

Só para entrar no ringue um dos contendores recebeu 180 milhões de dólares e o outro 120 milhões! E a organização gaba-se de que com a venda de ingressos (entre 1,5 e 7,5 milhares de dólares cada) e mais a venda de imagem para as TVs de todo o mundo e a publicidade, devem fazer mais 500 milhões. Um grande, enorme, negócio para que se vejam homens à porrada!

 

Escândalo! Vergonha! Podiam ir para a Síria ou Líbia. Bestialidade é a mesma!

 

Só para que dois brutos se esmurrem e um monte de carniceiros pague para ver a bestialidade humana no seu melhor, gasta-se o dobro do que seria necessário para resolver o problema da alimentação dos flagelados e reconstrução do Nepal.

 

É nestas alturas que eu tenho vergonha de ter aparecido na Terra como humano. Preferia ter reencarnado como barata, rato, qualquer coisa que não me envergonhasse.

 

O contraste é tão grande, violento, que mostra bem como os homens perdem o senso da ética e que a palavra humanidade não tem qualquer valor nem significado.

 

 

refugiados1.jpg

 

2.- O Mediterrâneo e o Negócio dos Refugiados

 

Todos os dias milhares de… ia a dizer de fugitivos da fome e da guerra, morrem estúpida e covardemente na tentativa de chegarem à Europa, o sonhado, e falso, Eldorado.

 

Mas... serão todos, mesmo todos, desgraçados?

 

Não dá para acreditar.

 

A partir da Líbia, o embarque é feito sob o controle dos jihadistas, e só embarca quem lhes tiver pago alguns milhares de Euros, ou para eles tenha trabalhado, como escravo, até 4 e 5 anos como alguns já o afirmaram.

 

Uma boa parte deles são mesmo os tais desgraçados que fogem à fome e guerra, mas outra boa percentagem será de terroristas que se estão a infiltrar na Europa para depois espalharem ainda mais o terror e a guerrilha, porque o EI não desiste, e sabe muito bem como alcançar o que se propõe.

 

É evidente que à chegada, sobretudo na Itália, é extremamente difícil fazer a triagem do quem é quem. Pior ainda àqueles que chegam à Grécia atravessando a fronteira a pé.

 

O que se pode ter a certeza é de várias coisas:

- Os jihadistas estão a receber diariamente milhões de dólares dos que procuram alcançar a Europa;

- No meio desses, uma percentagem, desconhecida, será de guerrilheiros treinados;

- A Europa não tem meios de albergar toda a gente que chega;

- Pior ainda, não tem capacidade nem meios para distinguir os que procuram paz, comida e trabalho, dos que vão para aguardar ordens para o terror;

- A Europa não é responsável pela loucura do avanço da jihad, nem das guerras no Sudão, etc. (Falaremos disto noutra ocasião!);

- Alguém, além dos jihadistas está a lucrar muito com este monstruoso crime, vendendo barcos insufláveis, motores outboard, e armas, muitas armas, aos selvagens fundamentalistas, quer seja no Iraque, Líbia, Nigéria, etc.

 

Vêem-se artigos nos jornais “perguntando” porque não se vão refugiar em países muçulmanos e ricos como os árabes! É piada de jornalista. Nos árabes não entram de jeito maneira.

 

Ainda há dias, cinco contrabandistas foram degolados na Arábia Saudita, e o mundo... calou. Só fala nos condenados ao fuzilamento na Indonésia!

 

Fogem desgraçados da Nigéria, o maior produtor de petróleo de toda a África... e também estão a sair do Brasil o país do eldorado do ex-famoso pré-sal!

 

Onde estão os refugiados da Síria e do Iraque? A maioria, e há muitos anos, no Líbano. Por excepção muitos também na Jordânia.

 

Quem cuida dessa gente? O Crescente Vermelho ou a Cruz Vermelha?

 

Onde estão as fontes do dinheiro barato, pelo menos até agora? Nos trabalhadores da Europa ou nos poços de petróleo dos sultões, emires, e outros podres de grana?

 

De tudo isto algumas conclusões:

- A cristandade, espalhada pelo mundo, o que tem feito para ajudar os perseguidos e em vias de extinção cristãos siríacos, católicos, coptas, etc. na Síria, Iraque e outros países? Nada ou quase nada.

- Os países árabes, das riquezas inesgotáveis e dos príncipes muçulmanos que gastam, em seus países, fortunas em noitadas de orgias, prostitutas e álcool, porque não acolhem os seus correligionários de religião?

- O que pode fazer a Europa para interromper este fluxo assassino que sai, sobretudo da Líbia? Bloquear os mares da Líbia, como fizeram os ingleses a Lisboa no século XVIII? Difícil, dizem os “politicamente correctos”, porque iriam entrar em águas territoriais de outro país sem que este o tenha solicitado! Que piada besta!

 

Alguma vez se pede licença para começar uma guerra ou para tentar acabar como uma carnificina?

 

Repetindo o que acima já disse: porque eu não nasci minhoca, cágado ou urubu?

 

02/05/2015

 

Francisco Gomes de Amorim

Francisco Gomes de Amorim

8 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D