Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

NA PRAIA DOS CÃES - 6

 

NA PRAIA DOS CÃES – 6

Aqui, na aldeia desta praia, tudo começou nas primeiras décadas do séc. XX com a construção dumas cabanas de caniço e telhados feitos com ervas das dunas entrelaçadas com mais canas. Os homens andavam ao mar que aqui é benigno e as mulheres iam a pé pelos 14 quilómetros da praia vender o peixe na Costa de Caparica. Na volta, traziam o que por aqui faltava. Houve quem nascesse algures no caminho  mas todas faziam por dar à luz na Costa onde sempre havia algum apoio familiar. Hospital? Faltaria quase um século para que aparecesse o primeiro na região. Escola? Faltaria uma geração para que a aldeia visse uma professora.

Analfabetismo absoluto nesse grupo de fundadores. A primeira grande melhoria nas condições de vida foi a substituição do caniço nas cabanas pelo pau a pique com a madeira que «sobrava» da “Mata dos Medos”, lá por cima da arriba, a fóssil. E foi nesta escarpa que mãos e pés de gentes e mulas talharam a rampa que hoje está um primor de asfalto. E as mulheres deixaram de ir a voltar a pé à Costa porque passaram a usar carroças. E lá iam fazendo o seu comércio pela Charneca, pelos Capuchos e outros lugares que hoje parecem cidades…

Esses pioneiros «consumiram» duas  gerações mas a dos que nasceram das mulheres que corriam pela praia já deixaram os filhos «ir à escola» da professora que alguém para cá mandou. Quem? Hoje já ninguém sabe mas eu adivinho que deve ter sido o Almirante Tenreiro que era quem mandava nas pescas e suas gentes. A escola era uma cabana de pau a pique e a professora tinha como missão principal ensinar a ler, a escrever e a contar todos aqueles que quisessem aprender, crianças ou adultos. Só se apresentaram crianças pelo que ainda foi possível ensinar a tabuada e a fazer algumas contas – as de dividir… não mereceram a simpatia generalizada.  A conjugação dos verbos também não foi possível ensinar.   Mas, convenhamos, a escola foi um grande progresso e a nova geração ficou alfabetizada. Já não há memória de quando a professora deixou de aparecer e a escola acabou na aldeia.

Já os cravos da revolução tinham murchado quando a aldeia viu a luz eléctrica da rede geral e então, sim, iluminaram-se os espíritos com acesso regular à rádio, à televisão e, enfim, ao mundo. Desta geração iluminada, a maioria frequentou o ensino secundário com mais ou menos sucesso e há dois ou três casos de licenciaturas universitárias.

Mas, de um modo geral, o vocabulário é limitado, os verbos pouco mais têm do que o Presente do Indicativo, os centros de interesse são, de um modo geral, a pesca, o futebol e a vida local. Sintaxe? Sim, a de ouvido. Linguagem simples, rarefação de raciocínios especulativo-conclusivos.

E a pergunta é: - Sobreviverá a aldeia se a sua população se promover cultural e profissionalmente?

A minha resposta é: - A aldeia sobreviverá, certamente, mas com um modelo económico e social completamente diferente do actual: a pesca passará a ser folclore para entreter turistas à semelhança do que, tendencialmente, acontecerá em todo o litoral português. O peixe virá das aquaculturas instaladas pelas grandes redes comerciais. Tudo, porque o método de formação dos preços na primeira venda é um primor de absurdo com o risco todo concentrado na oferta e o lucro todo do lado da procura. RIP pescas portuguesas.

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2006
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 2005
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D
  261. 2004
  262. J
  263. F
  264. M
  265. A
  266. M
  267. J
  268. J
  269. A
  270. S
  271. O
  272. N
  273. D