Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

MUITAS E DESVAIRADAS GENTES – 9

 

No princípio era o Verbo...

 

Sim, tudo começou por não existir e assim foi que também o Budismo começou por ser apenas uma filosofia e hoje é uma das mais importantes religiões neste mundo dos homens.

 

O Senhor Buda sempre afirmou ser um homem totalmente terreno, não divino. Como Cristo, nada escreveu: pensou por si próprio e ensinou os contemporâneos deixando aos discípulos a missão de escreverem os seus ensinamentos. E são estes ensinamentos que constituem a base do budismo como filosofia e que mais tarde se transformou em religião.

 

Dambulla, Sri Lanka.jpg

 Santuário de Dambulla

 

O que distingue a filosofia budista da religião budista são a característica terrena da filosofia e o carácter divinal da religião. Assim, pode-se ser filosoficamente budista sem se ter a fé budista mas não se pode ser crente budista sem se abraçar a filosofia budista. Mas é claro que, na prática, há muita fé que existe por si própria sem a específica base filosófica. Lá, como em toda a parte, como em todas as religiões.

 

Não será aqui que abordarei o Budismo e a sua exegese mas posso sugerir que os interessados consultem, por exemplo, https://pt.wikipedia.org/wiki/Budismo

 

Um dos ensinamentos budistas que mais prezo é o da práctica da compaixão, o mesmo comportamento a que os cristãos chamam amor: a preocupação com o próximo, o desapego do egocentrismo.

 

Como assim?

 

Muito bem, passo a explicar contando uma pequena história que em tempos li sobre um monge seguidor do Dalai Lama: perguntado sobre o que é a compaixão budista, o monge pediu a quem o escutava que imaginasse entrar numa sala e ver uma flor num vaso.

 

- Todos pensaremos em primeiro lugar se gostamos ou não daquela flor, se ela é bonita, enfim, se de algum modo nos satisfaz. Ou seja, todos teremos raciocínios ego centristas, egoístas, no limite. Todo o nosso raciocínio habitualmente se desenvolve em torno de nós próprios, dos nossos parâmetros e interesses. Mas se ao vermos a flor naquele vaso pensarmos que ela estaria muito melhor se pudesse apanhar directamente a luz do Sol e o ar fresco, se pudesse estar entre as outras da sua espécie... Então nós abdicávamos do nosso egoísmo, do egocentrismo e focávamos o nosso raciocínio no interesse da flor. Ou seja, interessávamo-nos pelo outro e não mais apenas por nós. Esta motivação pelo bem alheio é a compaixão budista.

 

Este, pois, um código de conduta totalmente terreno. Mas ao longo dos séculos as multidões divinizaram Buda a quem reconhecem muitos milagres e grande intercepção com o Ser Supremo a que nós, nas outras religiões, chamamos Deus ou Alá.

 

Portanto, com pontos de pura bondade tão fundamentais em comum, muita razão teve o Arcebispo de Goa quando se insurgiu violentamente contra o Padre que há uns quantos séculos queria destruir o dente de Buda roubado do templo de Kangy não descansando enquanto não assegurou a devolução da relíquia à origem.

  

Polonnaruwa.jpg

 

Impressionou-me o fervor que vi nos crentes a rezarem num ofício religioso a que me deixaram assistir próximo de Polonnaruwa e se eu tinha a mania de que o Budismo era apenas uma filosofia, aqui fiquei sem quaisquer dúvidas de que é mesmo uma religião. E muito importante!

 

Foi à porta desse templo que pela primeira vez um homem me ofereceu uma flor. Era para eu depositar na base da estátua de Buda dentro do templo, o que fiz. Será uma das que se vêem na foto sobre a mesa do altar. À saída, o fulano esperava-me para eu lhe dar uma moeda, o que também fiz.

 

Felizes os que têm fé.

 

Lisboa, 7 de Dezembro de 2015

 

Henrique no Jardim Botânico Peradeniya, Sri Lanka

 Henrique Salles da Fonseca

(Jardim Botânico de Peradeniya, Sri Lanka, NOV15)

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D