Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

MONCHIQUE

 

 

As condições edafo-climáticas de Portugal são, em muitas regiões, altamente propícias a um vasto grupo de plantas "aromáticas" e "medicinais" assim designadas por serem produtoras de compostos químicos com boas qualidades curativas em relação a diferentes doenças ou utilizadas como condimentos, na cozinha, ou para extracção de compostos para perfumes, muitos deles óleos essenciais. A nossa flora espontânea é muito rica nessas espécies e, duma maneira geral, encontra-se bem estudada, sendo conhecida, em relação às diferentes espécies, a sua distribuição geográfica.

 

A grande riqueza da flora de Portugal em plantas aromáticas e medicinais apenas está explorada numa pequena parcela do total e de forma descontrolada e sem preocupação de salvar os recursos genéticos existentes (biodiversidade). Esse facto tem originado uma erosão genética que urge travar, salvando e conservando em Banco de Genes a biodiversidade existente, promovendo a sua caracterização e avaliação e, por último, o seu aproveitamento de forma sistemática. Muitas dessas espécies vegetam em zonas de montanha, por vezes áridas, que não têm boas possibilidades para outros tipos de agricultura.

 

Se o conhecimento que temos da distribuição geográfica das espécies é razoável ou mesmo bom, quase nada se sabe da variabilidade intra-específica – talvez a parte mais valiosa da "biodiversidade" – embora haja indicação de que ela é muito ampla.

 

A serra de Monchique é uma porção privilegiada desse longo rectângulo que é a chamada "serra do Algarve", que separa esta província do Baixo Alentejo. Ao contrário da maior parte dessa serra, que está escassamente revestida de vegetação e, em muitas partes, se encontra totalmente nua e com zonas descarnadas, Monchique é um verdadeiro oásis, apresentando uma luxuriante vegetação, arbórea, arbustiva e herbácea, dum valor incalculável, não só pela sua produção, mas pelos efeitos benéficos sobre o clima e a retenção da água no solo, evitando a erosão.

 

Já foi chamada a atenção para a urgente necessidade dum vasto programa de reflorestação de toda a Serra do Algarve, um empreendimento crucial para o País. Monchique dá-nos o modelo e, quando toda a serra estiver como Monchique, não é só o Algarve que beneficia, mas também o Alentejo.

Publicado no Linhas de Elvas de 13 de Fevereiro de 2014

 

Miguel Mota

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D