Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

MOÇAMBIQUE REVISITADO – 11

 

Durante a minha estadia em Moçambique de Abril de 1971 a Julho de 1974 andei à procura de leões mas…

… certa vez, passando um fim de semana na Ilha de Moçambique, ouvimos dizer que estava um leão na praia do lado do continente à sombra da ponte. Meti-me no carro com quem mais nele cabia e fomos até lá. Quando lá chegámos, vimos-lhe o rasto fecal e nada mais. Até se poderia dar o caso de estar ali bem perto de nós, oculto pelo capim e essa a razão pela qual sugeri às minhas amigas que se deixassem de aventuras no mato e não pensassem sequer em abrir as portas do carro. Mais: que tivessem a mão nos manípulos das manivelas dos vidros não fosse necessário fechá-los mais rápidamente do que o calor nos sugeria. Eu sabia que aquela era zona de leão pois uns tempos antes da minha chegada a África, os banhistas na praia das Chocas (onde Vasco da Gama fez aguada para seguir viagem até Quiloa) ter-se-ão visto encurralados entre os tubarões quase na areia e os leões junto dos automóveis estacionados no parque sobranceiro à praia.

Nunca mais ouvi falar da presença de leões até que na grande viagem de Nampula a Lourenço Marques fomos três vezes à chamada «casa dos leões» na Gorongosa e só lhes vimos os ditos rastos acima referidos.

Já como civil, decidido a regressar a Portugal depois do «glorioso», pensei que seria uma vergonha chegar a Lisboa e ter que confessar que estivera aquele tempo todo em África sem ver um leão. De nada serviria garantir que os ouvia todos os dias rugir à hora das refeições no Jardim Zoológico ali mesmo ao lado do «meu» Centro Hípico. Então, para não passar por um vexame a-leónidas, apeei-me do cavalo, meti-me nos calcantes, paguei bilhete de visitante e entrei no Jardim Zoológico de Lourenço Marques para finalmente ver um leão em África. E lá estava o casal que eu todos os dias ouvia à hora das respectivas refeições.

Lembro-me de ter dito a quem se foi despedir de mim junto das escadas do portaló do «Infante D. Henrique» que conseguira mesmo ver leão em África, o que nem todos eles tinham ainda conseguido. Mas não lhes disse do Zoo pelo que só agora, se lerem estas linhas, o ficarão a saber.

Passados 32 anos, estava decidido a ver leões em liberdade e não mais num zoo. Essa, a razão da ida ao Krueger Park, na África do Sul, ali mesmo junto da fronteira e apenas a 111 quilómetros de Maputo.

E assim foi: minibus só para nós à porta do Polana que a meu pedido foi em viagem de passeio até ao destino (por uma estrada nova e boa que substituiu a vergonha do nosso tempo a que me referirei noutra crónica) para poder matar saudades; uma hora e picos depois, formalidades de fronteira que me fizeram lembrar que a União Europeia é «outra loiça»; mais meia dúzia de quilómetros e entrámos no Parque; alguns quilómetros depois e eis-nos a entrar no recinto do Hotel Pestana junto do Crocodile River, afluente do Limpopo.

Krueger Park.png

Três dias de bicharada de manhã à noite e mesmo pela noite dentro para vermos os noctívagos. E destes, os leopardos, nada vimos porque o frio era tanto que a trintena de turistas na camioneta (ficámos então a saber que eramos todos portugueses e que tínhamos feito figura de parvos ao falarmos uns com os outros em inglês até então) deu ordem ao motorista que deixasse os leopardos tranquilos e nos pusesse de novo no hotel.

Regresso a Maputo pela mesma estrada e num minibus equivalente mas de matrícula sul africana, o que não me preocupou absolutamente nada porque as formalidades de fronteira foram (ou nos pareceram) menos morosas.

Do lado sul africano, agricultura por toda a parte até aos arames que demarcam a linha de fronteira com óbvia excepção da área pertencente ao Krueger; do lado moçambicano, «África minha».

Chegando ao hotel, tínhamos o meu amigo Sebastião à nossa espera. Conhecera-o em Lisboa durante o exílio a que ele se viu forçado por incompatibilidade com o comunismo mas regressara depois do Acordo de Paz assinado em Roma. Convidado a entrar, preferiu convidar-nos para sua casa. Lindamente recebidos pela sua família que eu já conhecia de Lisboa, quis honrar-me e beneficiar-me oferecendo-me um bastão de madeira bem polida que parecia uma bengala. Mas não era uma bengala e era suposto não só simbolizar o poder de quem o possuísse como também… algo mais que ele não especificou. Ficámos, a Graça e eu, a imaginar que haveria por ali… o quê???

Jantar no Polana, um show qualquer igual a todos os outros que se vêem no resto do mundo e cama pois no dia seguinte voamos para Vilanculos e Arquipélago do Bazaruto.

Amanhã há mais.

Agosto de 2019

Henrique Salles da Fonseca

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D