Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

MOÇAMBIQUE

 

VELHAS FORTALEZAS

 

As fortalezas mais conhecidas e conservadas são as da Ilha de Moçambique – Fortaleza de São Sebastião (1558), Forte de Santo António (1820) e Forte de São Lourenço (1580?) - e a do Maputo que foi quase sempre uma paliçada de madeira até que em 1946 se construiu em pedra, como monumento, sobre os alicerces originais de madeira.

 

As que se descrevem são as esquecidas, arruinadas, mas fazem parte da história e do património, mesmo que em ruínas.

 

1.- Praça de S. Caetano de Sofala

 

A fortaleza de Sofala foi fundada em 1505 com a finalidade de monopolizar o tráfico de ouro vindo do interior do Monomotapa, que estava nas mãos dos árabes, “as minas mais ricas que nenhumas outras daquelas partes”, como as classificou El-Rei D. Manuel, que deu ordens para a sua construção.

 

Em 1595 chegou Pêro de Anhaia para dar início à construção, que mandou dizer ao Vice-Rei, na Índia: “parecia escusada ali a fortaleza e gasto de gente, que não senhoreava nada, porque se com paz e amizade se não fizesse o resgate, ninguém lho poderia fazer por força, por a terra ser má de doença”. Em vez de construir algo em pedra, limitou-se a organizar “uma tranqueira” defendida por um fosso.

 

Gaspar Correia quando ali passou em 1512 dá uma visão da obra: “O Capitão mór, com o conselho de todos escolheu o lugar para construir, junto ao rio... e repartiu o trabalho por todos os homens, do qual trabalho, por a terra ser doentia, começou a gente a adoecer e morrer; pelo que houveram por bem acertado em não ter começado a fortaleza; e a tranqueira foi acabada em fim de Outubro, sendo muita gente doente dos maus ares da terra”.

 

Anhaia morreu pouco depois e o feitor, eleito Capitão, Manuel Fernandes construiu dentro da tranqueira um “cubelo de pedra e cal”.

 

Após um ataque movido pelos árabes, “o Capitão, que já nom avia homens doentes abrirão logo os alicerces e começaram a fazer a fortaleza... acabada em 1506”.

 

FGA-Sofala.jpg

 

Em carta de 1608 el-rei: “... a fortaleza está muito mal provida, sem presídio nem munições e exposta a ser ocupada dos inimigos”.

 

Em 1644 chegou ao reino a notícia de que a fortaleza estava arruinada, tendo o vice-rei D. Filipe de Mascarenhas proposto que fosse desmantelada, mas o rei, D. João IV escreve ao novo vice-rei, Conde Óbidos: “Conde sobrinho amigo... me pareceo dizervos que que não convém ser desmantelada a dita fortaleza, antes tratar-se da sua conservação...

 

Em 1758 Sofala tem a sua antiga fortaleza de pedra e cal, e hoje em partes lhe bate o mar, e a Igreja, da mesma antiguidade está demolida”, e em 1789 já “...a parte do mar está carcomida e muito arruinada.

 

FGA-fortaleza 2.jpg

 Em 1885 – Desenho original de Augusto de Castilho

FGA-fortaleza 3.jpg

1905

 

1906 – Último ano em que a torre de menagem esteve de pé. Poucos anos mais e tudo se afundou nas areias salgadas.

 

2.- Forte Princesa Amélia em Massangano

 

Situado a uma dúzia de quilómetros de Tete, na margem direita do Rio Zambeze, perto da confluência do Rio Luena, no alto da serra Bacampembuzuè (ou Inhampembuzuè), na aringa que foi dos “rebeldes” Bonga, Chatara e Motontora, em 29 de Novembro de 1888, o Governador-Geral de Moçambique, Augusto de Castilho e mais um monte de outra gente, tomou posse solene desta aringa, que ficava ocupava por um destacamento militar, já que a situação geográfica parecia importante para o controle da região. Arvorou-se a bandeira, deram vivas ao rei, etc. e lavrou-se o competente auto.

 

Em Outubro do ano seguinte o governador de Tete propôs que se construísse ali uma fortaleza de pedra e cal.

 

Em 1891 João de Azevedo Coutinho que passou na região, escreveu, dando “a obra em começo, era grandiosa de mais e perfeitamente deslocada para aquelas paragens”.

 

Já guarnecida 1892 só dois anos mais tarde se fez a inauguração solene. Mais autoridades, mais hastear de bandeira, mais vivas e... mais nada.

 

Não tardou muito que tivesse sido abandonada, caiu no esquecimento e em ruinas.

FGA-Massangano.jpg

No topo da serra, os restos, vendo-se o “tambor”, área circular num dos cantos do forte

 

FGA_Massangano 2.jpg

 Interior do forte sobre o lugar da aringa

 

3.- Fortim de Pemba

 

Terá sido Jerónimo Romero o autor da obra de um pequeno fortim em Porto Amélia, hoje Pemba (aliás nunca deixou de ser Pemba!) em 1857, quando se estabeleceu naquela localidade uma colónia de europeus, chamada “8 de Dezembro”.

 

Em 1858 foi encarregado o capitão Luis Feliciano Guerreiro Barradas de dar início às obras “nas pontas Norte e Sul, ou pelo menos um, que deverão ser fortificados com a brevidade possível”. Começou pela ponta de Miranembo, depois ponta Romero, “na praia do desembarque construiu-se uma palhota para agasalho de gente e depósito de materiais”. Logo a seguir mandou-se ao Governador Geral “uma planta para um fortim abaluartado” de traça pentagonal, que nunca obteve resposta.

 

Romero queria um Reduto com capacidade para 20 praças, cozinha, armazém, paiol para munições, etc.

 

Entretanto as intrigas contra a colónia “8 de Dezembro” começaram a vingar e em Setembro de 1861 só restavam cinco colonos e a colona Ana Barbosa.

 

Em 1862 inicia-se “a construção de um pequeno reduto ou parapeito para servir de defesa ao destacamento si estacionado, em forma hexagonal que ficou concluída em 4 de Janeiro seguinte, com uma muralha de 9,5 palmos de altura exterior e 2 palmos de espessura.

 

Em Julho o governador reconhecendo o fundamento reclamações dos sucessivos comandantes do destacamento, para que aos muros do reduto fossem dadas maior consistência e altura. “...porque sendo amiudadas vezes visitado pelo Leão e pelo Tigre resultava não se poderem ali conservar os soldados desde o começo da noite”.

 

Em 1865 o governador interino, Francisco de Paulo de Castro Domingues, escreveu: “Não serve para nada, está construído de tal maneira que tendo três peças montadas só podem fazer fogo para o ar. O quartel do destacamento está fora do forte e está a cair, é preciso construir outro dentro se lá couber”.

 

Hoje lá está um forte, todo remodelado, conforme foto do blog tronco-em-flor.

 

FGA_Pemba.jpg

Forte Jerónimo Romero – Pemba (foto recente)

 

18/06/2016

 

FGA-2OUT15.jpg

Francisco Gomes de Amorim

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D