Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

MINHA ALDEIA, ANTIGAMENTE...

MM-igreja-de-santa-maria-igreja-matriz-de-silva-es

 

Minha Aldeia, antigamente

Laborioso cortiço

Era colmeia de gente

Mourejando, sol a sol;

E da aurora ao arrebol

Sorria, tranquilamente...

Tinha gente, tanta gente

Que eu amei ou conheci!

A minha aldeia era aqui

Mas hoje, tudo é diferente;

Já lá vai a mocidade,

Já passou a ser cidade,

Já esqueceu essa gente!

Por isso, quero deixar

Antes que parta também

Aos que cá vivem agora,

A recordação d’outrora,

Tempo pra mim sem cuidado

E revivendo o passado

Dos que foram pró Além,

Quero trazer à memória

Alguns, de que seu a história!

Tinha o Crista, sapateiro

E o Perigoso, barbeiro.

Perto, o Barros da Capela,

Tinha a tasca da Malícia

A Benfolga do polícia

E a Laranja em Ventiela.

Tinha os Senras na carreira

A Ti Maria louceira

E feira no Largo da Cruz,

Onde a Olívia hortaliceira

De segunda a sexta feira

Abria a boca e Ai Jesus!...

Festa igual não há nenhuma

Mesmo rodando quilómetros

Será procurar debalde;

Só o “Senhor da Boua Fertuna”

Ou a festa dos gasómetros

Lá no Largo de Moalde.

Na rua atrás da Capela

Existia um Trovoada

Casado com uma Carneira

Que passava a vida inteira

Sempre a trovejar por nada,

Mas caladinho pra ela...

Havia um Olho de Vidro

E havia um grupo entretido

A jogar a vermelhinha;

Havia um Caramileiro

E o Manel Farrapeiro

Perto dessa Capelinha.

Quando havia um funeral,

Fosse de rico ou de pobre

O Quim tarracha é sabido

Compenetrado do acto,

Vestindo o seu melhor fato

Ia à Cruz, sem alarido.

E o Manel Vai Pr’á Guerra

Que a guerra não conhecia

Pra ganhar algum pataco

A fazer recados vivia.

Não dava pró que comia,

Ia dando pró tabaco!...

Havia um Cego na Asprela

Perto do Manel do Cabo

Havia a gente do Brinca

E havia a Vinte e Cinca

Sempre num “arranca rabo”.

Tinha os filhos do Cesila

E a casa do Basila

Que era o “Quartel General”;

Tinha uma Lina Caruja

E a família da Maruja

Gente do bem e do mal...

Havia o Manel d’Além,

Caramalhas, Saias Rotas

Gente descalça e com botas

Ou calçado rapelhado;

E a presa da Lavandeira

Com o Rio Novo à beira

Pra dar de beber ao gado...

Teve até um Regedor

O Baristo lavrador,

Que sempre que alguém prendia,

Levava o preso consigo

E era tal o castigo

Que ser solto, ninguém queria!

Teve um Juiz Julião

Um Professor Fabião

E um Padre Farinhote

Com a gata Consciência;

Teve a Senhora Clemência

Que arrastava o saiote...

A registar quem nascia,

Quem casava, quem morria

Havia uma Primavera

E havia uma Liberdade

Sem saber o que isso era

E escondida a vontade

Dum Abril que foi espera!

Frente à Loja do Cantinho

Vivia o Zeca Manquinho

Que de “piela” dizia

Para a casa onde morava

Sua “piscina” cruzava

A nado, quando chovia...

Pelos “Passos”, na Procissão,

Havia um grande sermão

Do “Encontro” assim chamado;

E “unhas”, que ninguém nos ouça,

Só o Ribeiro da Bouça

Pró estandarte mais pesado,

Tinha um Mestre-Escola pedreiro

Um Periquito barbeiro

Um padeiro Batatinha

Um lavrador Cabeleira

Tinha louças na Barbeira

E tabaco na Cacinha.

Tinha um Silva Regedor

E um Cordeiro Doutor

Um lavrador Fevereiro

Tinha Poupas e Pardais

E outros Pássaros mais

Muitos, gente de dinheiro.

Tinha um Pereira enfermeiro

Um Barros relojoeiro

Casado c’uma Barista

Tinha a casa Tianol

O Adelino Pitrol

E tinha a bouça do Brista.

Havia um Nocas pintor

Que era também actor

No Teatro de Revista;

E a Gertrudes parteira

E o Nina da Sarradeira

E um porqueiro Batista.

Tinha uma Fonte dos Alhos

E quem caísse em trabalhos

Na quelha da Caganita:

E o Domingos dos cavalos

Foguetes de 4 estalos

E a família do Pita.

E um Melro, na Igreja Velha

A caminho de Parada

Tinha a Maria Picada

E os” Fandinos” em passeio;

Tinha o Infesta jogando

A Maria Aurora cantando

E o eléctrico ao meio.

O Ginja do Simpatia

Desenhava e escrevia

Tinha talento e humor.

Quando entrou no “Caldo e Broa”

Chegou a ir a Lisboa

Na companhia do Flor.

Tina a Farmácia do Lino

Onde o Quim de pequenino

Era aprendiz de doutor;

Sabia dar injecções

Fazer pomadas, poções

E xaropes pró amor...

E tinha o Dr. Germano

Parteiro como não há;

Mesmo não sendo de cá

Merece bem estar aqui

Pois ao que eu soube e vi

Ele trouxe para a vida

Muita gente cá da Aldeia;

Sendo a ingratidão coisa feia,

Recordo-o agradecida!

Do Germano seguidor

Pelo Ginja caricaturado

Eu quero também lembrar

O Dr. Vilar Machado

Baixo, bem apessoado

Que me apraz recordar.

O cauteleiro Cabilhas

Pôs os filhos e as filas

A ajudá-lo no negócio;

À esquino do Botequim

Fazia grande chinfrim

Mas nunca quis nenhum sócio!

Tinha o Augusto dos panos

Que já entrado nos anos

Fez um Cinema na Aldeia;

Tinha Chapas e Moletes

A Pimenta das bicicletes

E uma Caritas bem feia...

No cinema tinha o Megre

Bilheteiro e Lanterninha;

Tinha uma Viúva Alegre

E o Zoeira, genro desta

Tocador de violino

Que escreveu, com muito tino

“S.Mamede está Infesta”!

Ainda há hoje no Flor

O Zé Oliveira, actor

Do tempo de “Caldo e Broa”;

Tanto tempo dirigente

Não é para toda a gente

Nem para qualquer “Patroa”...

A loja do Campeão

Tinha sementes, feijão

Hortaliças e etcs.;

Mas não tinha cola-tudo

Pra colar “peixe miúdo”

Nem as “bocas-mais-abertas”!

Manel Luís e Pacar

Tinham carros para alugar

Com motoristas fardados;

Levavam ao mesmo tempo

Os noivos ao casamento

Pais, Padrinhos e convidados...

Existiram no passado

Políticos contra o Estado

Democrático Movimento;

Hoje apenas o que resta

Em S. Mamede de Infesta

É essa rua do Centro.

E havia Cucos e Cucas

E Custódias “meio zucas”

Que bebiam “escarlatina”;

Havia Pedros e Pedras

E Lourinhas bem azedas

E Polidores, em cada esquina.

À tasca do Azeiteiro

Ia um Boletineiro

Bebedolas, pachorrento

Pra quem o correio Urgente

Ou normal, era indiferente...

“Se é Urgente, tem tempo!...”

‘Inda há Limas e com Lima

Tanto primo e tanta prima

E ‘inda há o Leça Armador;

Mas a Isaura dos Caixões

Já não entra em confusões

Porque abalou pró Senhor!

Havia muitos Dourados

E havia Patos casados

Com Patas e outras mais

Pra juntarem a riqueza;

Havia a Tia Ana Teresa

E o Zeca dos jornais.

A Micas dos Caladinhos

Vendia desses docinhos

Na sua loja de Usados;

Paravam por lá uns “mangas”

Alguns amigos das “tangas”

E outros, aposentados.

Numa noite de calor

Descansando do labor

Tentando matar a sede,

Criaram, deram à luz

O que foi seu “Ai Jesus”

O Rancho de S. Mamede!

Havia a Foto Taveira

E pertinho, quase à beira,

Havia o Maximiano

E o Júlio Chapeleiro

E os filhos do Mineiro

Com fominha, todo o ano...

Mas não se julgue que eu penso

Serem tempos assombrosos

Pois descalcinhos, ranhosos,

Jogando à bola de trapos

Muitos Meninos da Aldeia,

Só tinham “jantar” ou “ceia”

Colchão de palha e farrapos.

Apenas sinto saudade

Desse tempo de esperança

Pois quando se é criança

Não se conhece maldade...

Muita gente eu esqueci

E disso peço perdão

Talvez noutra ocasião

Eu os lembre, noutros versos;

Às vezes, são adversos

Os ventos da inspiração...

No entanto, à minha Terra

Deixo aqui este penhor

Expressão do meu amor

Que pra amar, não há idade;

E ao Padroeiro, a veia

Do que escrevo à Minha Aldeia

Que agora já é Cidade!...

 

Silva Escura, 26 de Junho de 2001

 

Maria Mamede.jpg Maria Mamede

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D