Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

MERDEKA – 4

 

TIMOR LORO SAE

 

“Loro Sae” (e não "Lorosae", pois são duas palavras distintas) significa em tétum “Sol Nascente”. Foi a denominação que as várias correntes inter-timorenses acordaram para o nome oficial do seu país logo que se livrasse da ocupação indonésia mas acabaram por voltar à denominação herdada de Portugal, “Timor Leste”. Actualmente, à outra metade da ilha, a ocidental, os indonésios chamam Kupang.

 

Em Timor Leste existem muitas línguas vernáculas cuja simbiose deu origem ao tétum. O tétum (com muita influência portuguesa) e o português dão unidade linguística à realidade política do país e o outro elemento de grande afirmação da coesão nacional é a religião católica.

 

Mas nem sempre foi assim…

 

Com base numa mistura algo explosiva de conceitos islâmicos, nacionalistas e marxistas, Sukarno participou do movimento de independência do país contra a Holanda (aliando-se mesmo ao invasor japonês durante a II Guerra Mundial), foi o primeiro Presidente indonésio e seguiu uma política externa que se dizia não alinhada. Ou seja, procurou uma fórmula que lhe permitiria estar de bem com Deus e com o Diabo comendo do bom e do melhor de ambos os lados.

 

Mas - vanitas, vanitas pura – procurou obter algum protagonismo internacional organizando em 1955 a famosa «Conferência de Bandung» que reuniu mais de 30 países que se diziam neutros na clivagem internacional que se agravava entre o bloco soviético e o Ocidente democrático. Entretanto, a ambição de protagonismo internacional não o coibiu de se tentar equilibrar na corda bamba e aceitou o convite de Salazar para vir a Lisboa (MAI60) ostentando a qualidade de grande pacifista internacional. Por pouco, não se encontrou cá com o Imperador Hailé Selassié da Etiópia (JUL59) nem com o rei Bhumibol da Tailândia (AGO60).

 

Enquanto andou nestas flostrias, tudo correu bem mas não há almoços grátis e a URSS não tardou a apresentar a factura do apoio que lhe vinha dando. E foi então que Sukarno se viu na obrigação de favorecer o Partido Comunista da Indonésia, de extinguir os demais Partidos políticos e de se afirmar como Presidente vitalício.

Sukarno_and_Fidel,_1960.jpg

 Dois «democratas» da mais alta estirpe

 

Mas, como já disse numa crónica anterior, os indonésios têm um espírito muito empreendedor, nada têm globalmente a ver com o proletariado e têm há gerações e gerações um regime muito democratizado de acesso à propriedade privada. E então, a tentativa comunizante de Sukarno foi a cereja que faltava pôr no cimo do bolo e o seu camarada de armas Suharto não esteve com meias medidas e baldou-o da Presidência. E assim foi que Sukarno, em vez de assumir a Presidência vitalícia, ganhou a residência fixa vitalícia.

 

Então, quando o «nosso» MFA empreendeu que se haveria de implantar um regime comunista em Timor Leste, estava-se mesmo a ver que Suharto haveria de ficar quietinho. Não estava?

 

Bem, o resto da História já os meus Leitores conhecem…

 

Coitado do povo timorense que sofreu o que muito bem poderia não ter sofrido.

 

E os malandros que tudo provocaram ainda devem andar por aí à solta a dar gritos à Liberdade de fazerem estupidezes.

 

Ao que agora sou eu que lhes respondo: MERDEKA!!!

 

(continua)

127.JPG

 Henrique Salles da Fonseca

(em Bali, frente a uma banca comercial de um dos muitos empresários indonésios)


BIBLIOGRAFIA:

  • Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
  • Wikipédia
  • Crepúsculo do Colonialismo – Bernardo Futcher Pereira

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D