Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

MEMÓRIAS DE UM MÉDICO NA FRENTE MOÇAMBICANA (1914-18)

I GG Moçambique.jpg

 

O famalicense Joaquim Alves Correia de Araújo, enviado como Alferes-médico para a frente moçambicana em Maio de 1917, era um observador metódico e imparcial, virtude que tende compreensivelmente a rarear no cenário violento de um teatro de guerra, propício a emoções fortes e empolamentos patrióticos

Por isso mesmo é tão precioso o diário que nos deixou: um caderno de 77 páginas que uma sua sobrinha-neta, Teresa Araújo, historiadora e arquivista na Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, tem vindo pacientemente a decifrar e que tenciona publicar em breve.

Destacado no posto de Chomba, onde se instalara um Hospital de Sangue e depois no Hospital dos Combatentes na ilha de Xefina, na baía da então Lourenço Marques, o jovem médico de Vila Nova de Famalicão esteve ainda noutros locais-chave do conflito e foi uma testemunha privilegiada da actuação das tropas portuguesas em Moçambique durante a I Guerra.

Um bom exemplo da sua objectividade, que em nada diminui a vivacidade dos seus relatos, é este passo do diário, transcrito por Teresa Araújo, no qual descreve o modo como se reagiu em Chomba à notícia de que “grossas colunas alemãs” tinham atravessado o Rovuma:

“Às 5h de 22 [de Julho de 1917] tudo batia em debandada. Automóveis e carregadores transportavam continuadamente pessoal e bagagens, não esquecendo os penicos. Os lugares eram disputados (…). Todos os serviços ficaram abandonados. O Director do Hospital pôs-se na alheta e deixou os doentes de que a custo se evacuou parte. Os medicamentos ficaram encaixotados. Tomei a direcção, por nomeação dos meus colegas que ficaram (…). A desordem era enorme, a confusão não se descreve…”.

Nos apontamentos do médico, diz a sua sobrinha-neta, percebe-se que respeitava mais os adversários alemães do que os aliados ingleses. E irritava-se deveras com o amadorismo das forças portuguesas, lamentando a “figura tristíssima que muitos oficiais fazem”, chorando e implorando para os mandarem para casa.

Ma o diário também regista momentos felizes: uma noite de Natal com o indispensável bacalhau, ou a notícia do armistício, a 11 de Novembro de 1918, que o médico celebrou com champanhe no vapor que já o trazia de regresso a casa.

Nascido em 1889 em Requião, freguesia do concelho de Vila Nova de Famalicão, Joaquim Alves Correia de Araújo era o segundo dos oito filhos de um casal de abastados proprietários rurais. O pai, Manuel, foi Presidente da Junta de Paróquia local e Vereador da Câmara de Vila Nova de Famalicão antes e depois da implantação da República. E muitos dos seus familiares exerceram, em sucessivas gerações, cargos públicos na Freguesia e no Concelho.

O seu irmão Armindo veio a presidir à Câmara de Famalicão na década de 50 e um seu tio, Francisco Alves Correia de Araújo, fora o primeiro Presidente da autarquia após o golpe de 1926 e voltou a sê-lo ao longo de quase toda a década de 30. Foi com o seu patrocínio, conta Teresa Araújo, que Manoel de Oliveira realizou em 1940 o documentário Famalicão. O intermediário terá sido um filho do autarca, Virgílio, que estudara com o futuro cineasta num colégio em La Guardia, na Galiza.

Manuel e a sua mulher, Bambina, eram suficientemente abastados para poder proporcionar uma educação cuidada a toda a sua extensa prole e Joaquim não foi excepção. Licenciou-se pela recém-criada Faculdade de Medicina do Porto, tendo defendido tese em Fevereiro de 1917, já após ter sido mobilizado, com um trabalho intitulado O método de Carrel e o soluto de Dakin no tratamento das feridas infectadas. No preâmbulo à sua tese, diz a sua sobrinha-neta, exprime a sua perplexidade pelo facto de os jovens médicos sem tese de final de curso poderem ser mobilizados para exercer clínica militar, quando estavam impedidos de a exercer enquanto civis.

Chegado a Moçambique, é integrado na chamada coluna dos Macondes e colocado no posto de Chomba, onde fica cerca de um ano. É depois transferido para o hospital de Xefina, onde terá usado um medicamento da sua própria autoria que, segundo memórias conservadas na família, obteve resultados excepcionais na luta contra a febre biliosa.

Regressado a Portugal, trabalhou no Regimento de Sapadores do Caminho-de-Ferro e no Hospital Militar da Estrela, em Lisboa, tendo sido promovido a capitão-médico em 1922. Pediu depois transferência para uma unidade de Santo Tirso, e quando esta foi extinta passou formalmente à reserva, embora tenha continuado a exercer medicina, designadamente no Hospital Militar do Porto, onde se manteve até 1947. Morreu quase octogenário, em 1968.

 

5 de Setembro de 2014

luis miguel queirós.png 

Luís Miguel Queirós

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D