Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

LUTERO E A REVOLUÇÃO FRANCESA

 Estranha ligação, esta, de Lutero com a Revolução Francesa, não é? O que é que o teólogo alemão que viveu entre 1483 e 1546 pode ter a ver com a tomada da Bastilha em 1789? Aparentemente, nada. Mas...

 

A revolta dos camponeses na Alemanha em 1524-25 não é uma consequência directa da acção de Lutero pois já antes tinha havido revoltas semelhantes em 1476, 1492, 1493, 1502, 1513 e, em especial, a de 1514 em Württemberg. Mas os alemães tinham efectivamente fortes razões para se revoltarem porque eram pouco mais que escravos ou servos da gleba, espremidos por taxas e pelo trabalho gratuito (a corveia). A descoberta da América tornou a sua situação ainda pior pois o aumento do luxo e do prazer na Europa tornaram o dinheiro escasso por causa dos impostos decretados pela nobreza e pelo Papa para sustentarem esses novos luxos e prazeres. Para além do que a terra livre para ser arroteada pelos camponeses era pouca por haver grandes áreas reservadas à prática da caça pelos Senhores, tanto leigos como clérigos.

 

A base teológica luterana assentava (a ainda hoje assenta) na fórmula «uma só fé, um só Cristo, uma só Bíblia» enquanto o mote do Sacro Império Romano-Germânico consistia em «um só Deus, um só Papa, uma só doutrina, um só Imperador». O mundo «evangélico» de Lutero propunha a liberdade cristã, a supremacia da Palavra à da Igreja, o sacerdócio universal de todos os baptizados (em vez do específico ministério sacerdotal católico), o direito de os cristãos escolherem os seus pastores pregadores e a autonomia evangélica de cada comunidade (em vez da subordinação a um Bispo).

 

A relevância do princípio de que todos os baptizados são iguais perante Deus induziu a que a coligação entre natureza social, política, de direitos e liberdades com a natureza da graça e da salvação assumisse proporções revolucionárias sendo a sublevação dos camponeses tomada como premissa da verdadeira fé evangélica transmitida por Lutero. Mas não foi Lutero que inaugurou a revolução e sim dois ex-monges extremistas de quem Lutero rapidamente se demarcou, Andreas Karlstadt (1486 – 1541) e Thomas Müntzer (1490 — 1525). E foi Müntzer que rapidamente assumiu a liderança incendiária apresentando-se como um carismático que entrava em contacto directo com Deus e, possuindo revelações divinas, pregava que o juízo final estava próximo e que, por isso, o Imperador, os Reis e os Príncipes iriam desaparecer por serem pecadores mergulhados no poder terreno. O mundo deixaria de ser uma monarquia para passar a ser uma teocracia e ele, Müntzer, passaria a fazer a ligação entre o céu e a terra. E o mais tenebroso é que os camponeses, maioritariamente analfabetos, acreditavam em tudo isto e explodiam em revoltas sucessivas que alastravam a toda a Alemanha destruindo castelos e casas menos humildes, ocupando propriedades, espoliando, roubando e expulsando os que eles consideravam culpados da sua servidão.

 

Até que aos espoliados, vítimas de ocupação e roubo, «chegou a mostarda ao nariz». E assim foi que – já Lutero reconhecidamente demarcado de tudo isto – no dia 14 de Maio de 1525 foram 8 mil camponeses sitiados em Frankenhausen pelos exércitos unidos do protestante Filipe de Ássia e do católico Jorge da Saxónia. Recusando-se ao diálogo, foram os revoltosos derrotados em poucos minutos sendo 5 mil chacinados de qualquer maneira e 300 decapitados após julgamento sumário. De notar que, uma semana antes, cerca de 18 mil revolucionários tinham sido passados pelas armas na Alsácia. Calculam os historiadores que em toda a Alemanha tenha havido mais de 100 mil mortos durante esta revolução.

 

Eis como tal banho de sangue «segurou» o statu quo político e social por mais 264 anos até que, um bocado mais para poente, outros tomaram a Bastilha. Mas desta vez a argumentação foi profana, se é que argumentação houve nesse 14 de Julho.

 

Sim, Lutero nada teve a ver com a Revolução Francesa mas...

 

Lisboa, 14 de Maio de 2014

 

 Henrique Salles da Fonseca                

 

 

 

BIBLIOGRAFIA:

 

 «LUTERO, Palavra e Fé», P. Carreira das Neves, Editorial Presença, 1ª edição, Março de 2014, pág. 314 e seg.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D