Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

«LUCKY», O CÃO

Todo o cristão de qualquer religião sabe que cão pequeno se amofina com cão maior e que com cães à bulha sempre pode dar mau resultado alguém meter-se lá pelo meio. Não é por mal, mas na refrega sempre há uma dentuça que roça a pele e lá vem um rasgo a merecer pontuação.

O «Lucky» é um canzarrão tão manso quanto o seu tamanhão e o «Farrusco» um meia-tigela com bigodaças que não gosta de carros nem de «colegas» da sua espécie.

E por qualquer razão menos explicada em canês, eis que o «Farrusco» se amofina com o «Lucky», o leva ao desespero e sofre as consequências que também David não temeu com Golias. E, como nos homens, não se metam com pachorrentos… e eis que o «Farrusco» deu duas voltas pelo ar depois de ter andado de rojo. Vieram os donos mas só o da parte do calmeirão se aventurou lá pelo meio. Isso não o livrou da tal dentuça que rasgou sem deixar assinatura.

- Quantos pontos?

- Talvez uns 3 ou 4 mas antes deles lá estarem, muito foi o sangue que jorrou. E foi de esguicho, lá isso foi.

Grande alvoroço na aldeia com rosnadelas, latidos, brados dos homens a tentarem pôr ordem na desordem e, mais do que tudo, a gritaria das mulheres que, só elas, suplantavam todos os decibéis. E foram elas que me sugeriram estar a passar-se alguma calamidade de amanhã vir nos jornais e que me fizeram assomar à varanda.

A cena acabou com os dois lutadores apartados «a pontapé sabe Deus em quem» e em reclusão nas respectivas casotas, em casa de cada dono. E o meu vizinho, o do calmeirão, a caminho do Posto de Saúde para a apropriada cozedura.

Só uns 20 minutos depois é que as mulheres serenaram e deixaram de gritar com os cães, já eles por certo não se lembrando de quê. Mas elas, sim, lembravam-se e vão ter conversa para um bom par de horas. Aí isso é que vão!

Faz anos que o calmeirão chegou à aldeia. Ninguém sabe donde veio mas há quem diga que as cadelas grandes que vivem ao pé do «Boina Verde» e lá almoçam e jantam, vão parir à Mata dos Medos e que, a partir de certa altura, mandam os filhos embora pois o restaurante não está ali para abrir falência com tanta boca a alimentar. E o calmeirão deve ter descido a encosta e apareceu na aldeia a dar ao rabo, todo satisfeito por lhe cheirar a gente boa. E foi aceite como novo aldeão. Dormia aqui, almoçava ali, todos lhe falavam, nada lhe faltava.

Um dia, brincando com a «Nina», a cadela da minha vizinha, à porta do café central, não percebeu que vinha lá um carro e foi atropelado. Espatifaram-lhe a mão esquerda e o pobre bicho entrou em desespero sem perceber por que lhe tinham feito tanto mal. O dono do café agarrou-o ao colo, pôs a mulher (a minha vizinha) ao volante e foram a correr para o hospital veterinário onde o calmeirão foi atendido imediatamente. A cirurgia passava bastante além do orçamento do meu vizinho pelo que sedaram o calmeirão, lhe puseram os ossos tão no sítio quanto possível, cozeram-no e puseram-lhe uma tala. Que ia ficar manco. E isso, se não gangrenasse e se não tivessem que o amputar.

E foi assim, entalado, que o conheci. As dores já tinham desaparecido, não houve gangrenas, os ossos lá foram soldando e o cão foi assim baptizado de «Lucky».

- Eh pá! Tiveste muita sorte!

É claro que a partir daí, o «Lucky» foi adoptado pelo meu vizinho sem discussão do resto da aldeia. Mas o dono só o podia passear ao raiar do Sol e à noitinha, depois de regressado da lota. Então, dispus-me a passear o calmeirão que já me conhecia das visitas regulares que lhe fazia e das lambarices que lhe levava. Fiz um amigo que me reconhece de ano para ano e abana o rabo cada vez que o visito no Inverno.

É claro que andou entalado só uns meses e, afinal, tendo ficado com um aprumo esquisito, corre e brinca na perfeição. De tal modo bem que atirou com o metediço «Farrusco» ao chão e depois ao ar, pôs os homens aos pontapés e as mulheres a gritar.

É mesmo um canzarrão.

Lucky.jpg

Henrique Salleda Fonseca

(com o «Lucky» a lamber-se e com o braço esquerdo todo torto)

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D