Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

LOAS E AZEDUMES

 

Hoje refiro-me ao azedume permanente em que tanta gente só faz reclamar de tudo e de todos.

 

Começo por relembrar um pouco da História de que nós, os portugueses com mais de 60 anos, somos contemporâneos.

 

Na juventude, vivemos no Consulado do Doutor Salazar e faltavam-nos perspectivas num modelo económico subjugado ao equilíbrio financeiro e ao entesouramento, sem perspectivas de maioridade política para o cidadão comum; no tempo do Professor Marcelo Caetano, nasceu a esperança proporcionada pela «Primavera marcelista» que os ultras, liderados pelo então Presidente Tomás, esmagaram; seguiu-se o golpe de Estado em 25 de Abril de 1974 e as loas à liberdade que os comunistas passaram a ter de prender quem se lhes opusesse.

 

25-de-abril.jpg

 

E foram estas loas que deram o tom à «Revolução dos Cravos» dizendo-se que acabara com «a longa noite fascista».

 

Independentemente da verdade histórica, o que vingou foi um discurso generalizado de incentivo à reivindicação das liberdades individuais que culminou num ambiente em que tudo eram direitos e as obrigações eram alheias, nunca do próprio.

 

E a luta política, fazendo-se entre os comunistas que falavam nas «mais amplas liberdades» e os Partidos democráticos que apregoavam a liberdade como conceito unicitário, criou uma cultura de facilitismo que rapidamente degenerou na irresponsabilidade em que todos viam cerceamentos aos respectivos direitos nas mais ténues regulamentações e viam arbitrariedades nos resquícios decisórios de gestão corrente tanto da coisa pública como da privada.

 

Em suma, mesmo inconscientemente, criou-se uma geração libertária, avessa a qualquer espécie de autoridade em que todas as tentativas de ordenamento eram equiparadas a fascismo.

 

Entretanto, as gerações seguintes foram educadas por esses libertários e o sentimento de revolta contra o cerceamento de direitos assentou arraiais no comportamento geral.

 

«Ninguém pode fazer nada que me incomode pois isso é limitar a minha liberdade.»

 

«Ninguém pode dizer-me coisas diferentes daquelas que eu quero ouvir porque isso é manipular-me.»

 

E o azedume manifesta-se constantemente nas mais corriqueiras situações, no ambiente criado pelo incentivo à revolta nos diversos meios da comunicação geridos por «netos da revolução» prenhes de irresponsabilidade social.

 

Com a agravante da hegemonia entretanto alcançada pelos hedonistas, filhos da pós-modernidade, esses que tudo querem JÁ e que não olham a meios para alcançarem os seus próprios fins à custa dos direitos alheios dando mesmo largas a tais desejos no exercício do saque público.

 

Solução?

 

Para além da actuação policial imediata, creio que a solução de fundo passa pela educação no sentido da responsabilização individual em prol do bem-comum apesar de isso poder demorar o tempo de várias gerações. E, para isso, é fundamental que os órgãos da comunicação se autocorrijam.

 

Dezembro de 2018

Grécia, algures 2.jpg

Henrique Salles da Fonseca

(em Heráklion, MAR18)

1 comentário

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D