Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

LIDO COM INTERESSE – 87

BEBEDOURO HORIZONTES.jpg

Título – O BEBEDOR DE HORIZONTES

Mia Couto.jpg

Autor – Mia Couto

Editora – CAMINHO

Edição – 2ª, Fevereiro de 2018

 

* * *

 

Sinto-me dispensado de apresentar o Autor mas não me dispenso de dizer algo sobre ele.

 

Estabeleço três grandes diferenças entre José Saramago e Mia Couto:

  • Uma, a de que um é odioso e o outro chega a ser simpático;
  • Outra diferença é a de que o odioso já recebeu o Nobel e o outro ainda não;
  • A um, não deixo que me influencie nem por osmose; ao outro, leio.
  • Mia Couto escreve «coisas» que me interessam; o outro, não sei.

 

Moçambicano e branco, assume uma postura em que parece pedir desculpa por ser branco, tanto o mal que diz dos brancos, dos portugueses em particular. Fá-lo disfarçadamente nuns livros, mais directamente noutros mas, no mínimo, com uma pedra no sapato contra nós.

 

Cumpre-nos a nós, portugueses, reconhecer que nem tudo o que fizemos em África merece os maiores louvores mas, daí a propagandear apenas os defeitos omitindo as virtudes, é uma vergonha para quem o faz. O que seria a alternativa à nossa presença nesses países? Não respondo porque não quero agora entornar o caldo.

 

Sim, a literatura africana de língua portuguesa tarda em se afirmar sem complexos de colonialismo. Parece que lá para as bandas de Cabo Verde já vão aparecendo escritores verdadeiramente independentes.

 

* * *

 

No final, o Autor informa em anexo que «Este livro é uma obra de ficção. Grande parte das personagens e das histórias foram, no entanto, construídas com base em pessoas reais e factos históricos. (…)»

 

A trama refere-se à captura de Gungunhana, de sete das suas mais de trezentas mulheres, do filho Godido, do tio e conselheiro Mulungo, do cozinheiro Ngó e do arqui-adversário Zixaxa e suas três mulheres, tudo personagens verdadeiras. A narradora é a intérprete de que o Autor se serve para que nos cheguem as falas de quem não sabia falar português.

 

Independentemente da história (que coincide com a História), Mia Couto consegue com mestria transmitir-nos muito do misticismo dos povos do Sul de Moçambique e, nesse particular, merece os maiores louvores literários e também humanistas. Basta isto para se justificar esta leitura.

 

Frases que chamaram a minha atenção:

 

  • Sobre a questão linguística, a rainha Dabondi refila sobre o modo rude como é mandada calar - «Calo-me na mesma língua do homem que me humilha» - (pág. 22);

 

  • Sobre a magreza de muitos dos soldados brancos - «(…) magros vultos com mais farda do que corpo.» - (pág. 35);

 

  • Sobre os complexos de inferioridade dos portugueses - «A nossa verdadeira pequenez não vem da geografia mas do modo como nos pensamos.» - (pág. 44);

 

  • «(…) só há um critério para medir a grandeza de um comandante: o modo como trata os vencidos.» - (pág. 45);

 

  • «(…) como um bêbado se agarra a uma garrafa já vazia.» - (pág. 62);

 

  • Sobre quem foi a Lourenço Marques assistir à apresentação dos captivos - «(…) gente de nações tão distantes que nenhum mapa lhes faz justiça.» - (pág. 116);

 

  • «A bravura não nasce de ser pensada. A coragem não mora no cérebro, emerge das entranhas.» - (pág. 144);

 

  • «Enquanto sobreviver o medo, os deuses não serão destruídos pelas máquinas.» - (pág. 238);

 

  • «(…) se não há futuro, tornamo-nos iguais aos bichos e não há melhor para as guerras que um bicho fardado de soldado.» - (pág. 248);

 

  • «O frio é tanto que as sombras não se soltam dos corpos.» - (pág. 267);

 

  • «Cozinhar não é fazer comida, é sentar os deuses à nossa mesa». – (pág. 285);

 

  • «Rir junto é um abraço.» - (pág. 325);

 

  • «(…) os nomes são tatuagens na alma. Não há morte que os apague.» (pág. 342).

 

Janeiro de 2019

Púlpito discurso Nobel.JPG

Henrique Salles da Fonseca

(no púlpito dos laureados Nobel)

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D