Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

LIDO COM INTERESSE – 86

Pat Conroy-Música de praia.jpg

TítuloMúsica de praia

Pat Conroy.jpg

AutorPat Conroy

Tradutor – José Luís Luna

Editor – Círculo de Leitores

Edição – Setembro de 1996

 

* * *

 

Antes do livro, refiro-me ao Autor que não conhecia de lado nenhum até ao momento em que, vasculhando numa prateleira cá de casa, encontrei esta obra que a família lera mas que me tinha passado ao lado.

 

Pelos vistos, dos 14 livros que escreveu, quatro foram postos em cinema e levaram vários actores aos Óscares.

 

Nascido em Atlanta, filho de pai que lhe fez a juventude num inferno, acabou por se fixar na Carolina do Sul onde morreu aos 70 anos de cancro no pâncreas em 2016.

 

Para saber mais, ver o que sobre ele informa em português a Wikipédia no endereço

https://pt.wikipedia.org/wiki/Pat_Conroy

Mas em inglês informa bastante mais

https://en.wikipedia.org/wiki/Pat_Conroy

 

* * *

 

Nestas 570 páginas de texto, o Autor descreve o que foi o impacto da guerra do Vietname na sociedade americana e sobretudo na geração em idade de então cumprir o Serviço Militar Obrigatório em que as «cunhas» choviam para o ingresso na Guarda Nacional em vez da opção «normal», a da guerra. Como se por cá tivesse sido – e não foi – a alternativa entre o Exército e a GNR. Mais descreve o que resta da perspectiva sulista em contraste com os outros americanos, tudo num dramatismo que ficou bem sob os holofotes de Hollywood como acima refiro.

 

Com estrutura literária curiosa, o narrador desempenha, naturalmente, o papel central mas é um outro personagem que se revela, afinal, autobiográfico do Autor. Ou seja, o tema central da obra passa por ser marginal e o que nos é apresentado como central é, afinal, marginal. Mas isto são perspectivas que só se revelam lá para os finais da obra e, entretanto, vamos passando por personagens bem interessantes que revelam muita plausibilidade e grandes tiradas de sabedoria.

 

E a propósito de sabedoria, foram várias as passagens que me despertaram interesse:

 

  • «(…) havia uma história que ela me obrigava a repetir inúmeras vezes até que adquiri uma qualidade tão maquinal como as respostas de uma catequista.» (pág. 18);

 

  • «Quando ia buscar a filha, olhava para mim de tal maneira que até parecia que eu era uma amostra de urina.» (pág.18);

 

  • Roma «(…) cidade cor de corça.» (pág. 27);

 

  • «(…) um motorista italiano não guia, faz pontaria.» (pág. 35);

 

  • «(…) letra ilegível que me fazia pensar em sapatos de atacadores desapertados.» (pág. 48);

 

  • Na página 62, escreve sobre o Carnaval de Veneza a que me refiro em

https://abemdanacao.blogs.sapo.pt/anonimando-1841100

 

  • Em Roma, «Cada passo que dei com ela transportou-nos através de várias civilizações empilhadas como camisas numa gaveta.» (pág. 83);

 

  • «A sua perspectiva da humanidade era unidimensional, mas não imprecisa: os homens eram prisioneiros dos seus genitais e as mulheres eram as guardiãs da entrada para o Paraíso.» (pág. 206);

 

  • Da página 215 à 217 refere o episódio do General Sherman que contei em

https://abemdanacao.blogs.sapo.pt/general-sherman-1841486

 

  • Em Roma, «Um artista de rua sem talento desenhava o retrato de uma japonesa que se queixava por parecer coreana.» (pág. 227);

 

  • «(…) a caminho da Basílica de São Pedro, ia uma congregação que se movia lenta e pensativamente como uma manada de herbívoros que se alimentava de orações, incenso e pão ázimo.» (pág. 232);

 

  • «O excesso exuberante da Basílica de São Pedro levou-me sempre a pensar que a simplicidade dos protestantes nasceu naturalmente da exorbitância de igrejas como esta.» (pág. 232);

 

  • «A fantasia é uma das porcelanas mais brilhantes da alma.» (pág. 289);

 

  • «(…) num século que me parecia cada vez mais ridículo, achava que a solidão, a oração e a pobreza eram, talvez, cada vez mais eloquentes e justificáveis nesta época absurda em que a alienação era tanto atitude como filosofia.» (pág. 326 e seg.);

 

  • «(…) na memória do passado utilizável, a tradução inexacta, os erros de ênfase e a inevitabilidade da interpretação defeituosa de uma experiência, podia conduzir a uma perspectiva imperfeita das coisas.» (pág. 366);

 

  • Dizia a chatíssima professora de História no Liceu que «Nota-se, pela forma do queixo, que estes dois jovens descendem de pessoas que colocavam a rectidão acima do mero esplendor, a justiça acima da mera retribuição e a elegância acima do espalhafato do meretrício.» (pág. 397);

 

  • Sobre a mesma professora, afirma que «A voz dela era tão monótona como a água de um autoclismo a correr» e continua «Ela conseguia fazer com que a Carga da Brigada Ligeira parecessem instruções para dobrar um guardanapo.» (pág. 398);

 

  • «Ao longo dos séculos, o calor e o ensino medíocre fizeram muito para baixar o quociente de inteligência do Sul.» (pág. 399);

 

  • «Pairava no ar o cheiro a festa que fazia mal às artérias e bem à alma.» (pág. 449).

 

* * *

 

Conclusão: gostei e vou procurar mais obras de Pat Conroy.

 

Janeiro de 2019

31DEZ18-Estocolmo.jpg

Henrique Salles da Fonseca

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D