Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

LIDO COM INTERESSE – 71

JNP-O Islão e o Ocidente.jpg

 

Título – O ISLÃO E O OCIDENTE

Autor – Jaime Nogueira Pinto

Editora – D. QUIXOTE

Edição – 2ª, Junho de 2015

 

 

Da contracapa extraio que o ataque ao semanário Charlie Hebdo, em 7 de Janeiro de 2015, comoveu mais os europeus do que a chacina das crianças e jovens do Colégio Militar de Peshawar {Paquistão}, do que as mulheres escravizadas por Boko Haram na Nigéria, do que os egípcios coptas decapitados ritualmente, do que os cristãos crucificados às centenas no Iraque e na Síria pelo ISIS.

 

Da badana consta que na Primavera de 2014, o Estado Islâmico se alargou como uma maré equinocial, dominando de repente 100 mil quilómetros quadrados com mais de 5 milhões de habitantes. Para crescer, os radicais do Califado exploram o descontentamento das populações com a discriminação e as perseguições a que foram submetidas pelos governos xiitas de Bashar-al-Assad e de Al-Maliki. E agora estão no centro do furacão perturbando o Ocidente e quase todo o Médio Oriente, recebendo a adesão de milhares de muçulmanos espalhados por esse mundo fora.

 

E voltando à contracapa, a pergunta é a de saber como é que uma religião monoteísta, que defende o Bem e a Justiça, que produziu no passado longínquo uma civilização que se estendeu em maravilhas de Bagdad a Córdova, que inventou a Álgebra e transmitiu a Filosofia grega à Europa cristã, está hoje reduzida a este grande desatino de destruição e medo?

 

Das inúmeras páginas com informação relevante, respigo apenas as que mais chamaram a minha atenção:

 

A história do conflito entre o sunismo e o xiismo é (...) a história da «Grande Discórdia», da Fitna (luta no interior da comunidade), que vai dividir os crentes. Morto Maomé em Junho de 632 e devendo a sucessão cair sobre um seu «mais próximo», sucede-lhe o seu companheiro Abu Bakr cujo califado dura apenas dois anos; Abu Bakr escolhe para sucessor Omar, outro companheiro do Profeta e Omar, nos dez anos do seu califado, conquista a Síria, a Palestina, o Egipto e a Mesopotâmia.

Quando Omar morreu, foi um conselho de seis membros que se decidiu por Osman, do clã dos omíadas de Meca.

Ali, primeiro direito, companheiro e genro do Profeta, fazia parte do conselho que escolheu Osman. Não o confrontou mas não terá gostado da escolha. Osman, (...), era membro da elite urbana de Meca que inicialmente perseguira Maomé e resistira ao Islão. (...) Da luta que depois se travou, resultou o assassínio de Osman (...) e a aclamação de Ali como califa, em Junho de 656. Para os seus partidários, os xiitas, Ali era o sucessor natural de Maomé, o primeiro e único sucessor natural do Profeta; e os três califas – Abu Bakr, Omar e Osman – meros usurpadores. Assim, a seguir à morte de Osman, o povo de Medina aclamou Ali, «reparando o erro» e entregando o poder ao «verdadeiro sucessor de Maomé» – por parentesco, companheirismo e virtudes pessoais.

Pág. 26 – Não discuto a fé mas temo a proibição da exegese sunita.

 

Imperialismo oitocentista: o regresso dos «cruzados»

As grandes somas recebidas para os projectos de desenvolvimento tornaram os Estados islâmicos – o Império Otomano, o Egipto, a Tunísia – devedores dos bancos europeus que os tinham financiado, passando o serviço da dívida a consumir as suas receitas económicas e financeiras. Assim, a mais importante ameaça à independência do Médio Oriente não eram os exércitos europeus, mas os seus bancos.

Pág. 47 – Onde é que eu já ouvi falar deste modo? A diferença está em que então, os Estados islâmicos se devem ter entretido a erigir «elefantes brancos» enquanto que hoje o recurso a capitais alheios é sobretudo para cobrir défices excessivos das contas públicas.

 

Os wahabitas defendem como dogma o poder infinito de Deus, a predestinação, a obediência cega aos chefes da comunidade e ao poder legal (mesmo que este seja imoral e ímpio) e rejeitam toda e qualquer interferência da razão humana na interpretação e consideração da fé.

Pág. 106 A renúncia à liberdade de opinião teológica e cívica só a posso equiparar ao fascismo.

 

Educado numa cultura de força, bin Laden desprezava os fracos e via os EUA como uma nação fraca corrompida pelo materialismo e pela luxúria.

Pág. 139 – Na minha opinião, esta é uma apreciação boçal.

 

O Islão (...) não conheceu, não conhece nem talvez venha a conhecer o seu tempo de separação entre o que é de César e o que é de Deus.

Pág. 183Eu costumo dizer que ao mundo islâmico falta uma «Revolução Francesa».

 

Gilles Lipovetsky caracteriza esta nova era como a da pós-modernidade, (...) uma segunda revolução individualista, marcada pelo desaparecimento dos «ideais sacrificiais» e pelo advento de uma ética «indolor e circunstancial, plural e emocional».

Pág. 288 – Como eu próprio já afirmei, a ética contemporânea da felicidade é apenas consumista pretendendo optimizar as potencialidades do mercado que se deseja cada vez mais amplo, global. In http://abemdanacao.blogs.sapo.pt/o-ser-pelo-ter-1216587

 

Os jovens muçulmanos, perdidos e marginalizados na Europa cristã – ou pós-cristã – atirados para a periferia suburbana dos pequenos empregos, dos pequenos gangues e dos pequenos prazeres, desintegrados das suas raízes originais e de lugares que os não acolhem plenamente, encontram bruscamente a aventura, o risco, a suposta identidade e a glória nas bandeiras negras do Profeta (...). Por isso partem para a nova terra prometida ou ficam na Europa, mas disponíveis para matar os sacrílegos do «Charlie Hebdo» (...)

Pág. 300 – Bela síntese.

 

Nas caricaturas do «Charlie» havia uma clara intenção de agredir, de ofender, de chocar (...)

Pág. 323 – Eis por que nos dias seguintes me distanciei da emoção francesa e afirmei que «je ne suis pas Charlie». E houve quem cortasse relações comigo.

 

Dezembro de 2016

 

Henrique no barco-Israel.JPG

Henrique Salles da Fonseca

(navegando de Limassol para Haifa, Março de 2014)

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D