Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

LIDO COM INTERESSE – 65

 

 

Samarcanda, Maalouf.jpg

Título – SAMARCANDA

Amin Maalouf.jpg

Autor – Amin Maalouf

Tradutora – Paula Caetano

Editora – Marcador Editora

Edição – 1ª, Maio de 2015

 

Levanta-te, temos a eternidade para dormir!

Omar Khayyam.jpg

Omar Khayyam – persa, poeta, matemático (inventor do «x» como incógnita) e astrónomo dos séculos XI e XII de seu nome completo Ghiyath al-Din Abu'l-Fath Umar ibn Ibrahim Al-Nishapuri al-Khayyami nascido a 18 de Maio de 1048 em Nichapur, Irão e falecido a 4 de Dezembro de 1131 em Grande Coração (ou Antigo Coração - região histórica da Pérsia que englobava partes dos actuais Irão, Afeganistão, Tadjiquistão, Turquemenistão e Uzbequistão).

 

Eis o personagem central da primeira parte desta obra histórico-romanesca do libanês Amin Maalouf.

Alamut-Fortress.jpg

Samarcanda, a cidade em que se desenrola grande parte dos acontecimentos mas em que Alamut também vem à colação na qualidade de bastião da famigerada seita dos assassinos.

 

E tudo se desenrola entre a erudição de uns e o fundamentalismo de outros tanto no passado de Omar Khayyam como no início do séc. XX a que a segunda parte da obra nos transporta. E lastimavelmente, a dicotomia entre os arcaizantes e os modernistas mantém-se praticamente inalterada ao longo desse período de mais de oito séculos. E de que nós mesmos somos hoje testemunhas e vítimas.

 

Também a diferença de conceitos entre autocratas feudais que se consideram proprietários das nações que dominam em que a lei é o capricho real e os que pensam que tarda a modernização pela instauração de regimes constitucionais.

 

Sobre os assassinos que queriam libertar a Pérsia do jugo seljúcida, diz-se na pág. 143 e seguinte:

Nos anos e decénios vindouros [a descrição situa-se nos finais do séc. XI], incontáveis mensageiros de Alamut conhecerão a mesma morte, com a diferença de que já não tentarão fugir. «Não basta matar os nossos inimigos», ensina-lhes Hassan [Hassan ibn al-Sabbah (1034 - 1124) ou O Velho da Montanha, foi um missionário nizarita que, no final do Século XI, tomou a região montanhosa do norte do Irão, fundando a seita dos assassinos]: «Não somos homicidas, somos executores; devemos agir em público para servir de exemplo. Matamos um homem, aterrorizamos cem mil. No entanto, não basta executar e aterrorizar, também é preciso saber morrer pois, se ao matar desencorajamos os nossos inimigos de tentar o que quer que seja contra nós, ao morrer do modo mais corajoso ganhamos a admiração da multidão. E desta multidão sairão homens para se juntarem a nós. Morrer é mais importante do que matar. Matamos para nos defendermos, morremos para converter, para conquistar. Conquistar é um objectivo, defendermo-nos é apenas um meio.

 

Noto que deste discurso distam «apenas» dez séculos em relação ao que neste início do séc. XXI testemunhamos diariamente.

 

Na segunda parte do livro, transportados a 1906, diz-nos a página 253 a propósito da luta que então se travava em Teerão entre conservadores e progressistas:

O clero, esse, estava dividido. Uma parte rejeitava tudo o que vinha da Europa, a própria ideia de democracia, de parlamento e de modernidade. Diziam: «Por que motivo precisaríamos de uma constituição se temos o Corão?». Ao que os modernistas respondiam que o Livro deixara aos homens o cuidado de se governarem democraticamente pois estava lá escrito: «Que os vossos assuntos se resolvam por concertação entre vós». Habilmente, acrescentavam que se os muçulmanos, após a morte do Profeta, dispusessem de uma constituição organizadora das instituições do seu Estado nascente, não teriam conhecido as sangrentas lutas de sucessão que haviam conduzido à evicção do imã Ali.

Para além do debate doutrinal, a maioria dos mullahs aceitava, porém, a ideia da constituição para acabar com a arbitrariedade régia.

SAMARCANDA (Uzbequistão).jpg

 

E acerca de Samarcanda, respigo da pág. 314:

Em Samarcanda o tempo decorre de cataclismo em cataclismo, de tábua rasa em tábua rasa. Quando os mongóis destruíram a cidade, no século XIII, os bairros habitados transformaram-se em amontoados de ruínas e de cadáveres. Tiveram de ser abandonados; os sobreviventes foram reconstruir as suas residências noutro sítio, mais a sul. A ponto de toda a cidade velha, a Samarcanda dos seljúcidas, pouco a pouco recoberta por camadas sobrepostas de areia, já não ser mais do que um vasto campo sobrelevado. Debaixo da terra vivem tesouros e segredos; à superfície, pastagens. Um dia, ter-se-á de abrir tudo, de desenterrar as casas e as ruas. Assim, liberta, Samarcanda saberá contar-nos a sua história.

 

E tantas e tantas outras passagens poderia transcrever… que o melhor é ser o Caro Leitor a ler a obra completa.

Julho de 2015

C-HSF-Mékong.jpg

Henrique Salles da Fonseca

9 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D