Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

LEITURAS LENTAS – 1

Tony Judt.png

Título – O PESO DA RESPONSABILIDADE

Tony Judt-2.png

Autor – Tony Judt

Prefaciador – Rui Bebiano

Tradutora – Patrícia Xavier

Editora – Edições 70

Edição – Maio de 2018

 

A bem da verdade, deveria ter juntado o subtítulo «BLUM, CAMUS, ARON E O SÉCULO XX FRANCÊS» na ficha técnica inicial mas ficaria uma paginação muito pesada e optei por esta solução que me parece razoável.

 

* * *

 

Esta, a minha leitura principal enquanto viajei pelo mundo de Mafamede assim me fazendo recordar que nem tudo é Talião.

 

São 280 páginas de substância, fora, portanto, as habituais fichas técnicas, título, índices e etc.

 

Trata-se de uma apreciação da vida intelectual de três vultos da França do séc. XX, Léon Blum (que foi primeiro ministro duas vezes), Albert Camus (que foi Nobel da Literatura) e Raymond Aron (que foi um dos mais importantes filósofos modernos franceses).

 

Mas, curiosamente, nenhum deles entrou neste livro por ter sido o que acima refiro: Blum, por ter sido o civilizador do socialismo; Camus, entrou como o grande moralista; Aron, pelo rigor da sua análise social.

 

E é sobretudo nestas perspectivas que toda a obra se desenrola numa leitura fácil apesar de constantemente abordar temas difíceis. Porquê difíceis? Porque todos eles mobilizaram as elites intelectuais e políticas francesas durante quase todo o séc. XX em discussões públicas, tanto políticas como académicas (as que transpareceram cá para fora, que não foram poucas).

 

Não vale a pena ler a correr, o livro não foge. Eu não o li, saboreei-o.

 

* * *

 

Uma curiosidade que só pude constatar quando cheguei ao fim da substância: a primeira frase e uma das últimas merecem a minha incondicional concordância.

 

  • A primeira frase (pág. 25, primeira frase da substância relativa a Blum): A História não é escrita como foi vivida – que o diga quem, como eu, viveu o 25 de Abril de 1974 num turbilhão comunista em que as loas à liberdade ainda hoje apregoadas mais não são do que a liberdade que os comunistas adquiriram de mandar prender quem se lhes opunha.
  • Frase quase final (pág. 289, última página da substância relativa a Aron): Os intelectuais franceses, observou [Aron] um dia, não procuram nem compreender o mundo nem mudá-lo, mas denunciá-lo – eis ao que continuamos a assistir tantos anos depois da morte de Aron (1983) em que a contestação permanente tudo exige sem querer saber da plausibilidade das exigências nem das consequências de uma putativa satisfação dessas mesmas pretensões às quais não apresenta alternativas - talvez porque as não tenha e porque talvez mesmo nunca tenha querido tê-las. Denúncias irresponsáveis, portanto, a que os órgãos da comunicação dão muita cobertura criando uma tensão social que muitas vezes mais não conduz do que a becos. Porquê? Porque a tensão factura e os becos são problemas alheios, não das instituições da comunicação. Os outros que se danem porque eles, entretanto, já tiveram as audiências, as tais que facturam.

 

Muito mais haveria para contar mas nada melhor do que ser o meu leitor a fazê-lo directamente.

 

NOTA FINAL – A reler, Camus na sua perspectiva moral, sobretudo na da não ficção.

 

Boa leitura!

 

Abril de 2019

IMG_1094.JPG

Henrique Salles da Fonseca

(Amazónia, Março de 2016)

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D