Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

KALIMERA – 4

 

POSSEIDON

 

Manhã clara, deu para ver o Sol nascente e por isso me lembrei do «Loro Sae» timorense. Mas logo de seguida tudo se toldou e a chuva começou. E foi sob céu plúmbeo que fizemos o resto do dia.

 

Saidos, então, de Atenas rumo ao Sol nascente, fizemos um pouco mais de 100 kms ao longo da costa sul do Pireu a caminho do Cabo Sounion. Trata-se duma «rivière» de relativamente boa qualidade com inúmeros empreendimentos turísticos e baías – umas a seguir às outras – que se enchem de banhistas e barqueiros no Verão mas que agora estavam vazias. Mas deu para perceber que é assim que a Grécia está a tentar perfilar-se perante as consequências da crise que estoirou em 2014-15.

 

Chegados ao destino, ali estava uma paisagem com vegetação em tudo semelhante à nossa Serra da Arrábida fazendo-me lembrar o que nos ensinaram no Liceu de que, sendo Portugal um país atlântico, tem, mesmo assim, diversos locais de clima mediterrâneo. Mas o que nós não temos é a profusão de templos que os gregos têm. E aqui, no extremo oriental do Pireu, o orago é Posseidon, o deus dos mares.

Templo Posseidon Cabo Sounion, Grécia.jpg

 

E se os gregos antigos tinham o local como místico, também Byron se deixou enamorar pelo local ou por algum guardião das ruinas fazendo de Sounion a morada dos seus quase últimos dias mas acabando-os um pouco mais a Ocidente, em Mesolóngi a 19 de Abril de 1824. De qualquer modo, ainda teve forças para fazer gravar o seu nome numa das pedras fundamentais do templo. E os turistas lá vão tirar fotos como se esse fosse o carisma local. Não é!

 

A questão religiosa centrada em Posseidon era de grande relevância para o rei ateniense Egeu que já sonhava com o crescimento marítimo do seu «império» a fim de ganhar a dimensão que lhe permitisse tornar-se independente da vassalagem a Minos, rei de Creta.

 

Assim como vários séculos mais tarde a mitologia lusitana põe o Infante D. Henrique em Sagres a maquinar os descobrimentos, também a mitologia grega põe Egeu em Sounion a imaginar o domínio sobre o arquipélago fronteiro.

 

Então, quando Minos determinou que os reinos vassalos deveriam enviar anualmente a Creta não sei quantos adolescentes para servirem de alimento ao Minotauro, a ira assumiu proporções de ruptura e Egeu enviou o seu filho ao palácio de Knossos para entrar no labirinto e matar o monstro antropófago. O jovem zarpou de Atenas e deveria regressar hasteando velas brancas se tivesse acabado com a sorte ao Minotauro mas se tivesse sido vencido pelo monstro, os sobreviventes deveriam hastear velas escuras. Só que o jovem príncipe, chegado a Knossos, enamorou-se pela filha de Minos e entre a refrega da luta que levou à morte do Minotauro e os calores dos amores com a princesa cretense, esqueceu-se de hastear as velas brancas e chagando ao largo do Cabo Sounion, induziu Egeu em erro sobre o resultado da missão. O rei, em desespero perante a hipótese de ter ficado sem o seu amado filho, despenhou-se do promontório e afogou-se nas águas do mar que assim passou a chamar-se Egeu.

 

Mais um local onde tentei «viver» a epifania joyceana com algum recolhimento.

 

O autocarro deu meia volta e regressámos a Atenas mas não consta que algum dos meus companheiros de viagem tenha sentido mais Egeu do que Byron.

 

6 de Abril de 2018

Cabo Sounion 1-MAR18.JPG

 Henrique Salles da Fonseca

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contador


contador de visitas para site

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D