Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

KALIMERA – 2

 

EUFORIA

 

Dos dicionários se extrai que «euforia» é um sentimento de alegria e bem-estar que envolve o indivíduo ou que ocorre no meio social.

 

Muito a propósito, a palavra "euforia" tem origem no Grego "euphoria", que significa "capacidade de aguentar facilmente”, de "euphoros", onde "eu" corresponde a “bem” e “phoros” significa “o que carrega”.

 

O termo terá sido utilizado pela primeira vez em 1875 para referir o contentamento dos viciados em morfina. Convenhamos que não «entrou com o pé direito» no léxico moderno.

 

A palavra é também usada no sentido de bem-estar patológico, constituindo um sintoma de diversas doenças mentais. Mas é claro que um indivíduo eufórico nem sempre é portador de um problema psíquico.

 

Contudo, sendo mais intensa, mais breve, mais descontrolada e mais exteriorizada que o sentimento de alegria, a euforia também pode ser apenas uma alegria intensa e passageira que não afecta o estado do psiquismo.

 

Frequentemente, à euforia segue-se a melancolia e quando isso acontece de modo inexplicado, logo se associa o processo ao transtorno bipolar.

 

Na Grécia, à bolha bolsista dos tempos de Constantino Karamanlis, seguiu-se a denúncia do bluff em que a vida grega navegava num processo super-especulativo. Como um pouco por toda a parte, os bancos tinham desbragado a emissão do crédito nomeadamente aos clientes do retalho para que comprassem acções na bolsa eufórica mas quando viram «as barbas a arder» com o rebentamento da bolha especulativa e indesejados níveis de mal-parado, começaram a vender as carteiras tóxicas: os bancos estrangeiros venderam-nas aos bancos gregos e pisgaram-se da Grécia antes que tudo desse para o torto e os bancos gregos levaram Karamanlis a puxar os cordões ao erário público para que o sistema bancário genuinamente grego não fosse todo ao charco. O endividamento público disparou de níveis já muito altos para alturas estratosféricas e foi então que o «Schäuble mausão» falou mais alto do que os gregos gostariam de ter ouvido. E vai daí, eleições à vista porque Karamanlis só queria pisgar-se da cena que deixara instalar-se no sopé do Pártenon.

 

O processo de ajustamento passou por vários resgates de modos mais ou menos radicais sempre apontando para a redução da despesa pública. Mas os vícios eram tantos e tão antigos que só restava recrutar um «encantador de Senhoras» tais quais Ângelas e Cristinas, as chefas dos maiores credores, de modo a que o tempo fosse passando, o Tsipras pudesse manter-se na cadeira do Poder, se encenassem acções tão espectaculares quanto os credores queriam ver e tão demagógicas quanto ao povo apetecia.

 

Mas a mentira não pode eternizar-se e o «encantador de Senhoras» foi finalmente substituído por um triste insignificante de pastinha à cobrador de quotas de clube desportivo que, sem luzes nem ribaltas, passou a fazer o trabalho de casa contando os tostões e somando em vez de sumindo.

 

Resultado? Varoufakis foi à vida e anda agora a criar um Partido Pan-europeu enquanto o desgraçado Euclid Tsakalotos tenta repor alguma verdade nas contas públicas gregas. Mas não será com uma varinha de condão, não. O processo de emagrecimento das velhas mentiras sucessivas tem que ser progressivo de modo a não criar mais tensões sociais e, mesmo assim, lá vai dando um bom-bom ou outro de modo a que a Praça Sintagma não volte a ver mais cenas lancinantes como as da transição de 2015.

 

Crise? É claro que sim, ela existe. Mas disfarçada pela maquilhagem que os credores continuam a financiar.

 

Parthénon-MAR18.jpg

 

À euforia seguir-se-ia a melancolia mas nós, os turistas, somos o verdadeiro anti depressivo de que a Grécia tanto precisava. E, pelo que vi, somos um fortíssimo remédio.

 

Abril de 2018

Acrópole, Atenas-MAR18.JPG

Henrique Salles da Fonseca

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D