Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

INDOCHINA – 14

 

 

Os organizadores da viagem – a Graça e o nosso amigo Pepe – já me tinham falado do barco em que haveríamos de fazer o cruzeiro pelo Mékong abaixo dando-lhe o nome de «Javardão», o que eu sabia não corresponder minimamente à verdade mas... nunca fiando nestas azougadas gentes que ao pequeno-almoço comem sopa, massas alimentícias e ervas exóticas sem cheiros. Então, o barco chama-se «Jayavarman» e fui procurar saber porquê.

 

Encurtando razões (quem quiser saber mais que vá à Wikipédia por exemplo em http://pt.wikipedia.org/wiki/Jayavarman_VII), o que interessa é saber que o VII Imperador Khmer com esse nome viveu numa época sensivelmente contemporânea à fundação de Portugal e que foi ele que fez construir o monumental conjunto arquitectónico conhecido pelo nome de Angkor Wat, o que significa “Convento da cidade”, em que Wat é o convento e Angkor a cidade. Comparando então com a nossa História, imagine-se a antiguidade da civilização khmer quando este já era o sétimo Imperador com aquele nome, fora os que o antecederam com outros nomes.

200.JPG

 

O frade capuchinho português António da Madalena – nascido em local e datas desconhecidos e morrendo em naufrágio ao largo da costa do Natal, actual África do Sul, em 1589 – foi o primeiro ocidental a visitar Angkor onde chegou em 1586. Pouco antes de morrer, relatou a Diogo do Couto a sua viagem e descoberta da cidade em cuja reconstrução tentou ajudar mas o projecto não teve êxito fazendo-o desistir e regressar a Portugal.

 

Eis o «peso» da nossa História que transportei durante a visita. Para aliviar o fardo, montei a cavalo e deambulei por ali... Exactamente como poderá ter feito Frei António da Madalena se não levou à risca a humildade monacal. A mim, não me cabem tais coibições para ganhar o Céu.

Angkor Wat a cavalo 1.JPG

Mais um local onde Portugal marcou presença.

 

Henrique em Angkor Wat.JPG

E sabem que mais? Tudo me fez lembrar as monumentais construções astecas. Ter-se-ão eles conhecido uns aos outros?

 

O meu amigo Keith Xavier de Herédia, português de origem goesa, residente em Bombaim, sabendo da minha viagem, mandou-me um documento precioso que aqui deixo para quem queira saber mais sobre as relações bilaterais Portugal-Camboja:

http://ki-media.blogspot.in/2008/12/history-of-cambodian-portuguese.html

 

Jayavarman, o barco.JPG

Entretanto, depois de várias visitas, eis-nos a caminho do «Jayavarman», o barco, para navegarmos ao longo do lago Tonlé Sap (para saber mais ver por exemplo em http://en.wikipedia.org/wiki/Tonl%C3%A9_Sap) que se liga por canal natural ao Mékong e que tem a característica sui generis de correr nos dois sentidos conforme a época do ano: na seca corre de norte para sul; na monção, com as cheias do grande rio, corre de sul para norte.

 

Como se vê, as originalidades cambojanas não são, portanto, apenas ao pequeno-almoço.

 

Mas há mais...

 

(continua)

 

Lisboa, 19 de Dezembro de 2014

 

Henrique a navegar no lago Tonlé.JPG

Henrique Salles da Fonseca

(no deck superior do «Jayavarman, ao vento no lago Tonlé Sap)

6 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D