Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

ILHA DA MADEIRA, MOÇAMBIQUE E OS ALPES

 

D. Teodosio Clemente de Gouveia.jpg

 (13 de Maio de 1889, Santana, Madeira - 6 de Fevereiro de 1962, Lourenço Marques, Moçambique)

 

1.- O primeiro Cardeal na África Austral

 

Em 13 de Maio de 1889 nasce na Ilha da Madeira um menino a quem os pais, agricultores, puseram o nome de Teodósio. Teodósio Clemente de Gouveia. Bom aluno, inteligente, entrou no Seminário do Funchal e foi terminar os estudos em França e conclui-los em Roma, na Universidade Gregoriana, como aluno do Colégio Português de Roma. Doutorado em Teologia e Direito Canónico em 1921, fez a seguir o Curso da Escola de Ciências Sociais em Bergamo e outro doutoramento em Ciências Económico-Sociais em Lovaina. Em 1929 era Vice-Reitor do Colégio Português e em 1934 já acumulava com a função de Reitor, e ainda Reitor da Igreja Nacional de Santo António dos Portugueses. Um curriculum notável.

 

Dois anos depois o Papa Pio XII nomeia-o Bispo de Leuce e Prelado em Moçambique. A seguir Arcebispo de Lourenço Marques e em 1946, o mesmo Papa, que muito o considerava e estimava, convocou um Consistório durante o qual lhe impôs o barrete cardinalício.

 

O primeiro Cardeal de toda a África Austral.

 

Era preciso mandar o Arcebispo a Roma para o Consistório e pelas vias normais não chegaria a tempo. O Governador de Moçambique – General José Tristão Bettencourt – negocia com o Cônsul Geral Britânico o transporte do Arcebispo num avião da British Overseas Airways, um hidro “Cleópatra”, com o comando do capitão G.P.Wood.

 

Sai de Lourenço Marques em 16 de Janeiro.

 

O avião devia ser algo parecido com “isto”:

FGA-hidrovião.jpg

O Short Scion Senior FB – Autonomia: 675 km.

 

À tarde chega à Beira, faz escala e depois no Lumbo, ao lado da Ilha de Moçambique onde pernoita. Na manhã seguinte faz escalas em Lindi e Dar-es-Salem na Tanzânia e Mombassa, Kisumu e Port-Bell (Kampala) no Quénia, Lago Vitória. Dia seguinte, etapas em Laropi (Uganda) e Malakal para chegar a Khartoum, onde fica retido seis dias por causa da vacina contra a febre-amarela. Dia 25 segue num avião “ de rodas”, um bombardeiro adaptado a transporte, com escalas em Wadi-Halfa – ainda (hoje, Sudão) “aterrando” no Nilo, Luxor e finalmente chega ao Cairo.

 

A 27 sai do Cairo, do aeroporto de Almazah, num outro bombardeiro adaptado para passageiros, escala em El-Adem (Líbia), Malta e aterra dia 28 em Nápoles!

 

A 29, novo bombardeiro leva-o até ao aeroporto de Ciampino. Finalmente em Roma!

 

Treze dias de viagem... de avião! Aos saltos como um canguru!

 

Dia 18 de Fevereiro, Dom Teodósio e mais outros trinta e um receberam a púrpura. Dom Teodósio deve tê-la recebido suado da canseira que foi aquele voo!

 

2 – Os Carrinhos do Monte

 

Uma das muitas e simpáticas atracções da Ilha da Madeira são os famosos “Carrinhos do Monte” também conhecidos por “Carros de Cesto”, uma espécie de trenó terrestre onde os turistas têm a oportunidade de descer 2 km, cheios de emoções, do Monte ao Livramento, Funchal.

 

FGA-carrinho do monte, Madeira.jpg

Carrinho do Monte – Foto de cerca de 1900

 

O Caminho do Monte foi mandado construir, em 1802. Por ele passaram a transitar os típicos CARROS DO MONTE, também conhecidos por CARRINHOS ou CARROS de CESTO ou de VERGA – dos CARREIROS do MONTE – Associação Regional de transporte de turistas nacionais e estrangeiros, que, em 1849, sucedeu às antigas corças ou trenós terrestres, que faziam o mesmo serviço. Tendo como função inicial o transporte dos senhores poderosos que possuíam residências no Monte no seu percurso para o Funchal, actualmente constitui uma marca do Turismo da Madeira, sendo muito solicitados por todos quantos visitam a Madeira e o Monte, nacionais ou estrangeiros.

D. Frei Bartolomeu dos Mártires.png

 https://www.youtube.com/watch?v=8N80izddq68

 

A ideia foi óptima, mas... ouçamos agora Frei Luis de Sousa, no livro maravilhosamente bem escrito em 1619, sobre “A Vida de D. Frei Bartolomeu dos Mártires”, descrevendo a ida deste Prelado, Arcebispo de Braga, a caminho de Trento para o Concílio, no ano de 1561.

 

“Saiu de Braga em 24 de Março e chegou a Trento 56 dias depois. Percorreu todo o caminho muita vez a pé ou em cima de uma mula. Atravessou os Alpes, passou em Breanson – hoje Briançon – a mais de 3.000 metros de altitude; não parou de nevar como se fora Janeiro. Passou por Mongeneura (onde será?) uma aldeã que faz coroa aos mais altos picos dos Alpes; e daqui começa a descer para Piemonte, que foi aos romanos parte dos povos taurinos (uma das tribos celtas da vertente Sul dos Alpes). E quadra-lhe bem o nome de Piemonte pola baixeza em que fica, compa­rada com os montes. A descida que há é tão íngreme que parece talhada a pique e, pera espantar mais, ordinariamente coberta de neve; e é tão profunda que corre uma légua (quase 10 quilómetros!) e meia* de ladeira contínua até um lugar que chamam Santa Susana. O meio que achou o engenho humano pera vadear este passo foi inventar a maneira de andores ou carretes sem rodas, que vão descendo ou caindo polas serras abaixo, arras­tados cada um por dous homens, que não sabeis se os chameis pilotos, se cocheiros, se cavalos, porque tudo é neces­sário que sejam nesta perigosa distância, e tudo são; e andam tão destros, facilitando o uso à marinhagem, que se vence todo perigo.

 

Por aqui se vê que três séculos antes dos madeirenses terem “inventado” os Carrinhos do Monte” já nas faldas dos Alpes os italianos usavam este tipo de transporte.

 

Qual madeirense terá ido aos Alpes ver isto?

 

Assunto que os historiadores da Madeira deverão pesquisar.

 

  • O Arcebispo andou 332 léguas, e como a légua desse tempo media 6.197 metros, perfaz mais de 2.000 quilómetros!

 

13/06/2016

 

FGA-2OUT15.jpg

Francisco Gomes de Amorim

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D