Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

HORROR: NAQUELES TEMPOS E NESTES

 

Uma Revista Expresso, de 1 de Maio de 2015, plena de informação e crítica, a começar na “Pluma Caprichosa” de tanto saber e sabor, sobre os casos dramáticos da África e do ocidente asiático, entregues aos bichos, que é como quem diz aos peixes mediterrânicos, depois dos traficantes “negreiros” lhes terem marcado a rota e bebido o sangue do moderno auxílio humanitário contra a demais barbárie perpetrada entre os seus povos, com a conivência do mundo ocidental que, depois da liberdade que magnanimamente lhes concedeu – no caso africano - em vez de os amparar, semeando entre eles os instrumentos e a educação para o progresso, os abandona à selvajaria dos seus novos ditadores – não mais exploradores, como foram os primitivos colonizadores – aos quais fornecem as armas – e, nos casos de mais esplendor e cultura, a modernidade e o luxo asiático de cortar a respiração. E sempre em benefício próprio, a troco do “ouro negro” necessário à manutenção do seu poderio no mundo. Um cinismo efectivo nas relações do Ocidente ou do Norte, com esses povos - as ajudas humanitárias por um lado, o fornecimento de armas cauteloso, por outro – e, como resultado, as hordas de desgraçados em busca de sossego, milhares deles encontrando-o nos pélagos profundos do “mare nostrum”, para horror universal.

 

Outro texto de uma “literatura” sombria, porque eivada de preconceito antigovernamental, é o do comendador Marques Correia, uma cena de auto “vicentino”, com o Anjo Santana tentando proteger os dois governantes Passos e Portas, caídos de borco em devassidão etílica, humor destrutivo, de mensagem não superior à dos homens e mulheres que na “Opinião Pública” da Sic Notícias exprimem os seus saberes e as suas iras, industriados pelo verbo altissonante dos seus chefes do discurso unilateral.

 

“Atrás das Grades” fez-me ler o texto sobre Carlos Cruz, as informações sobre a forma como ele passa os dias, sobretudo escrevendo e longe da filha, no impasse de ganhar a liberdade se reconhecer a culpa, sujeito a tratamento hospitalar, ou continuar preso. Como a não reconhece, ali se mantém, na sua prisão, quem sabe se em auto expiação cujo mérito aceita. A extraordinária vida de um homem inteligente, sardónico, talvez devasso, que nos habituámos a admirar, antes do “escândalo” que ensombrou este país, e a que seguiriam tantos mais de calibre vário!

 

E novamente os “Migrantes”, em reportagem de Cristina Pombo e Luís Barra, plenos de informações e de revolta piedosa.

 

E “Os últimos dias de Hitler”, de vastos dados sobre as monstruosidades vividas na altura.

 

Retomo, a propósito, Vasco Pulido Valente, no Público, resumindo o tema (em efeméride de suicídio que não possibilitou a punição vingativa dos homens), no artigo “A morte de Hitler”, com a dimensão esclarecedora de sempre:

 

Queda de Berlim 1945.jpg

 

A morte de Hitler

3 de Maio de 2015

 

Hitler não morreu em Maio; morreu no dia 30 de Abril, antes da rendição. Não o mataram, ele próprio se matou com um tiro na cabeça e, para segurança, com uma cápsula de cianeto.

O último ano da guerra, quando o Reich já não tinha salvação, foi o ano da guerra em que mais pessoas morreram e foram expulsas mais pessoas dos sítios onde tinham nascido e vivido durante séculos. À volta de 5000 maiorais do nazismo também se mataram para escapar às mãos do exército aliado, que sabiam determinado a fazer alguma justiça. Os “notáveis” conseguiram escapar e uma dúzia acabou em Nuremberga, onde a julgaram e acabaram por enforcar. Entretanto, e para bem da humanidade inteira, desabava um mundo, que felizmente jamais será possível reconstituir.

Em 1943, em Kursk, os russos liquidaram a força e a organização da maioria dos corpos blindados de Hitler e começou a ofensiva aérea da América e da Inglaterra que iria destruir a aviação alemã (e não simplesmente, como hoje às vezes se alega, bombardear civis). No meio desta radical revolta, Hitler resolveu passar à ofensiva contra a opinião maciça do Estado-Maior. Não queria esperar passivamente a sua derrota e não lhe interessava poupar a Alemanha a mais sofrimentos. Já sem a mais ténue ligação com a realidade, desguarneceu a frente oriental para atacar Eisenhower e Montgomery no preciso ponto em que ganhara em 1940. Mas perdeu, e perdendo, desperdiçou também o resto do seu melhor armamento e o resto dos militares ainda capazes de lutar.

Daí em diante, a guerra passou a ser uma carnificina, em que a Hitler assassinou sistematicamente qualquer homem ou criança a que arranjou maneira de deitar a mão. Cercado em Berlim, no “bunker” da Chancelaria, não deixou por isso de dirigir exércitos que só existiam na sua imaginação e executar as personagens por quem ele se achava traído. Milhares morreram assim, dentro e fora dos campos de concentração, enquanto o Exército Vermelho entregava a Prússia Oriental e uma parte da Silésia aos polacos e a Checoslováquia expulsava os “sudetas” para a Alemanha: 11 milhões de alemães apareceram subitamente nas zonas de ocupação inglesa e americana. Deste apocalipse Hitler concluiu, num testamento sentimental e mentiroso, que a culpa era da conjuração judeu-bolchevique, que nunca existira, excepto como pretexto para ele matar 55 milhões de pessoas. A presunção de progresso e o primado da vida humana acabaram assim e, mesmo hoje, tremem a cada assalto.

 

Berta Brás.jpg Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D