Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

HOJE A GRÉCIA, AMANHÃ A ESPANHA E DEPOIS A ITÁLIA?

O Syriza interpreta a crise como uma luta de libertação nacional contra o jugo estrangeiro.

 

Sobre o Syriza escreveu Paolo Flores d'Arcais, filósofo e radical italiano: "Hoje na Grécia, amanhã na Espanha, depois de amanhã na Itália." Alexis Tsipras, líder do Syriza, prometeu refundar a Europa. "O 25 de Janeiro é o começo, a vitória do Syriza será seguida pela do Podemos em Espanha e, no próximo ano, pela do Sinn Féin na Irlanda." Pablo Iglesias, líder do Podemos, proclamou: "2015 será o ano da mudança na Espanha e na Europa. Vamos começar pela Grécia." Anuncia-se o fim da "era da austeridade" e um novo efeito dominó, inverso daquele que a Grécia abriu na zona euro em 2010. Os mais ousados sonham com uma nova "Primavera dos Povos", como a de 1848. Três factos perturbam a festa. Primeiro, o Syriza escolheu para aliado um partido da direita radical — Gregos Independentes (Anel). Foi um balde de água fria para Roma e Paris. É uma "aliança contra natura", protestou Daniel Cohn-Bendit. Não é um ponto acessório e a ele voltaremos.

 

A 19 de Abril, há eleições legislativas na Finlândia. Os Verdadeiros Finlandeses, partido populista eurocéptico, contam com Atenas para mobilizar o eleitorado contra Bruxelas e contra o Sul. Seria a primeira de uma série de vitórias eleitorais "anti-Grécia". O perdão parcial da dívida grega provocaria uma ressaca no Norte da Europa que fortaleceria a extrema-direita e os partidos nacionalistas, anotou o analista britânico Gideon Rachman. Por fim, o Sul não é homogéneo. Em Portugal, mantém-se a lógica bipartidária. Na França, quem capitaliza eleitoralmente a luta antieuro e antiausteridade é a Frente Nacional, de Marine Le Pen — que as sondagens colocaram esta semana na casa dos 30%. Marine apoia o Syriza. Ou melhor: utiliza o Syriza para reabrir o "julgamento" da União Europeia. Também na Itália não é a esquerda radical que capitaliza a vitória do Syriza: são os adeptos de Beppe Grillo e a Liga Norte, convertida hoje a Le Pen. Tsipras e Iglesias esqueceram-se de juntar Marine à sua lista de desejos.

 

Os novos radicais
 
acropolis.jpg

Não fica pedra sobre pedra

 

O Syriza e o Podemos são um fenómeno político novo, uma esquerda radical que não deve ser confundida com as antigas extremas-esquerdas de que provêm. É Iglesias quem melhor o teoriza. O velho esquerdismo visava manter a pureza doutrinal e os seus mitos ideológicos, permanecendo uma força marginal. Iglesias explica que ao Podemos não interessa ter 10% ou 15% dos votos — aspiração do Bloco de Esquerda ou das extremas-esquerdas europeias. Quer seduzir o eleitorado do centro e mesmo da direita. Quer o poder. Não fala em luta de classes — relíquia do século XX —, mas no confronto entre os de "cima" e os de "baixo", entre a "gente" e a "casta". A sua aprendizagem na Venezuela ou na Bolívia não visa assimilar a Europa do Sul à situação da América Latina. O seu objectivo é encontrar novos mecanismos da acção política. A antiga esquerda radical sonhava "mudar o mundo sem tomar o poder". Podemos quer o poder. Por isso estudaram as experiências de "conquista da hegemonia" pelos populismos bolivarianos. "Ganhar eleições não é ganhar o poder", escreve Iglesias. Por enquanto, a meta são as eleições.

 

O resto, e o depois, é deliberadamente vago. O seu "primeiro mandamento" é deixar de falar para a esquerda e falar para a "gente". O segundo é estar em sintonia com o "estado de espírito" (não com as ideologias) dos espanhóis. O Podemos quer dizer "aquilo que as pessoas pensam". Os grandes partidos só agora começam a perceber um fenómeno que menosprezaram (Ponto de Vista de 30/11/14). O Podemos reconhece que o terreno lhe foi aberto não só pela crise económica — que popularizou a hostilidade a Bruxelas e Berlim —, mas sobretudo pela degradação do sistema bipartidário, que se propõe destruir. Tal como o Syriza, rompeu com a anterior estratégia de aliança com a esquerda social-democrata — o objectivo é "pasokizar" o PSOE. O Syriza começou por ser uma coligação de várias forças da extrema-esquerda clássica que, agora, se vê forçada a funcionar como partido. Tem um estilo mais clássico que o Podemos.

 

Mas começou recentemente a usar uma retórica mais próxima de Iglesias, falando para "toda a sociedade", para "a nação", ultrapassando a dicotomia esquerda-direita. O seu sucesso não decorre apenas do "desespero social", mas do descrédito do sistema bipartidário e da ruína das "dinastias gregas". Depois, soube condensar o descontentamento social num sentimento de "humilhação nacional". Faz uma leitura da crise com raízes na História. "A esquerda radical interpretou a crise dos últimos anos como uma luta de libertação nacional contra o jugo estrangeiro", anota o economista Manos Matsaganis. "Prometeu um regresso fácil e indolor aos bons velhos tempos de antes do resgate. (...) O partido é alérgico às reformas, combatendo asperamente as mais inócuas." A mola unificadora é o nacionalismo. Não é surpresa que se tenha aliado ao Anel, "uma direita reaccionária e xenófoba" com laivos de anti-semitismo. "A Europa é governada por alemães neonazis" — é a tese de Panos Kammenos, líder do Anel. Tudo os separa ideologicamente menos a questão principal: a austeridade e a Europa. Não será a primeira vez, nem a última, que os extremos se aliam. Não é de excluir, na actual conjuntura, inesperadas recomposições políticas que não passam pela clivagem esquerda-direita. Lembremos o referendo francês sobre a Constituição europeia, em 2005. Esquerdistas partidários de "outra Europa", soberanistas e eurocépticos, de esquerda e de direita, e a extrema-direita de Le Pen uniram-se para derrotar o tratado.

 

"Credores e devedores"

 

O Governo grego está numa posição de fraqueza negocial no plano económico: a chantagem sobre o fim do euro deixou de funcionar.

 

Mas tem uma posição política forte. Joga numa vaga de simpatia, na contestação da austeridade noutros países do Sul e no aumento da pressão sobre Berlim. Estabeleceu uma base negocial maximalista para dramatizar a negociação, tentando forçar uma mediação por parte de países como a Itália ou a França. Diagnostica o alemão Joschka Fischer: "Dado o impacto do resultado das eleições gregas na Espanha, na Itália e na França, onde os sentimentos antiausteridade são igualmente altos, subirá significativamente a pressão sobre o Eurogrupo — tanto à direita como à esquerda. (...) A eleição grega já produziu uma inequívoca derrota de Merkel e da estratégia baseada na austeridade para defender o euro." "O elo fraco da teoria europeia é político", escreveu há semanas Gideon Rachman. "É, especificamente, o risco de os eleitores se poderem revoltar contra a austeridade e darem os seus votos a partidos 'anti-sistema' que rejeitam o consenso europeu para manter a moeda única." É nisto que Atenas aposta, ignorando o efeito boomerang que vai criar. Que significa politicamente? Crescerão as reacções "soberanistas antieuropeias" a norte e a sul? Que margem de manobra terá Merkel na Alemanha para retomar a iniciativa? Como vão Paris e Berlim responder à divisão norte-sul que se alarga e mudará a UE?

 

A Europa está a radicalizar-se entre dois blocos: credores e devedores.

 

01/02/2015

 

Jorge Almeida Fernandes.jpg

Jorge Almeida Fernandes

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D