Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

HISTÓRIAS POUCO CONTADAS

Igreja de São José  (ou do Hospital do Espírito Santo ) Tavira 

Hospital do Espírito Santo - reconstrução do séc. XVII após destruição por terramoto

 

Era ainda Faro uma vilória quando os frades da Ordem da Santíssima Trindade e da Redenção dos Cativos decidiram mudar-se para Tavira, essa sim, cidade importante onde assentava a cruzada lusitana e donde partiam as caravelas à conquista do Norte de África. Era em Tavira que os frades poderiam servir no seu quarto voto, o de se privarem da liberdade para resgate dos combatentes cativos dos mouros.

 

Sim, para além da obediência, da castidade e da pobreza, os trinitários tinham mais esse voto de se entregarem como reféns para libertação de combatentes cativos. E para serem oportunos, tinham que estar no local onde as notícias chegavam sobre o desenrolar da cruzada portuguesa, Tavira.

 

Quantos frades se sacrificaram por combatentes reféns de mouros? Não nos chegou esse número e resta a dúvida sobre se tal voto mereceu a pena. Duvido, contudo, que os mouros quisessem frades em vez do dinheiro que pediam pela libertação dos prisioneiros.

Mas se nem todas as caravelas de retorno traziam notícias sobre cativos a libertar, com muito maior frequência traziam feridos e doentes que urgia tratar.

 

Não se sabe ao certo quando essa mudança de Faro para Tavira ocorreu mas sabe-se que em 1430 já existia o Hospital do Espírito Santo, esse que ainda hoje existe e que até meados/finais do séc. XX era dos hospitais mais importantes do Algarve. Hoje queda-se por uma missão muito nobre, a de ministrar pouco mais do que cuidados paliativos. E o que fazia ele quando nasceu?

 

Mas, esperando pelo futuro, subsiste de pé!

 

Agosto de 2014

 

 Henrique Salles da Fonseca

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D