Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

GRITOS

 

grito-edvard-munch-noticias.jpg

 

Já é antigo o artigo de José Pacheco Pereira – A consagração dos mortos pela hipocrisia dos vivos – do Público de 4/4/15 – com, em epígrafe, a frase do último parágrafo: «Querem comemorar os nossos mortos consagrados? Ajudem os vivos a percebê-los» que imediatamente orienta para a solução pedagógica de um homem culto, naturalmente, mas cuja cultura não nasceu de jacto, e foi sendo burilada ao longo da vida, tem de o reconhecer.

 

Não sei se José Pacheco Pereira tem razão na sua diatribe sobre a pedagogia do ensino, que lança sobre a leitura d´”Os Maias” alunos que nunca leram um livro, falseando, naturalmente, a verdade, com o “nunca “ da generalização drástica da sua asserção, só parcialmente verdadeira, como em todo o sempre. Muitos alunos há hoje que se informam e preocupam, como no tempo de Pacheco Pereira, quer ajudados pela família, quer por interesse e inteligência próprios, que o tempo faz evoluir. Pacheco Pereira, com uma arrogância de exclusividade cultural, despreza in limine o ensino na escola, que tem que ser gradual e obedecendo a parâmetros de aprendizagem progressiva, para se chegar à contemplação estética e científica do quadro, do poema, do trecho musical ou da filmografia arrastada de um génio – Manuel de Oliveira – toscamente endeusado na sua longevidade pela maioria saloia, como é a nossa, mesmo que o não endeusemos.

 

Para além do mais, na sua arrogância ilimitada, Pacheco Pereira não perde a ocasião de achincalhar Passos Coelho ou Paulo Portas, não lhes desculpando a ignorância, patente no discurso convencionalmente louvaminheiro das cerimónias fúnebres de grande envergadura social. Como se fosse exclusivo desses o artifício, e não tivessem outras funções na vida que essas de serem tão bem falantes ou cultos como José Pacheco Pereira, que, tal como a brisa de Fernando Pessoa, “como tem tempo não tem pressa”, deslizando suavemente pelas estantes do seu saber.

 

Eu até gosto a valer do discurso inteligentemente rítmico de Paulo Portas e do discurso aberto e objectivo de Passos Coelho e julgo que não lhes resta muito tempo para se ilustrarem com os poetas e os cineastas da nossa extraordinária propensão para o preciosismo retórico ou de pensamento, que provavelmente o tempo deixará de consagrar. É o caso, parece-me, de Herberto Hélder, como exemplifico com um seu longo, repetitivo e desconexo poema de uma consciência repleta de visões e sentimentos, fazendo-nos ansiar pela visão poderosa do quadro do pintor expressionista norueguês, Edvard Munch, “O Grito”, que nos mantém a ele colados (e aos outros da sequência), ou mesmo por qualquer poesia de Torga, leve e subtil, com que termino, apenas para me refrescar do primeiro, que associo em intenção narcisística e pedante a Manoel de Oliveira:

A consagração dos mortos pela hipocrisia dos vivos

José Pacheco Pereira

 

O festival de hipocrisia que avassala Portugal sempre que morre um consagrado “consensual” revela as nossas enormes fragilidades no espaço público.

Não há tão bom revelador do que é a elite portuguesa do que a maneira como trata os mortos que entende serem “seus”. O festival de hipocrisia que avassala Portugal sempre que morre um consagrado “consensual” revela as nossas enormes fragilidades no espaço público, e uma mistura de reverência oca, de ignorância, de imenso provincianismo e de uma ritualização pobre e subdesenvolvida. E aqui os media e o poder político vivem em simbiose total.

Merecem Eusébio, Herberto Helder, Manoel de Oliveira, José Silva Lopes, as homenagens dos portugueses? Merecem sem dúvida, mesmo do “país” se o houvesse. Só que não merecem estas “homenagens” político-mediáticas que tornam cada uma destas figuras peças de cera de um museu morto, que se empacotam numa prateleira logo que termina a exploração da sua morte e venha o esquecimento.

Deixemos Eusébio que tem características especiais, uma das quais ser, nesta lista, o único conhecido pelo povo e o mais “sentido” pelo povo, em Portugal, mas principalmente em Moçambique. Aceitem esta simples dicotomia povo-elites que uso apenas por comodidade de expressão e para não pesar sobre a economia do texto.

Todos os outros são praticamente desconhecidos pela maioria dos portugueses, e se formosa falar da sua obra, então são tão remotos ao comum do povo como Xenófanes de Cólofon. Só que o povo não se põe a falar destes homens como se os conhecesse de intimidade, tivesse estudado a sua obra e por isso pudesse fazer juízo de valor. Essa presunção não tem.

Herberto Helder é um completo desconhecido, pelo povo e pela maioria das nossas elites, que agora aparecem todas como íntimas de um poeta singular e difícil, que nunca leram e sobre o qual disseram não só as maiores banalidades, como enormidades. Manoel de Oliveira, que chegava ao povo mais por ter 106 anos do que pela sua obra, era “conhecido” por ser autor de filmes intragáveis, que ninguém via até o fim, ou sequer até ao principio, e gozado por filmar horas de filme em que nada acontecia ou por fazer fotografia e não cinema. Fazia parte de um certo anedotário que servia para mostrar desprezo pela cultura e pelos intelectuais, ou então, no extremo oposto, como um génio intocável, que em tudo o que mexia produzia arte intangível na sua grandeza absoluta. Estas duas atitudes são aliás mais próximas do que se imagina, porque criam um ecrã sobre a obra que dificulta um julgamento equilibrado e o exercício crítico.

A ignorância sobre Herberto Helder manifestou-se também por este mesmo desequilíbrio, reduzindo a história da poesia portuguesa do século XX a dois “génios”, Pessoa e Helder. Pelo caminho, já esquecidas, estão idênticas apreciações sobre, por exemplo, Eugénio de Andrade, Sophia e outros.

Por ironia destas coisas, o menos comemorado, em parte porque todas as televisões, rádios e jornais já tinham há muito preparado as peças necrológicas para Manoel de Oliveira, e de Helder não havia muitas imagens, foi José Silva Lopes, o único que as nossas elites políticas conheciam, tal como os espectadores habituais do cabo, porque já não tinha mérito para ocupar os preciosos minutos da televisão generalista. Silva Lopes também teve até agora a singularidade de não ter tido internacionalmente as necrologias habituais, mas um pequeno artigo de opinião no New York Timesonline, nem mais nem menos do que do Nobel da Economia Paul Krugman. Por isso, está tudo trocado, e uma coisa é a repercussão pública oficial, com direito a mensagem televisionada do Presidente no caso de Oliveira, e vários dias de luto nacional, outra é a realidade da relação entre estas personalidades e a consciência colectiva portuguesa, quer a do povo, quer a das elites.

Tudo isto se passa num dos momentos em que a nossa elite política no poder mais afastada está de qualquer preocupação intelectual e, com algumas raras excepções, com elevados níveis de ignorância sobre qualquer matéria desta natureza. Por isso é que se agarram ao discurso pomposo da comemoração necrológica, que lhes dá uma espécie de álibi cultural que, de outra maneira, não poderiam ter. Quanto mais ignorantes, mais comemorativos, podia ser um axioma dos nossos dias.

O problema não está apenas na parte do dinheiro que vai para a “cultura”, questão que nunca considerei ser uma questão de cultura mas de “política de espírito”, ou seja, a propaganda moderna que os Estados e os governos fazem usando a intangibilidade das artes e da literatura para se promoverem ou aos seus chefes. O melhor exemplo é a longa continuidade da política de Malraux, depois de Lang, e no nosso caso de Manuel Maria Carrilho. Entre os seus cultores nacionais estão políticos como Santana Lopes, que aliás mereceu elogios de muita gente que hoje quer certamente esquecer-se de que foi “santanista” na altura útil. Aliás, muita gente que se proclama liberal e de direita é francamente a favor da subsidiação dos “criadores” e das “bolsas de escritores” e outras perversidades.

Mas, pelo contrário, entendo que o melhor que se pode fazer é tratar da cultura como uma questão patrimonial, de educação, e mesmo de “indústria”, e aí há muita coisa a fazer que os nossos homens do poder não fazem, e não querem fazer. Temos muito património a esboroar-se, muito património a vender-se mais ou menos às claras no estrangeiro, muita educação para as artes, quando existe, no mesmo estado degradado do Conservatório, e mesmo uma “indústria cultural” muito para além da Joana Vasconcelos, que se “vende” bem.

Se se quer ajudar as pessoas a compreender o valor de Oliveira ou Herberto Helder, ou melhor ainda, a serem “tocados” pelas suas obras, naquilo em que a criação nos muda, troco dias de mensagens, votos de pesar, funerais nacionais (e agora até a obrigação de colocar os corpos no Panteão...) e luto oficial, por medidas minimalistas que ajudem a que se conheça a poesia portuguesa ou o cinema nacional.

Seja fazer com que nas livrarias e nas bibliotecas das escolas haja os clássicos portugueses em edições límpidas e seguras, baratas e agradáveis (experimentem procurar o Crisfal ou a Menina e Moça), que nas escolas os professores possam fazer clubes de recitação, haja concursos nacionais de recitação (com o “serviço público de televisão” ao lado); se forneça material de vídeo e se ensine a filmar, a montar um filme, a ir para além dos vídeos do YouTube, depois de se saber fazer vídeos para o YouTube; se forneçam os laboratórios das escolas para se poderem fazer experiências de física e química; se ensine a “ler” um quadro ou uma escultura, e, acima de tudo, que se ajude a curiosidade, mais do que as abstractas “metas” das disciplinas escolares.

Estas atiram alunos, que nunca leram um livro, para os Maias do Eça, cujo vocabulário, metáforas, histórias mitológicas ou bíblicas desconhecem de todo, ou a aprender nomenclaturas gramaticais que são decoradas e esquecidas no dia seguinte, ou a atirar estudantes para Descartes e Kant (imaginem!) sem qualquer cultura geral seja do que for.

Querem comemorar os nossos mortos consagrados? Ajudem os vivos a percebê-los e não a colocá-los numa prateleira, receando que o que haja de subversivo na sua criação saia de lá e chegue à rua. O poder precisa de múmias e não de arte ou cultura, e, nestes dias, a indústria de mumificação está em pleno.

 

A Bicicleta pela Lua Dentro – Mãe, Mãe

 

A bicicleta pela lua dentro – mãe, mãe –

 

Ouvi dizer toda a neve.

As árvores crescem nos satélites.

Que hei-de fazer senão sonhar

Ao contrário quando Novembro empunha -

Mãe, mãe - as telhas dos seus frutos?

As nuvens, aviões, mercúrio.

Novembro – mãe – com as suas praças

Descascadas.

 

A neve sobre os frutos – filho, filho.

Janeiro com Outono sonha então.

Canta nesse espanto – meu filho – os satélites

Sonham pela lua dentro na sua bicicleta.

Ouvi dizer Novembro.

 

As praças estão resplendentes.

As grandes letras descascadas: é novo o alfabeto.

Aviões passam no teu nome

– Minha mãe, minha máquina –

Mercúrio (ouvi dizer)

Está cheio de neve.

 

Avança, memória, com a tua bicicleta.

Sonhando, as árvores crescem ao contrário.

Apresento-te Novembro: avião

Limpo como um alfabeto.

E as praças Dão a sua neve descascada.

Mãe, mãe – como Janeiro resplende

Nos satélites. Filho – é a tua memória.

 

E as letras estão em ti, abertas

Pela neve dentro.

Como árvores, aviões

Sonham ao contrário.

As estátuas, de polvos na cabeça,

Florescem com mercúrio.

Mãe – é o teu enxofre do mês de Novembro,

É a neve avançando na sua bicicleta.

O alfabeto, a lua.

 

Começo a lembrar-me: eu peguei na paisagem.

Era pesada, ao colo, cheia de neve.

Ia dizendo o teu nome de Janeiro.

Enxofre — mãe — era o teu nome.

As letras cresciam em torno da terra,

As telhas vergavam ao peso

Do que me lembro.

Começo a lembrar-me:

Era o atum negro do teu nome,

Nos meus braços como neve de Janeiro.

 

Novembro — meu filho — quando se atira a flecha,

E as praças se descascam,

E os satélites avançam,

E na lua floresce o enxofre.

Pegaste na paisagem

(Eu vi): era pesada.

 

O meu nome, o alfabeto, enchia-a de laranjas.

Laranjas de pedra – mãe.

Resplendentes,

Estátuas negras no teu nome,

No meu colo.

Era a neve que nunca mais acabava.

 

Começo a lembrar-me: a bicicleta

Vergava ao peso desse grande atum negro.

A praça descascava-se.

E eis o teu nome resplendente com as letras

Ao contrário, sonhando

Dentro de mim sem nunca mais acabar.

Eu vi.

Os aviões abriam-se quando a lua

Batia pelo ar fora.

Falávamos baixo.

Os teus braços estavam cheios

Do meu nome negro, e nunca mais

Acabava de nevar.

Era Novembro.

 

Janeiro: começo a lembrar-me.

O mercúrio

Crescendo com toda a força em volta

Da terra.

Mãe – se morreste, porque fazes

Tanta força com os pés contra o teu nome,

No meu colo?

Eu ia lembrar-me: os satélites todos

Resplendentes na praça.

Era a neve.

Era o tempo descascado

Sonhando com tanto peso no meu colo.

 

Ó mãe, atum negro —

Ao contrário, ao contrário, com tanta força.

 

Era tudo uma máquina com as letras

Lá dentro.

E eu vinha cantando

Com a minha paisagem negra pela neve.

E isso não acabava nunca mais pelo tempo

Fora.

Começo a lembrar-me.

Esqueci-te as barbatanas, teus olhos

De peixe, tua coluna

Vertebral de peixe, tuas escamas.

E vinha Cantando na neve que nunca mais

Acabava.

 

O teu nome negro com tanta força —

Minha mãe.

Os satélites e as praças.

E Novembro

Avançando em Janeiro com seus frutos

Destelhados ao colo.

 

As estátuas, e eu sonhando, sonhando.

Ao contrário tão morta — minha mãe —

Com tanta força, e nunca —

Mãe — nunca mais acabava pelo tempo fora.

Herberto Helder.png Herberto Helder

in 'Poemas Completos'

 

De Miguel Torga:

Miguel_Torga.jpg Fábula da fábula

 

Era uma vez

Uma fábula famosa,

Alimentícia

E moralizadora,

Que, em verso e prosa,

Toda gente

Inteligente,

Prudente

E sabedora

Repetia

Aos filhos,

Aos netos

E aos bisnetos.

À base duns insectos,

De que não vale a pena fixar o nome,

A fábula garantia

Que quem cantava

Morria De fome.

E realmente...

Simplesmente,

Enquanto a fábula contava,

Um demónio secreto segredava

Ao ouvido secreto

De cada criatura

Que quem não cantava

Morria de fartura.

 

Berta Brás.jpg Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D