Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

GRANDE INÉRCIA

Tanto quanto a minha actual ambliopia me permitiu constatar, hoje refiro-me a um homem branco, português, na casa dos 50 ou, no máximo, na dos 60 anos de idade.

De pé ao balcão duma pastelaria na zona das Janelas Verdes, em Lisboa, o Fulano conversava com outro cliente sobre qualquer assunto que não procurei entender mas que, a certa ocasião, versou a leitura de mensagens nos telemóveis. E o branco disse para o seu interlocutor algo como…

– Não tenho telemóvel, não sei ler

… e ao longo da conversa insistiu várias vezes na afirmação de que não sabia ler.

Apesar da lógica algo distorcida de não ter telemóvel por não saber ler, admiti que o Fulano não conhecesse também a numeração e, portanto, ser completamente vazio da mais elementar instrução.

Mas conferiu (ou fingiu conferir) o troco que lhe deram na transacção que fizera e com isso só serviu para me espantar ainda mais naquilo que hoje me parece um absurdo, o analfabetismo adulto em pessoas aparentemente não deficientes.

Sobre esta questão, lembro-me duma conversa que um professor de liceu teve connosco, os seus alunos em turma de filosofia, sobre a questão do analfabetismo em que ele nos sugeriu que tentássemos abstrair de tudo o que estivesse escrito e nos pudéssemos aproximar do mundo do analfabeto. Dizia ele que era quase o mesmo que abstrair de tudo o que nos rodeia, do ser, pois já não somos capazes de imaginar o mundo sem a comunicação escrita.

E lembrei-me de mais…

… de que a actividade mental, nomeadamente pela prática da leitura, estimula os neurónios e respectivas sinapses, desenvolve o cérebro; a contrario senso, a inactividade mental retrai a capacidade cerebral; povos mentalmente desenvolvidos apresentam QI’s médios mais elevados que povos com elevadas taxas de analfabetismo.

… em 1910, chegámos à República com uma taxa de analfabetismo adulto da ordem dos 90%; em 1974 essa taxa ainda era de 25%; no Recenseamento Geral da População de 2011, ainda era de 5%.

Sempre que viajo por países com letreiros em escrita diferente do alfabeto latino me lembro desta questão mas, na verdade, sempre vai havendo um ou outro letreiro para turistas e lá me vou orientando. Não sou capaz de me imaginar analfabeto, o analfabetismo é um flagelo e, quando o constato, um espanto.

Grande inércia, esta que ainda hoje com tanto analfabeto adulto temos que vencer em Portugal para conseguirmos avançar por este séc. XXI adentro…

 

Junho de 2019

Henrique Salles da Fonseca

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D