Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

GERINDO A IRA DIVINA – 5

 

 

 

FINAL DO TEXTO ANTERIOR:

 

Regressamos aos primórdios da história da humanidade nos constantes esforços de distinção entre o bem e o mal.

E foi necessária tanta conversa para, afinal, voltarmos ao início de tudo? E agora?

Agora vem lá o futuro, esse que nos cumpre construir.

 

*  *  *

 

 

O bem e o mal, o correcto e o incorrecto, a hierarquização de valores, a justificação das opções, eis o sentido ético a inculcar nos jovens, os cidadãos do futuro. Como e quem o deverá fazer?

 

Temos as famílias como as células estaminais da sociedade mas agora, com tantos casos patológicos resultantes de alcoolismo, tóxico-dependência, violência doméstica e tendo também aquelas que, apesar de formal e canonicamente estruturadas, padecem de ambientes inóspitos resultantes de desenquadramento na «selva urbana» e as que têm evidentes insuficiências culturais, cumpre-nos rever muitos dos conceitos em que tradicionalmente pensávamos quando tentávamos sugerir vias de progresso social. E mais recentemente temo-las também com estruturas oficialmente reconhecidas mas menos tradicionais... Que valores transmitirão às novas gerações estas famílias sofredoras de patologias várias ou estruturadas de modos menos ortodoxos?

 

 

Perante a evolução (vilipendiação) da instituição familiar, a Escola não se pode mais eximir à função educativa quando muitos de nós pugnávamos pela educação em família e a instrução em ambiente escolar. Como se a Escola já tivesse pouco que fazer no âmbito da sua missão fundamental, a da instrução, tem agora que se substituir a quem não dá mais garantias de transmissão de valores não fracturantes.

 

O relativismo que actualmente se vive no mundo ocidental abre profundas lacunas na educação para valores como a verdade, a justiça, a solidariedade e a liberdade por antinomia a conceitos hoje tão vulgares como a interpretação de conveniência, a apologia do mais forte, o egocentrismo, a libertinagem.

 

E, contudo, todos queremos crer que o homem actual é tão bom ou tão mau como o de todos os tempos. O que difere abruptamente é o enquadramento tecnológico e alguns prolegómenos que carecem de constatação para que se lhes atalhem desvairados propósitos. Refiro-me ao hedonismo como deturpação do natural desejo de conforto, ao egocentrismo como deturpação da valorização da personalidade, à inveja como deturpação da competitividade.

 

O caminho a seguir deve assentar em todos os instrumentos que se revelem eficazes. Para além da formação e educação a nível escolar, há que aperfeiçoar os códigos de ética empresarial e profissional, o quadro jurídico democrático, discutir todos os eventuais conflitos ético-científicos, sempre reafirmando a primazia do respeito pelo homem em consonância com as actuais exigências de eficácia. E sejamos sobretudo lestos na correcção das indignidades em que tropecemos.  

 

E por que não retomar a obrigatoriedade de serviço cívico que a juventude dos dois sexos prestaria durante um ano sob disciplina militar?

 

Tudo, porque temo os que não temem a ira divina.

 

Janeiro de 2014

 

 Henrique Salles da Fonseca

 

 

BIBLIOGRAFIA:

 

OS VALORES NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA – Maria Rosa Afonso e Maria de Lourdes Magalhães Oliveira, in BROTÉRIA, ed. Dezembro de 2013, pág. 479 e seg.

 

O CREPÚSCULO DO DEVER – A ética indolor dos novos tempos democráticos, Gilles Lipovetsky, ed. D. QUIXOTE, 4ª edição, Maio de 2010

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D