Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

GATO ESCALDADO

 

Gato escaldado.jpg

 

Diz-se que os portugueses são um povo desenrascado, mesmo ardiloso. Eu acho-o inteligente. E não só por tantas figuras gradas que ilustraram a sua língua, mas por muita acção específica com que, no embate das peripécias da sua história, já desde os tempos de  

Mumadona DiasMumadona - ainda nem se falava deles - soube sempre dar a  resposta, nas várias conjunturas, de acordo com o seu entendimento. Até mesmo (e sobretudo!) nas colonizações - que Isabel Moreira, no último programa da Barca do Inferno esta semana, considerou patetamente (patetas nunca faltam também, na história que os portugueses traçaram, e com o domínio da fêmea, que as três protagonistas da Barca quiseram focar em auto homenagem de satisfação, o nome (/substantivo) comum de dois, ou adjectivo uniforme, tornou-se extensivo àquela, dantes mais discreta, apesar da padeira de Aljubarrota e da D. Leonor das Misericórdias) – Isabel Moreira, dizia, definiu, patetamente, - pateticamente, também - a nossa colonização antiga como “linhas” no horizonte, ao contrário das bojudas colonizações praticadas pelos outros povos mais adultos do que nós. Prova do nosso raquitismo mental e moral, que, evidentemente, também não falta, tais observações de trafulhice empenhada, das menininhas e dos menininhos que, porque absorveram algumas leituras dos apóstolos da bondade e do radicalismo unilaterais se acham detentores das verdades absolutas, míopes para as realidades integrais.

 

Mas o povo português é inteligente. A última demonstração disso - para além das muitas que revelam as capacidades de usarem dinheiros alheios em proveito próprio – é esta de, num tal 25 de Abril, a governação ter singrado pela era de uma democracia libertária, que era o que estava a dar na altura, que trouxe para a ribalta nomes como Álvaro Cunhal, Soares, Spínola, Otelo, Vasco Gonçalves, Pinheiro de Azevedo, e outras figuras da nossa história moderna agitada, substituta da “paz podre” da história antiga, e o povo português aceitou esfuziante a cambalhota na orientação dos seus destinos que aparentemente os elevava. Mas as figuras rodaram, no carrossel do tempo, e o que se viu foi que, esperto ou inteligente como é, e cada vez mais experiente, o povo português já não vai tanto atrás dos dizeres dos muitos proponentes aos comandos do rectângulo nacional - acrescido das excrescências de pontos minúsculos oceânicos), para utilizar a linguagem geométrica da doutora Isabel Moreira. É isso que justifica as sondagens decrescentes a respeito do PS. Apesar do mau governo dos actuais em campo - que Vasco Pulido Valente, todavia, despreza, no seu artigo de 21/6, em contradição com o idêntico desprezo pelo aventureirismo das promessas de António Costa:

 

Os portugueses, como o pobre país que são, preferem acima de tudo a segurança”, diz Pulido Valente. Pinheiro de Azevedo, controlador e castiço, ordenava: “O povo é sereno”. “Inteligente é o que ele é, resumo eu em homenagem, respigando, na História, analogias enaltecedoras.

 

O artigo de Vasco Pulido Valente (Público, 21/06/2015):

 

O que Portugal não precisa

 

Parece que houve uma grande surpresa com a sondagem da Universidade Católica sobre o voto nas próximas legislativas. Sem razão.

Os portugueses, como o pobre país que são, preferem acima de tudo a segurança. Os partidos do governo vieram à frente não porque tivessem governado bem (governaram mal) ou porque tivessem resolvido os problemas do défice e da dívida (não resolveram) ou porque tivessem atenuado a miséria que a crise provocou (não atenuaram). O que eles fizeram ao fim de quatro anos foi dar ao homem da rua um certo sentimento de rotina e de paz. Como dizia Saint-Simon, durante a desastrosa guerra da sucessão espanhola, acabou por ser simplesmente dar a um povo exausto de miséria e de convulsões uma pequena esperança de paz.

Com erros pelo meio, o governo conseguiu instalar os portugueses numa resignação triste, em si mesma absolutamente inaceitável, mas que, pelo menos, não punha dia a dia o mundo de pantanas. Claro que o melodrama do Syriza ajudou bastante a este regresso à ordem do antigo regime. A irrupção na cena europeia de uma dezena de putativos revolucionários, que se manifestavam tirando a gravata e pedindo aos gritos coisas que toda a gente lhes recusava e a que de qualquer maneira não podiam apresentar o mais vago direito, dividiu Portugal em milhares de causas (muitas manifestamente justas), sem criar um movimento colectivo com objectivos claros, mas pelo contrário levando a suspeita lógica e sensata de que a realidade estabelecia ao desejo limites firmes.

Depois da catástrofe por que passou, o país não quer ser sujeito a uma nova experiência de engenharia financeira ou social, que nada lhe garante que possa emendar (se correr mal) ou parar a tempo (se não lhe convier). A oposição jura pelos planos que nos pretende aplicar. Só que esses planos são vastos demais, pormenorizados demais, dependentes demais de factores que a oposição não controla: e Portugal, embora frustrado e pobre, não precisa de aventuras. O PS talvez consiga ainda alguma gravidade burguesa e juntar à volta de Costa um grupo de indivíduos com um verdadeiro currículo de eficácia e prudência. Como hoje se exibe, nem lhe falta tirar a gravata ou armar um espalhafato por essas televisões. Já se percebeu do que a casa gasta.

 

Berta Brás.jpg Berta Brás

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D