Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

FOMOS NÓS

 

sartre-jeune.jpg É Jean-Paul Sartre que, em “Les Mots” conta a sua relação com o seu avô Charles Schweitzer, casado com a avó Louise, com os quais viveram, ele e a sua mãe Anne-Marie, após a morte de seu pai, Jean-Baptiste Sartre, Jean-Paul com apenas dois anos de idade. Desde cedo criança precoce, tornou-se o ídolo do avô, nos seus jeitos de exibicionismo narcisista, para atrair as atenções gerais e do seu avô em particular, derretido com os prodígios de raciocínio da criança que ele ajudava a esculpir. Escrito em tom jocoso, desmistificador, o olhar do narrador não pretende deixar-se comover por sentimentos de simpatia pelo órfão desvalido que, afinal, ele não foi, ou sequer pela família burguesa que o protegia e que ele escalpeliza com a ironia de quem, acima de tudo, pretende desmascarar-se a si próprio, nos seus artifícios malabaristas que o levam ao mundo dos livros da biblioteca do avô, como meio de exibir perante os mais as suas graças de geniozinho.

 

Foi um programa passado na TV24, em 25 de Abril, que me fez lembrar-me da autobiografia de Sartre, não pela semelhança de situações mas pela semelhança de malabarismos exibicionistas, neste caso de adultos lembrando aos jovens alunos assistentes, que eles próprios foram jovens, protagonistas de algo que se fizera quatro décadas antes, que despertara o país para horizontes mais amplos de ideologias mais abertas e modernas, ao que parece, respeitadoras dos direitos humanos.

 

Cavaleiros-apocalipse.jpg

 

Freitas do Amaral, Jerónimo de Sousa, Marcelo Rebelo de Sousa, Ângelo Correia, Jorge Miranda, Basílio Horta – contaram a história em que foram participantes, revelando que, graças a eles e a outros jovens da altura, o país dera meia volta. E contaram do quartel do Carmo e da Constituição, e do que fora mudado, do que significava o regime anterior, do que significava a democracia actual, que os estudantes estavam fartos de conhecer, não conheciam outra.

 

Mas contaram das mazelas também. Sobretudo Jerónimo de Sousa, que tinha que pôr o dedo na ferida das muitas desgraças que por aí vão, ressabiado por não ser ele a promovê-las. O regime tinha que ser botado abaixo, isso era mais que sabido, e fora, mas não contaram do país que também fora deitado abaixo, porque dizê-lo seria falar em traição e essa parte ninguém quis assumir porque era feio reconhecê-lo, e um mau exemplo, para todos os efeitos. Se bem que talvez nem se apercebessem disso, esses conceitos de traição sendo muito relativizados hoje, o patriotismo mais do conhecimento geral em termos futebolísticos. Falaram da Constituição e doutras questões de glória, mas também esconderam os empréstimos e outras mazelas, malabaristas orgulhosos, sofismando e sonegando dados, mas não há tempo para contar tudo, que aliás está morto.

 

São heróis. Eles são os nossos heróis. Cavaleiros felizes desdobrando-se em recontos dos seus heroísmos, na cavalgada do tempo.

 

Berta Brás.jpg Berta Brás

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D