Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

ESTAREMOS A CAMINHAR PARA O ABISMO?

 

Bill Gates Foundation.jpg

 

À nossa volta vemos factos e intuimos tendências que nos levam a concluir que ‘as coisas’ vão de mal a pior e que nunca ‘o mundo’ esteve assim. Por exemplo:

- Os mortos e os estropiados provocados pelos homens-bomba, suicidas, em cidades ultra-seguras – como Londres, Paris, Bruxelas, Madrid, Mumbai, Jerusalém, Jacarta, Nova York, etc –, lançam pânico na população, semeando insegurança;

- Há trabalho infantil, a modo de escravatura; há crianças a chafurdar no lixo, para tirar daí o seu sustento. Muitas, ainda, são obrigadas a pegar em armas, numa violência que arrepia. Tudo isto em pleno século XXI!

- Um grupinho de multimilionários, vai enriquecendo mais e mais, destacando-se do grosso da população. Em Janeiro de 2015, a Oxfam previa que 1% apenas dos mais ricos possuirão mais de metade da riqueza do mundo, em 2016; 

- O Ocidente ‘rico’ já não cria trabalho para os seus cidadãos; muitos vivem de subsídios. Os produtos que antes fabricava e exportava hoje são importados e vendidos por uma fração do preço antigo;

- O consumo de drogas vai em aumento, bem como o seu tráfico. E as cidades ainda que limpas e convidativas estão desertas a partir de certas horas, e metem medo os assaltos.

 

Que aconteceu? Fomos presenciando um longo desfile de egoísmos, com total desprezo do outro, enquanto a força das armas o permitia:

- Veio a colonização, com o extermínio de muitos e subjugação com extorsão de outros;

- Veio a escravatura, à caça de mão-de-obra sem custos, aprovando leis iníquas, nos países ditos civilizados, sem respeito pelos direitos. Os escravos eram ‘objecto’ de compra-venda, sem voz!

- Veio a discriminação, o apartheid;

- E na sequência das atrocidades, veio o extermínio comunista, e o nazi. E outras formas de liquidação sumária de milhões que incomodam, entre elas o aborto.

Uma solução simples foi a chave: há algo que incomoda ou com que se pode enriquecer? Aprova-se uma lei com as pretensões dos poderosos, vá ela contra quem for, pise ou mate quem matar. E legítima-se a escravatura, apenas com base na cor da pele: compram-se, vendem-se e eliminam-se escravos…

 

No meio desta violência há gente sensível, que pensa, sofre e procura fazer algo construtivo, para sanar estas aberrações:

- Surgem âmbitos de colaboração, com que se cria muito mais riqueza; juntam-se países que antes se digladiavam. Há quem pede perdão para ‘purificar a memória’ (S. João Paulo II).

- Reduzir a ignorância, origem dos grandes males, com ensino para todos; e a satisfação das necessidades alimentares e acesso à saúde; e políticas para criar trabalho –manual ou intelectual, para cada um ganhar a vida e sustentar a família. Infelizmente ineficazes e são hoje como uma miragem… 

Nem toda a violência desapareceu. Há tumultos e atrocidades, com forte impacte, mas circunscritos, embora repetidos, de grupos marginais. Talvez os meios de comunicação, com imagens de alta resolução, lhes dêem uma viveza e proximidade que chocam pela brutalidade.

E em consequência, hoje:

- As pessoas que passavam fome – com menos de $1,25/dia – de 1990 a 2010, passaram de 43% para 21% da população mundial. Isto é notável: navegando nesta onda, seria tempo de que os responsáveis decidissem acabar com a pobreza no seu país até 2030. A India[1], onde vive o maior número de pobres, está apostada em acabá-la até ao ano 2032!

- A esperança de vida hoje – com o progresso das ciências, a prevenção e a atenção médica –, nada tem a ver com o passado (na India era de 32,5 anos em 1950, com o colonizador e é hoje de 68,1 anos).

- A grande percentagem de crianças de todo o mundo, em idade escolar, está a aprender; é alvo da atenção médica; alimenta-se muito melhor, pois a terra dá em abundância quando tratada com inteligência para a fazer produzir bem.

- O número de mortes em guerras e terrorismo, apesar de chocante, pela barbárie é, no conjunto, insignificante comparado ao de outros tempos.

 

Há consenso sobre o facto de que a qualidade de vida, o trabalho, a actividade intelectual e cultural, para o conjunto da população, é, de longe muito superior a qualquer época do passado. Lembrava o Presidente Obama, no discurso na Alemanha, em Abril passado que, ‘apesar de todas as dificuldades, o mundo atravessa um dos seus melhores momentos históricos’.

 

Eugénio Viassa Monteiro

Eugénio Viassa Monteiro

Professor da AESE e Dirigente da AAPI

 

[1] Modi disse na sua tomade de posse como Primeiro Ministro da India: ‘a primeira responsabilidade do meu governo é para com os indianos mais pobres’.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D