Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

ESPÍRITO EMPREENDEDOR, START-UPS E RIQUEZA

Empreendedorismo.png

 Pode-se estimular a sensibilidade para empreender. Com qualidades adequadas, não parece difícil aprender, actuar e melhorar. Tem havido, entre nós, iniciativas de variadas origens e natureza, com bons resultados, ainda que pouco chamativas. Importa continuar a dar notoriedade às ideias e pessoas que se sacrificam para criar riqueza e trabalho, depois de superarem muitas dificuldades.

 

Cada vez que aterro na India, fico entusiasmado e com vontade de transmitir o culto que lá se presta ao emprendedor. Um relatório intitulado 'Start-up India’ assegura que:

- No ano 2014/15, as start-up terão recolhido fundos da ordem de $5.000 milhões, para iniciativas tecnológicas, de alimentação, de e-commerce, de taxis, de logística local, da área financeira, de cuidados de saúde, etc.

- Só o SoftBank-India, aplicou $1.000 milhões em menos de um ano, nas start ups locais. É impressionante, também porque o banco é japonês!

- A India é uma das cinco comunidades mundiais de start-ups mais amplas, com mais de 4,200, das quais 1,200 tecnológicas.

- No último ano houve um aumento de mais de 100% de investidores activos e mais de 125% de capital aplicado.

- É a nação de promotores de start-ups mais jovens, com 72% com menos de 35 anos.

- O número de incubadoras e aceleradores aumentou em 40% no ano 2014.

- As start-up recentes criaram 80.000 postos de trabalho; parece um valor irrisório ao comparar com os 60.000 licenciados que a TCS vai recrutar este ano; no entanto, é o começo e há esperanças de que as novas start-up criem 10 milhões de jobs, bem remunerados, num curto espaço.

- O e-commerce viu o aparecimento de empresas que cresceram com muita rapidez. Duas, muito valorizadas na bolsa: a Flipkart, fundada em 2007, e a Snapdeal, de 2010; elas estão a revolucionar o comércio, com altas vendas; uma delas criou uma plataforma digital onde inúmeros produtores de artigos os vendem, sendo cada venda avaliada pelo cliente; também o cliente o é. Isto eleva a qualidade do produto e da operação, pois ninguém quer ficar mal na foto, e todos querem vender cada vez mais.

- Além da Uber, existe a Olá, totalmente Indiana, já a operar também em países vizinhos, para serviço de táxis. Esta recebeu há um mês o prémio da start-up de êxito; os preços das corridas são calculados com regras claras e pagos com meios electrónicos. Muitos aperfeiçoamentos do Uber vieram das ideias da India e expandiram-se pelo mundo.

- Na Sillicon Valley, ainda hoje 50% das start-ups são de jovens de origem indiana.


Os aperfeiçoamentos de base tecnológica, as Apps, são frequentes e cobiçadas pelas empresas norte-americanas famosas. Talvez mais fáceis, por serem um avanço na linha de desenvolvimento anterior, que trazem vantagens ao utilizador.

 

Há grande esforço para pôr a India na vanguarda da liga de países empreendedores. Quer-se replicar as condições ‘mais amigas’, como:
- criar muitas mais incubadoras, com base nas experiências bem sucedidas;
- facilitar a criação de novas empresas;
- isenção fiscal no período inicial;
- facilitar o registo da propriedade intelectual;
- reduzir burocracia para o aumento do capital;
- dar facililidades na obtenção de crédito da banca, etc.

 

Ajudaria que os business angels e venture capitalists fossem mais ousados, com horizontes mais amplos. A revitalização dos laços academia/investigação, com partilha de lucros, são outros elementos importantes.

 

Em países menos amigos de empreender, a legislação tende a crucificar o fracassado sobre a sua ideia falhada: encerrar o negócio leva uma eternidade. Nos países amigos de empreender, uma experiência falhada é vista como uma ‘condecoração’, porque fez ‘suar’ e ganhar experiência, e sabedoria para novas aventuras.

 

Quer-se impulsionar start-ups no sector manufatureiro, alinhado com o ‘make in India’, na indústria têxtil, de artigos de pele, joalharia e pedras preciosas; na saúde e fármacos... Interesante também, como acontece entre nós, ver start-ups e inovações na agro-indústria: novas variedades mais produtivas e resistentes; empresas agregadores de produtores de um certo tipo, que remuneram bem a produção e vendem/exportam produtos de alta qualidade.

 

Eugénio Viassa MonteiroEugénio Viassa Monteiro

(Professor da AESE-Business School; Dirigente da AAPI-Associação de Amizade Portugal-Índia)

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D