Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

EQUÍVOCOS DE UMA PALAVRA

 

Austeridade.png

 

Quando muitos têm ideias claras em temas complexos, o simplismo domina as discussões. Se a crise económica da Europa é um problema que desafia análises sérias e deixa especialistas perplexos, como podem tantos achar a questão óbvia e a solução evidente?

 

Além de cegueira ideológica e aproveitamentos oportunistas, muitos dos mal-entendidos nascem da utilização inconsiderada da equívoca palavra "austeridade", à volta da qual roda o debate. Debaixo desta noção reuniu--se enorme quantidade de elementos, alguns díspares. Distorções e variantes permitem usar o mesmo termo para significar aspectos contraditórios, alimentando confusão e polémicas.

 

Qual é o significado exacto do conceito e qual a sua origem e impactos? Para entender o que está em causa temos de ir ao início do problema. Esta crise manifesta-se, como todos sabem, em défices e dívidas, após a longa euforia financeira. Ora isso significa apenas que se gastou mais do que se recebeu.

 

Aqui surge o primeiro sentido da palavra austeridade. Os tempos de facilidade, apesar de longos, eram ilusórios, alimentados com dinheiro alheio. Assim, mesmo que todo o esbanjamento anterior fosse esquecido e as dívidas perdoadas, só para ter uma vida sensata e evitar novos desequilíbrios, era preciso descer as despesas ao nível das receitas. Muitos dos cortes - aqueles que anulam o chamado "défice primário", sem juros - servem apenas para travar a espiral de dívida.

 

Mas acabar com o défice primário não resolve o problema; só estanca a sangria. Portugal, Grécia e outros andaram na euforia até ao último momento, só parando o despesismo quando os mercados de crédito fecharam. Esse fecho significa que os aforradores comuns deixaram de confiar na capacidade de o país honrar as suas dívidas, e consequentemente não emprestam mais. Se nada fosse feito, isso imporia um défice nulo de um dia para o outro, por falta de alternativas, implicando a austeridade completa. Esse é o segundo conceito, de que quase não se fala. Quando o total das despesas, incluindo os juros, tivessem imediatamente de ser iguais às receitas, o aperto seria máximo.

 

Esta é a disciplina mais violenta de todas, a verdadeira austeridade. Muitos países têm-se encontrado nessa condição ao longo dos séculos, como Portugal há 120 anos. Hoje felizmente existem mecanismos de ajuda externa para a evitar. É aqui que entram as organizações internacionais, que concedem financiamento quando mais ninguém o faz, permitindo adiar os cortes. Só que essa ajuda, neste caso da troika, vem com condições. Surge o terceiro conceito de austeridade, imposta nas cláusulas dos empréstimos de emergência. Esta é a mais leve das três, pela folga nos cortes, mas parece arbitrária e evitável e por isso suscita a ira de tantos. Porquê impor coacções tão duras e artificiais aos países aflitos?

 

As conversas comuns só apanham o fio aqui. Por isso, sem considerar o passado, atribuem à maldade insensata de dirigentes sádicos que países como Portugal ou a Grécia tanto sofram e o euro e a Europa ameacem catástrofe. Acabando com a austeridade desmiolada, tudo ficaria excelente. Serão as autoridades europeias tão estúpidas e perversas que não vêem aquilo que tantos apregoam com facilidade?

 

É bom lembrar um pequeno detalhe que nunca aparece nas discussões: estes países só caíram em crise porque não se souberam governar. Ou seja, os seus líderes foram capturados por interesses, próprios ou alheios, concedendo benesses acima daquilo que o país podia pagar. É isso o défice. Controlar essas reivindicações é o elemento central para solucionar o problema de fundo. Que interessa, não tanto aos credores externos, mas aos contribuintes nacionais. Os cidadãos deviam ser os primeiros a apoiar tal austeridade, porque são eles que, no fim, pagam as despesas excessivas e seus juros.

 

A maior parte dos críticos da austeridade põem as esperanças numa variante de almoço grátis: perdoa-se a dívida, isso liberta a economia que começa a crescer e tudo fica bem. Esquecem que antes da crise esse crescimento, ou não existiu, como em Portugal e na Itália, ou não evitou o endividamento explosivo, como na Grécia. De onde viria agora progresso tão miraculoso, para mais com os mercados financeiros fechados? Porque, é bom não esquecer, quando se repudia e insulta os credores, é difícil convencê-los a emprestar outra vez.

 

Austeridade é hoje uma palavra mágica, que parece controlar vidas e decidir discussões. Dada a quantidade de confusões que suscita, seria melhor um uso mais austero da palavra austeridade.

 

8 de Julho de 2015

 

João César das Neves.png

JOÃO CÉSAR DAS NEVES

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D