Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

ENTRE NÓS VAI COMEÇAR

 

Agora é que vamos repor a justiça, por que sempre ansiámos, acho que Vasco Pulido Valente não tem razão nos seus esclarecimentos sobre o fim da tal época da social democracia, que para todos os efeitos é uma doutrina da esquerda.

 

Entre os povos mais maduros em capacidade e trabalho, talvez tenha acabado, mas a nossa social-democracia, mais recente e de apoio externo colaborante, só falhada porque distorcida pelos individualismos gerais, vai certamente dar todos os frutos agora, no estabelecimento escrupuloso das igualdades sociais. Começa por uma extorsão, é certo, com manigâncias de promessas e salamaleques de conluio, há muito que Costa age com risos de herói, na subversão que pretende estabelecer.

 

E agora é que a justiça vai reinar, o novo PREC se avizinha, de um “salve-se quem puder” de precipitação, mal a Europa nos retire a passadeira, o que não vai tardar.

Berta Brás.jpg Berta Brás

 

O fim de uma época

Vasco Pulido Valente.png Vasco Pulido Valente

Público, 09/10/2015

 

A “social-democracia” acabou na maior parte da Europa por volta de 1970. Depois da guerra, a grande força igualitária, quem tinha combatido e sofrido queria dos políticos duas coisas básicas. Primeiro, o pleno emprego e salários crescentes. Segundo, um Estado Social mínimo: pensões de velhice, saúde gratuita, educação para todos.

 

Pouco a pouco, os partidos da esquerda e alguns da direita foram dando à massa da população o que ela pedia. Isto durou quando muito vinte anos. Só que a supremacia da Europa (e da América) a partir de 1965-1968 já não permitia este confortável arranjo. Começaram por desaparecer o pleno emprego e os salários crescentes. A seguir, a educação do Estado voltou pouco a pouco a beneficiar os filhos da alta classe média. A sociedade estagnou nas velhas formas de uma desigualdade inamovível.

 

O breve regresso da “social-democracia” acabou por ser uma batalha defensiva, que nunca conseguiu restabelecer a situação do passado. Os partidos do socialismo fizeram um esforço para recomeçar o caminho de 1948-1949. Não conseguiram; até a Inglaterra teve de pedir ajuda ao FMI; e os “trabalhistas”, que suspiravam pelo radical Tony Benn, entregaram o governo à Sra. Thatcher. Dali em diante, excepto em economias particularmente prósperas, a “social-democracia” passou a viver do imposto (cada vez mais pesado) e das dívidas que se iam acumulando à conta de um passado glorioso. Claro que, nesta queda, Espanha, Portugal e a Grécia, que precisavam de recuperar anos de miséria e de paralisia, caíram primeiro e desceram mais baixo.

 

Hoje há uma pergunta: que fazer dos partidos socialistas ou, se quiserem, social-democratas (no sentido próprio da palavra)? Quase nenhum pode continuar o programa tradicional de aperfeiçoamento e extensão do Estado Social (e o nosso PS menos do que outro). Emigrar para as simplicidades do século XX como o comunismo (na verdade, o estalinismo) ou qualquer outra espécie de seita revolucionária levaria directamente à mais desoladora pobreza. Ficar no sítio que sempre ocuparam, fingindo que o mundo não mudou, seria a receita para a divisão e para uma absorção lenta de cada uma das partes pela esquerda ou pela direita. O socialismo e a social-democracia chegaram ao fim do seu tempo. Só que a sua morte vai inevitavelmente provocar um abalo, e um abalo sério, no frágil edifício da democracia europeia.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D